América latina

Justiça aprova extradição de ex-presidente de Honduras para os Estados Unidos por tráfico de drogas

Juan Orlando Hernández é acusado pelos Estados Unidos de cometer crimes relacionados ao narcotráfico

www.brasil247.com - Juan Orlando Hernández
Juan Orlando Hernández (Foto: Reprodução)


Agência Regional de Notícias - A Suprema Corte de Justiça de Honduras (CSJ) decidiu nesta quarta-feira (17) aceitar a extradição do ex-presidente hondurenho Juan Orlando Hernández (2014-2022) para os Estados Unidos, acusado de três crimes relacionados ao tráfico de drogas e uso de armas de fogo.

Conforme anunciado pelo CSJ em seu Twitter e detalhado pelo porta-voz do CSJ, Melvin Duarte, em entrevista coletiva, o juiz natural Edwin Ortez decidiu aceitar a extradição do ex-presidente, cuja defesa terá três dias para decidir se vai recorrer da sentença. 

"Depois de ouvidas as provas apresentadas pela defesa e toda a documentação que foi enviada pelo Estado requerente (...) Cabe declarar a extradição", explicou Duarte.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Da mesma forma, o porta-voz disse que o ex-presidente "não pode ser julgado" por crimes diferentes dos definidos pelos Estados Unidos durante a acusação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Hernández permanecerá detido nas instalações da Força Nacional de Operações Especiais, mais conhecida como Las Cobras e ainda não se sabe quando a extradição para o país norte-americano entrará em vigor.

O processo contra Hernandez

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em 2021, um promotor de Nova York acusou o ex-presidente hondurenho de colaborar com o tráfico de cocaína para os Estados Unidos, em um caso ligado ao seu irmão, Juan Antonio Tony Hernández, condenado por tráfico de drogas em 2019. 

Em 7 de fevereiro deste ano, o governo dos Estados Unidos, por meio do secretário de Estado Antony Blinken, suspendeu o visto do ex-presidente por supostas ligações com atos de corrupção. O ex-presidente, que deixou o cargo em 27 de janeiro, publicou uma "carta pública" poucas horas após o anúncio para responder à decisão dos EUA.

Dias após sua prisão, Hernández interpôs recurso para que fosse concedida prisão domiciliar em vez de prisão preventiva, mas foi negado pela Justiça hondurenha.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A esposa de Hernández, Ana García, defendeu Hernández e apresentou uma denúncia à Comissão de Direitos Humanos pelas violações que, segundo ela, o ex-presidente sofreu durante sua detenção.

Para García, essas denúncias contra o marido são uma vingança dos traficantes extraditados que, dos Estados Unidos, “concordaram em espalhar mentiras e falsos testemunhos”.

Nesta quarta-feira, Hernández participou de audiência. 

Depois de analisar as provas, o SCJ oficializou o pedido de extradição aos Estados Unidos para que seja julgado em Nova York.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email