América latina global

'América Latina deve ter um programa comum para superar a crise', diz ex-presidente da Espanha

José Luis Rodríguez Zapatero defendeu, em curso promovido pela Escola de estudos latino-americanos e globais (Elag), um programa político para a esquerda latino-americana, com a união entre os países, o multilateralismo, a abolição da miséria e da pobreza e a promoção de direitos civis e sociais, e da liberdade

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News

O texto a seguir é uma adaptação da 6ª aula do Curso internacional “Estado, política e democracia na América Latina”, da Escola de estudos latino-americanos e globais (Elag), ministrada pelo ex-presidente espanhol José Luis Rodríguez Zapatero (PSOE).

Ganhar o futuro 

Quatro desafios para o progressismo e a esquerda

Quero começar com uma espécie de declaração de princípios. Sempre abordei a América Latina com respeito e humildade. Isso faz parte da minha filosofia política. A história nos mostrou, e minha experiência pessoal também, que em muitas ocasiões e em muitos momentos decisivos, há uma abordagem aos países latino-americanos, com uma visão de superioridade e distância, com uma visão errada. Para mim, a política é antes de tudo um exercício de conhecimento baseado em valores. Tenho procurado conhecer e me aproximar da América Latina com essa humildade e esse respeito.

É uma região jovem. Suas nações têm 200 anos de independência, depois de um processo de colonização, com vicissitudes, em busca de sua identidade e de seu futuro, em busca de democracias e processos participativos e com muitos regimes autoritários. A lista de golpes na América Latina é excessiva e produz fadiga histórica e fadiga moral. É uma região com forte influência da maior potência mundial, os Estados Unidos. Vários países em épocas diferentes têm condicionado o futuro livre e o livre desenvolvimento da Venezuela e de toda a América Latina. E digo Venezuela porque talvez tenha sido, nos últimos tempos, o objetivo geopolítico decisivo onde se disputaram as reivindicações e grandes aspirações de muitas das potências mais importantes do mundo, ante o que poderia ter sido, com equívocos, uma expectativa de mudança e transformação.

PUBLICIDADE

É um continente jovem em todos os sentidos: nações jovens, populações jovens e, portanto, com um grande futuro. É um continente com fortes recursos, com matérias-primas, com grande diversidade e grande homogeneidade. Se alguém fizer uma revisão das diferentes regiões do mundo, perceberá que existem poucos continentes com tantas dimensões em comum como a América Latina em todos os países que a compõem. Existem raízes indígenas, uma geografia avassaladora, recursos materiais e matérias-primas impressionantes e, o que é mais importante para mim, há um número muito importante de jovens e mulheres que decidiram assumir o futuro, ganhar o futuro para que a história das desigualdades e injustiças na América Latina escreva algumas páginas diferentes.

Zapatero e Lula
Dilma, Zapatero, Lula e Celso Amorim

Quatro princípios para um programa comum dos progressistas e das esquerdas latino-americanas

Sabemos que a tarefa de vencer o futuro leva décadas e está cheia de altos e baixos. No entanto, acredito que a América Latina terá suas melhores conquistas democráticas e sociais no século XXI. Agora estamos em um momento muito condicionado pela crise da pandemia e pelo que tem sido a política do governo Donald Trump para a região. Dois fatores que talvez não nos permitam ver com clareza quais serão os ritmos de construção no futuro imediato.

A grave crise que vivemos tem consequências muito claras. A primeira é que todas as crises que vamos viver no século 21 e, portanto, todas as esperanças deste século, serão globais. A crise de 2008 foi uma crise global, assim como a crise pandêmica da Covid-19 e também a grande crise climática que enfrentamos. Nenhuma força de esquerda, nenhuma força progressista poderá atuar efetivamente se não tiver uma visão ampla e precisa dos grandes movimentos que vão condicionar as políticas nacionais e globais no futuro imediato. 

PUBLICIDADE
Por isso serei direto: se eu fosse um líder político da esquerda latino-americana, minha primeira tarefa, meu primeiro compromisso, seria alcançar uma plataforma comum para todas as forças progressistas e de esquerda na América Latina. 

Se eu fosse um líder latino-americano e me perguntassem quais são os nossos principais desafios, mencionaria quatro que considero essenciais em um programa comum da esquerda latino-americana.

O primeiro deles é a integração, a união latino-americana. A América Latina é uma região homogênea com necessidades sociais, com grande desigualdade e que enfrenta um mundo com poder financeiro, econômico e tecnológico global, e que enfrentará potências como Estados Unidos, China ou União Européia. Só a voz unida da América Latina terá força, não exclusivamente perante o mundo, mas perante cada um dos latino-americanos, se pudermos abrir um processo de integração efetivo. A esquerda, o progressismo, deve trabalhar pelo exemplo, acreditando e construindo essa grande unidade latino-americana, promovendo a confluência de forças progressistas em um programa comum de integração política, econômica e social.

Em segundo lugar, a defesa ativa do multilateralismo. Vivemos em um mundo que exige respostas multilaterais para seus principais problemas e desafios. Acredito que a pior resposta que a esquerda poderia dar a este dilema crucial da história, nesta pós-pandemia que vai definir o século XXI, seria uma reflexão nacionalista.

PUBLICIDADE
Devemos reforçar e afirmar esse caráter internacionalista que escreveu as melhores páginas de esquerda da história. 

A defesa do multilateralismo, das instituições internacionais e, claro, a reforma de organismos internacionais como as Nações Unidas (ONU), o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional, na perspetiva do novo mapa geopolítico existente, onde o peso político e económico está se deslocando para a Ásia, com a potência emergente que é a China.

O Ocidente, os Estados Unidos e a Europa terão de assumir com urgência a nova realidade multilateral, o novo processo geopolítico global e relançar novas instituições. Se os Estados Unidos ou a União Europeia se fecharem sobre si próprios e virem a China e os outros grandes protagonistas da Ásia apenas como rivais, certamente teremos um século XXI com grandes fragmentações, um século em que os desejos de muitos povos do mundo não serão realizados. Se isso acontecer, Europa e Estados Unidos enfrentarão grandes dificuldades, que podem ser um declínio anunciado. Acho que essa é a visão que toda a esquerda latino-americana deve ter, se levantar, olhar para o mundo e compartilhar que é importante que haja programas de esquerda no Peru, na Argentina, no Chile, em todos os países da a região e, é claro, que as forças progressistas se unam em coalizões. A credibilidade autêntica da esquerda e do progressismo está associada à concretização de um programa comum, à unidade regional e à defesa do multilateralismo, onde questões como os bens públicos globais ou o controle do sistema financeiro internacional devem ser reformadas a partir de novas ideias. Essas ideias devem ser transformadas em compromissos políticos efetivos por forças políticas progressistas e de esquerda.

fome-inseguranca-alimentar-miseria
Prato vazio, fome volta à América Latina(Photo: Reprodução)Reprodução

Terceiro, a grande prioridade da América Latina deve ser abolir a miséria e a pobreza.

PUBLICIDADE
Não há melhor razão para unir progressistas e esquerdistas na América Latina do que a questão social, a luta pela igualdade e a redução das desigualdades. 

Estou convencido de que, em um programa comum, se multiplicarão a adesão e o apoio social e eleitoral de grupos e setores que hoje se encontram fragmentados e aos quais se deve apresentar uma alternativa política sólida e credível. Para abolir a pobreza extrema e a pobreza extrema, precisamos de Estados sociais. E para criar estados sociais precisamos de estados que tenham viabilidade econômica e capacidade financeira. Neste mundo global de mercados abertos, só conseguiremos isso se os bancos centrais dos países se unirem e as políticas econômicas se unirem para estabelecer um sistema tributário justo e necessário. As elites da América Latina devem entender que sem coesão social e sem justiça social não haverá países com estabilidade, não haverá sociedades onde se concretizem os valores da democracia representativa, valores fundamentais que implicam a convivência e democracias com separação de poderes, representatividade e liberdades individuais. 

Esse desafio é fundamental e a experiência que temos mostra que a maioria dos países da América Latina possui uma capacidade fiscal limitada que restringe extraordinariamente suas políticas sociais.

O desejo dos socialistas, a proteção de cada ser humano desde o berço até o túmulo; ou seja, o acesso à educação sem restrições, tenha ou não dinheiro, proteção até os últimos dias de sua vida com uma pensão digna, o direito à saúde universal, o apoio às pessoas com dependência e o trabalho de proteção social de direitos em face do infortúnio, só podem ser realizados se houver uma visão abrangente para a América Latina. 

É necessária uma política fiscal que permita arrecadar entre 35% e 40% do Produto Interno Bruto de cada país e da América Latina como um todo. 

Cheguei a esta conclusão depois de muito tempo, depois de saber que este compromisso fiscal que se tem conseguido na Europa Ocidental foi concretizado, basicamente, porque existe um projeto comum denominado “União Europeia”. Se pensássemos em uma União Latino-americana, teríamos muito mais capacidade de limitar este grande drama que existe na região: muito do capital que se gera e se produz vai para fora da América Latina e, quando há dificuldades, não retorna em investimento, os capitais não retornam para fornecer o câmbio estrangeiro necessário e suficiente. Insisto que serão muitas as dificuldades de cada país para ter aquela robustez e solidez em matéria fiscal e um Estado redistributivo que, claro, deve respeitar todas as condições básicas de transparência e submissão à lei, porque mesmo as políticas sociais precisam do máximo seriedade e o máximo exercício da responsabilidade pública.

As direitas pretendem ganhar e onde ganham o fazem alimentando as desigualdades, ou olhando para o outro lado, considerando as desigualdades como algo inevitável ou natural que explica aquela grande divisão social que, em alguns países, tem componentes de supremacia. Portanto, nossa razão de ser, a razão de ser dos progressistas é se rebelar e agir contra essas desigualdades. Como consequência da pandemia, sabemos que o número de pessoas que vão para a pobreza extrema aumentará em milhões, e isso deve ser o maior catalisador para todos os partidos políticos e líderes progressistas de esquerda na América Latina. Devem sentar-se e unir-se para fazer um programa comum que permita à América Latina chegar a essa segunda etapa após sua independência e a consolidação das nações jovens, mais um salto no processo civilizador da história do chamado a uma grande unidade, em defesa de multilateralismo, da igualdade social e de políticas fiscais com redistribuição.

Agora o quarto ponto. 

A esquerda e o progressismo devem ser os grandes promotores dos direitos civis, dos direitos sociais e da liberdade. 
Ato - Racismo - Democracia - fora bolsonaro
Ato Unificado Contra o Racismo e em Defesa da Democracia • 07/06/2020 • Brasília/DF(Photo: Renato Cortez/Mídia NINJA)Renato Cortez/Mídia NINJA

Na América Latina não haverá alternativa convincente e contundente de esquerda e progressista, se não fizermos do feminismo um fator que nos identifica, que nos une e nos aproxima. A esquerda deve prestar homenagem ao feminismo. 

O feminismo transformou consciências, abriu janelas, libertou mentes, permitiu que mulheres e homens se sentissem mais livres, mais felizes, com mais capacidade de resolver os grandes problemas de nossas vidas e proporcionou uma profunda ideia de justiça que nasce quando se abraça a igualdade e se olha a história denunciando tantas injustiças. 

A esquerda deve afirmar que a maior discriminação que a história realizou é contra as mulheres e as pessoas que escolheram em suas vidas amar quem elas querem, por defender sua liberdade individual, por ter uma vida aberta, uma visão nova, construtiva, enriquecedora, onde nenhuma doutrina ou moral se impõe, onde a liberdade é uma liberdade autêntica, profunda e sem limites, sem regras, que a limitam na expressão mais profunda de cada um de nós. O machismo é um dos freios mais dolorosos do progresso da história. 

O machismo é incompatível com a esquerda e com o progressismo, com uma visão de igualdade e com um desejo de justiça.

Os novos direitos sociais abrem um amplo leque para potencializar a esquerda, como o direito à privacidade diante do desenvolvimento tecnológico, a reivindicação de cada um de nós como atores-chave de uma sociedade que não pode ser uma soma de dados acumulados por uma empresa. Somos algo mais do que cem, mil ou mil e quinhentos dados. Somos seres conscientes, com vontade própria, com aspirações, com sentimentos e com vontade de viver. Estamos caminhando para uma sociedade onde esses novos direitos devem ser parte essencial de um projeto e de uma proposta da esquerda.

aborto-equador

Outros novos direitos são os direitos ambientais, que passaram a ter um papel importante na história. A esquerda deve liderar a luta contra as mudanças climáticas, que representa o direito à vida e à diversidade, o direito de cada um de nós de olhar a terra, o planeta, o meio ambiente, com capacidade de decisão. Temos e devemos ter a capacidade de decidir sobre o nosso meio ambiente, sobre o consumo de energia, sobre a biodiversidade. Essa capacidade só nos pode ser dada por leis, pelo Estado e pela ação política. Mas deve ser promovido a partir de uma força comum. É um campo extraordinariamente rico, é a nova fronteira da esquerda, a mais ambiciosa e na qual mais pode conquistar. É a fronteira que produz as realizações mais autênticas do que representa ter uma visão progressista da vida.

Que cada um seja livre, combata e rejeite qualquer discriminação contra a mulher, permita que cada jovem decida como quer que seja o seu consumo de energia, ou os seus direitos ambientais e saiba que podemos fazer uma sociedade onde não sejamos um aglomerado de dados, mas que as estatísticas e a inteligência artificial são uma contribuição para a dignidade do ser humano, para a abolição da pobreza e, claro, para a expectativa de uma sociedade mais justa.

Essas seriam para mim as quatro grandes abordagens, os quatro grandes objetivos da esquerda. 

Mas temos que ser muito claros, e eu vivi isso em minha experiência política: se não formos coerentes com essas abordagens, será difícil termos apoio popular. 

Se não mostrarmos que o que dizemos se parece com nós, não teremos a confiança do povo. Será um projeto lábil, será um projeto baseado em posições superficiais. A direita está sempre em outras coisas, está no imediato, está na economia para alguns. Mas é a esquerda que tem que estar nas transformações profundas, nas transformações substantivas. O que a Declaração dos Direitos Humanos significou em sua época, a negação da discriminação, a abolição da escravidão, que para mim é um período tão importante da história, esse é o potencial que a América Latina contempla.

*O Curso Internacional "Estado, política e democracia na América Latina" é uma iniciativa destinada a militantes e ativistas sociais, funcionários públicos, docentes e estudantes universitários, pesquisadores, sindicalistas, dirigentes de organizações políticas e não governamentais, trabalhadores da imprensa e toda pessoa interessada nos desafios da democracia na América Latina e no Caribe. Foi promovido pelo Grupo de Puebla, o Observatório Latino-Americano da New School University, o Programa Latino-Americano de Extensão e Cultura da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e a UMET.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email