PUBLICIDADE

Dilma: nosso lugar não é com os EUA, mas é a independência, ao lado da China

PUBLICIDADE

O texto a seguir é uma adaptação da 3ª aula, dada pela ex-presidenta do Brasil Dilma Rousseff, do Curso internacional “Estado, política e democracia na América Latina”, da Escola de estudos latino-americanos e globais (Elag).

China e América Latina

Desde a crise financeira de 2008, o crescente atrito entre a China e os Estados Unidos tornou-se aparente. Durante o governo Obama, e mais ainda no governo Trump, de forma declarada e aberta, os atritos aumentaram. A pandemia  da Covid-19 acelerou essas tendências.

PUBLICIDADE

Nesse contexto, a China vem utilizando um manejo mais sofisticado do chamado “soft power”. Durante a 73ª Assembleia Geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), em maio de 2020, ele propôs considerar as vacinas contra a Covid-19 um bem público global. Ao mesmo tempo, destinou dois bilhões de dólares em dois anos à OMS, instituição boicotada pelos Estados Unidos sob Trump.

O governoTrump demonstrou uma incompetência fantástica para lidar com a pandemia. A China, por sua vez, apresentou um dos melhores manejos dessa crise excepcional, com baixo número de mortes e controle rígido do índice de infecção.

A decisão do ex-presidente norte-americano de retirar seu país da OMS contrasta com a posição mais colaborativa e pró-ativa da China diante da pandemia.

PUBLICIDADE

Acredito que a Covid-19 marca uma virada na história das relações internacionais, particularmente na relação conflituosa entre os Estados Unidos e a China.

Xangai e Xi Jinping(Photo: Reuters)Reuters

O desenvolvimento da China e sua inserção no sistema internacional

A China teve um desempenho impressionante desde 1978, quando Deng Xiaoping assumiu a liderança do Partido Comunista da China (PCCh), da Comissão Militar Central e do governo chinês, adotando uma política de reforma e abertura. Esta é a fase de oportunidade estratégica que se estende por mais de três décadas, que será seguida, com algumas modificações, pelos seguintes líderes e chefes do governo chinês, como Jiang Zemin, Hu Jintao, Wen Jiabao e agora também, de alguma forma, expandida por Xi Jinping.

PUBLICIDADE

Esse processo, que se desenvolveu com a primazia e o domínio do PCCh, teve como objetivo acelerar quatro modernizações: agricultura; indústria; defesa; e ciência e tecnologia. De 1979 a 2013, a economia chinesa cresceu a uma taxa média de 9,8% e ultrapassou 10% em dois períodos: de 1991 a 2001 e de 2001 a 2013. O crescimento chinês não foi afetado nem pela crise financeira asiática de 1997, nem pela crise financeira global de 2008. O que aconteceu desde 2009 foi uma injeção brutal de recursos e estímulos por parte do governo chinês. Em 2010, a economia chinesa cresceu 10,4%, enquanto o mundo desenvolvido teve taxas de crescimento muito baixas ou mesmo negativas.

Durante este período, o governo chinês promoveu um forte setor privado, inicialmente nas chamadas “Zonas Especiais de Exportação” no sul da China e nas proximidades de Hong Kong. Este setor produtivo privado se espalhou para o resto da China nas últimas três décadas. Também construiu um setor público mais dedicado a áreas consideradas estratégicas, destacando-se na produção de bens intermediários - como aço, petróleo e armas - e na indústria espacial e aeronáutica. Ao mesmo tempo, promoveu importantes reformas na agricultura, principalmente ao permitir a expansão da pequena produção da agricultura familiar, articulando-a com as cooperativas e, simultaneamente, com as fazendas estatais.

PUBLICIDADE
É importante ressaltar que a civilização chinesa tem uma tradição de dar importância central à produção de conhecimento. Nos últimos anos, a China enviou milhões de estudantes para se formarem nas melhores universidades do mundo. A educação, a ciência e a tecnologia do país estruturaram, reestruturaram e modernizaram suas instituições com enormes investimentos governamentais. A China investe pesadamente em pesquisa científica e desenvolvimento tecnológico.

Também em inovação, posicionando-se para receber grandes investimentos estrangeiros, sem dúvida mantendo um forte controle sobre seu destino, e sem alienar ou esfriar seu controle interno sobre o setor bancário e as finanças.

Por sua vez, foi realizada uma grande descentralização, privilegiando as províncias, característica chinesa desde o Império nas suas diferentes dinastias. Sucessivos governos seguiram nessa direção e aprimoraram os mecanismos macroeconômicos de gestão e intervenção no mercado, instituindo principalmente um sistema de preços combinado com um sistema de planejamento indicativo.

É importante notar que, após o colapso e queda da União Soviética em 1991, a economia chinesa decidiu aprofundar uma remodelação radical do Exército Popular de Libertação. Isso porque percebeu a influência da tecnologia e das novas formas de conflitos armados que a Guerra do Golfo estabeleceu.

Em 2010, a China substituiu o Japão como a segunda maior economia do mundo. De acordo com o Fundo Monetário Internacional, em 2014, a economia chinesa atingiu uma nova marca ao se tornar a maior economia do mundo pelo critério de paridade do poder de compra do PIB. Na verdade, o PIB nominal da China era de US $ 10,4 trilhões, o que o coloca em cerca de 60% do PIB nominal dos EUA. Mas, em qualquer caso, é muito significativo ter atingido 60% em termos nominais e ultrapassado a paridade em termos de poder de compra. A China, aliás, mantém sua taxa de crescimento atual e bom desempenho relativo. Portanto, espera-se que supere a economia dos EUA em PIB nominal até 2030. Mesmo antes da pandemia da Covid-19, em 2019, o PIB chinês cresceu o equivalente a duas vezes o PIB dos EUA. O crescimento pode ser ainda maior, devido aos efeitos globais da pandemia e à má gestão dela pelo governo dos Estados Unidos durante o governo Trump.

A China também exerce o seu estatuto de maior exportador e distingue-se por ser a maior detentora de reservas monetárias, sendo a única grande economia com elevado excedente de capital e que, portanto, não se encontra sobrecarregada com enormes dívidas externas. Nos últimos anos, o crescimento chinês começou a desacelerar e está atingindo o chamado 'novo normal', com uma taxa entre 6% e 7%, o que é atribuído ao esgotamento do modelo impulsionado pelas exportações e investimentos em capitais fixos, especialmente em infraestrutura. Com o planejamento quinquenal, já se via que era preciso combinar esse crescimento, impulsionado pelas exportações e investimentos, com um ganho a partir do aumento, da expansão e do dinamismo do consumo interno. No entanto, mesmo considerando níveis entre 6% e 7%, o crescimento chinês ainda é muito superior ao das economias desenvolvidas, que ficará em torno de um pico de 3,1%.

Xi Jinping está acelerando as estratégias chinesas derivadas dos planos e decisões de cinco anos do governo e do PCCh. Um dos motivos é, sem dúvida, enfrentar a pandemia. O outro é o conflito entre os Estados Unidos e a China e a ameaça de um desacoplamento (decoupling) entre a economia chinesa e a americana.

Por exemplo, no plano "Made in China 2025", o presidente Xi Jinping propõe uma forte aceleração da produção doméstica de semicondutores, o que é importante porque, diante da ameaça de deslocamento da economia chinesa com a dos EUA, a China tem que tentar antecipar sua quase autossuficiência na produção local por meio do plano mencionado. Ao mesmo tempo, o presidente Xi Jinping lançou uma proposta chamada "dupla circulação", combinando o crescimento impulsionado pela demanda interna do consumo com o comércio exterior.

A política de contenção da China sob o governo Trump foi caracterizada pela guerra comercial sobre as tarifas, ainda mais pela tentativa de bloquear a tecnologia. Por exemplo, a Huawei em relação à rede 5G ou com a perseguição ao TikTok. A principal estratégia dos Estados Unidos tem sido promover o desacoplamento de ambas as economias, para enfraquecer a China.

Bandeiras dos Estados Unidos e da China(Photo: Diário do Povo)

A encruzilhada latino-americana

O conflito entre Estados Unidos e China impacta, é claro, na América Latina.

A China estabeleceu acordos bilaterais com Argentina, Brasil, México e vários países da região, tornando-se nosso maior comprador comercial e nosso principal provedor de investimentos estrangeiros diretos.

O apoio da China ao fortalecimento e reconhecimento da UNASUL e da CELAC também foi muito importante. Ainda na última cúpula do BRIC, durante meu governo, houve um encontro de quase todos os países latino-americanos com a China.

No que diz respeito aos Estados Unidos, que é a maior economia do mundo e a maior potência militar, duas grandes mudanças afetaram a relação com a América Latina e a geopolítica mundial nas últimas décadas. Por um lado, a expansão do neoliberalismo. De outro, o fim da Guerra Fria com a queda do Muro de Berlim, que transformou os Estados Unidos em uma nação hegemônica quase unipolar. Essas forças de tendência agiram e influenciaram a estrutura econômica e política até agora.

O neoliberalismo alterou a própria dinâmica do sistema capitalista.

Desde a financeirização da economia, à busca do Estado mínimo, à adoção de um sistema tributário regressivo e a uma desregulamentação mais radical do mercado de trabalho e da atividade bancária e financeira, tem havido uma grande concentração de renda no topo da esfera social da pirâmide, reduzindo o crescimento econômico. Processos que também se tornaram modelos para toda a ordem internacional liderada pelos Estados Unidos. O crédito e as finanças, motores da economia produtiva e facilitadores do crescimento econômico, tornaram-se um verdadeiro obstáculo e um vento contrário ao crescimento: uma barreira cujo centro está na especulação financeira desenfreada da qual se suga toda a riqueza. O pior sintoma desta patologia é a imensa desigualdade que se introduz nos Estados Unidos e também nos países ocidentais, produto de uma fantástica concentração de renda e de riquezas, da imposição de um trabalho precário com salários estagnados, que também produziu uma fragilidade econômica avassaladora com suas respectivas consequências políticas graves como, por exemplo, o surgimento de uma onda de extrema direita e a criação de bolhas e crises especulativas.

Quero destacar uma questão muito séria: a forma como os Estados Unidos interferem em alguns países hoje. Não só as guerras do Afeganistão e do Iraque, que foram extremamente desastrosas para a própria economia dos Estados Unidos, mas também todos os processos da chamada «guerra híbrida», especialmente aqui no nosso continente: com os golpes em Zelaya, em Honduras, Lugo, no Paraguai , contra meu governo, no Brasil. Além disso, o bloqueio econômico contra Cuba e Venezuela, que considero um desastre. Também o que aconteceu na Bolívia, com a OEA servindo de instrumento para essa trama semelhante a outras ocorridas aqui na América Latina, mas com a característica, além disso, de uma forte presença policial e militar.

Ex-presidenta Dilma fortaleceu a Petrobras(Photo: Divulgação)

O desafio da inserção latino-americana na economia mundial

As pressões dos EUA sobre a América Latina e contra a China têm se espalhado cada vez mais para novos campos. Um exemplo disso é o caso grave do ataque à empresa chinesa Huawei e da pressão sobre a rede 5G.

O grande problema da rede 5G é que hoje não existe alternativa de outras empresas, além da Huawei, para estabelecer uma rede com essas características. Principalmente porque a rede da Huawei usa tecnologia 4G LTE e a atualiza, tornando-a mais barata. Mas não é apenas mais barato: é muito mais eficiente e consistente. Hoje, dois requisitos são essenciais. O primeiro, ter uma comunicação ultra confiável e de baixa latência, necessária para usos críticos, por exemplo, em carros autônomos onde não pode haver latência e a rede não pode cair. Esses são casos específicos em que atrasos na conectividade não podem ser tolerados. A outra é a capacidade de lidar com a próxima explosão da chamada “internet das coisas” (IoT, na sigla em inglês - Internet of Things): a comunicação de máquina para máquina, com dispositivos interconectados transferindo uma imensidade de dados cada vez mais intensos e profundos. Esses recursos exigirão uma infraestrutura substancialmente nova e, portanto, serão amplamente explorados nesta e na próxima década. 

Forçar os países latino-americanos a não adotar a tecnologia 5G é impedir que tenham acesso a uma estrutura ultramoderna essencial.

Não é que os norte-americanos estejam dizendo "não compre isto, compre outro." O que eles estão fazendo é simplesmente bloquear a tecnologia 5G. Em todo o mundo, há um amplo reconhecimento de que tanto a latência quanto a capacidade de dados dessa rede desenvolvida pela empresa Huawei é muito grande.

A guerra comercial, política e tecnológica dos Estados Unidos contra a China exige que respondamos a uma série de questões cruciais para nossa região. Qual é o rumo da América Latina e como ela entrará na Quarta Revolução Industrial e Tecnológica? O limiar da inovação não é Uber e Airbnb, que são plataformas. A porta de entrada para as transformações tecnológicas e econômicas é a infraestrutura, no caso, o desenvolvimento da rede 5G. O fundamental é ter acesso a um intercâmbio de tecnologia que permita chegar à inteligência artificial, à comunicação máquina a máquina e ao desenvolvimento de novas aplicações. Portanto, a discussão na América Latina é como acessar a tecnologia nesse conflito.

Xi Jinping e 5G(Photo: Reuters)Reuters

Há um preconceito subjacente a um certo olhar geopolítico hegemônico que demoniza a China. Esse preconceito é baseado em duas premissas. A primeira, que a China, especialmente para o establishment norte-americano, nunca seria uma ameaça ao domínio econômico dos Estados Unidos no mundo, porque era um país agrário, quase feudal, com uma economia muito precária. Uma opinião concebível em 1980, quando a economia chinesa representava apenas 5% da economia norte-americana. Mas totalmente insano hoje. A única explicação plausível para essa leitura é uma alta miopia ideológica, que se baseia na segunda suposição: que o crescimento chinês era insustentável, já que o sistema político chinês não foi definido pelas ideias liberais dos Estados Unidos, mas pela doutrina do PCCh, o que seria um obstáculo intransponível ao desenvolvimento nacional.

Podemos verificar que havia uma visão do PCCh como burocrático e decadente, assim como a do Partido Comunista da União Soviética no final dos anos 1980 e 1990. Ao mesmo tempo, não se percebia isso, apesar de todas as contradições políticas e dos conflitos internos do PCCh, tanto nos períodos pré-Mao, quanto no momento pós-Mao - especialmente no período de reforma e abertura - o que produziu o maior repúdio nas autoridades chinesas, tanto de Deng, quanto Jiang Zemin e Xi Jinping, foi que eles foram considerados como "os Khrushchevs chineses" ou o "Gorbachevs chineses". Isso porque na China eles atribuíram a Khrushchev e Gorbachev erros graves que colaboraram na destruição da União Soviética. De acordo com os líderes chineses, a reforma política (Glasnost) nunca poderia ter sido feita antes de uma reforma econômica que produzisse crescimento e prosperidade para o povo. Cabe a nós avaliar isso à luz da história. Mas, em qualquer caso, não é possível supor que o socialismo chinês, com sua praticidade absoluta que interfere na economia de mercado, no sistema de preços e no planejamento indicativo sob o monopólio político do PCCh, desconheça que isso vem produzindo uma coesão política e cultural e crescimento econômico.

É interessante notar que o PCCh também abandonou a ideia de que representava apenas os interesses dos trabalhadores e incluía a representação dos capitalistas também. Em 2002, o sucessor de Deng Xiaoping, Jiang Zemin, propôs a teoria das três representações, segundo a qual o PCCh representa simultaneamente as forças produtivas sociais avançadas que explicam a produção, incluindo os capitalistas; a cultura avançada que explica o desenvolvimento e a imensa acumulação da civilização chinesa; e os interesses sociais da maioria das pessoas que respondem pelo consenso político.

Temos que pensar em como nos inserir em um mundo onde essas tensões vão se intensificar.

Sabemos que os Estados Unidos têm uma característica fundamental: um grande desenvolvimento científico de base, que não é, não pode e não será, pelo menos a curto e médio prazo, objeto de disputa significativa porque atinge uma dimensão internacional, através de suas universidades, seus laboratórios e seus centros de inovação públicos e privados. Ao mesmo tempo, a China caminha no sentido de treinar e fortalecer sua base educacional, científica e tecnológica. Acho muito importante para a América Latina perceber que precisa sair da comoditização e buscar a reindustrialização com outras características. Devemos ter uma posição autônoma e independente. Quem for capaz de ter uma relação mais construtiva com a América Latina é quem devemos apoiar e com quem devemos nos relacionar.

A América Latina não deve de forma alguma ser dominada por uma subordinação cega aos Estados Unidos.

Não podemos nos condenar ao atraso científico, tecnológico e de inovação. Não podemos nos condenar a interferências indevidas. Acho que o governo Biden abre algumas perspectivas. Mas, até hoje, não temos evidências de grandes mudanças nas relações entre os Estados Unidos e a América Latina durante os governos democráticos. Espero que seja diferente com o Biden.

Nessa correlação de forças, a América Latina é muito fraca. Mas devemos praticar uma não alienação altiva e ativa. Quando o Brasil ingressou no BRICS, junto com China, Índia, Rússia e África do Sul, não tínhamos um alinhamento subordinado com ninguém. Tínhamos uma política independente. O que está acontecendo hoje no mundo latino-americano é um grande enfraquecimento do poder de barganha de nossas economias. O Brasil está sujeito aos desígnios de Bolsonaro, espero que somente até as próximas eleições. A Argentina vive seu momento mais difícil, pois a dívida deixada por Macri - com a satisfação do Fundo Monetário Internacional - se somou à crise da Covid-19, colocando a economia argentina em situação de extrema fragilidade. Alberto Fernández está fazendo milagres. E o México ... tão longe de Deus e tão perto dos Estados Unidos. 

Não podemos sustentar a neutralidade. Acho que nessa relação o que podemos ter é uma posição maior de negociação, porque somos o continente com maior capacidade de alimentar o mundo.

Temos todas as riquezas minerais que você possa imaginar, desde as custosas terras usadas para fazer baterias até o petróleo: não esqueçamos que a Argentina tem muito petróleo; não esqueçamos que o Brasil tem o Pré-Sal; não vamos esqueçamos que a Venezuela é a maior reserva de petróleo do mundo; não vamos esqueçamos a enorme importância do México. Então, nossa inserção pode ser autônoma e pode ser negociada em igualdade de condições com outros países.

Não é possível continuar reproduzindo o complexo de inferioridade de algumas elites e oligarquias que nada fizeram senão se submeter aos Estados Unidos de forma vergonhosa. 

Além do não alinhamento, devemos ter nossas habilidades de negociação; uma força comum integrada como a que tínhamos na UNASUL ou podemos ter na CELAC. O G20, com três países latino-americanos, é fantástico. Agora, deve haver mais países latino-americanos. Por que não a Colômbia? É um processo em que só nós, somando os 680 milhões que somos, nos daremos a força necessária para negociar com eficácia.

A China não é uma democracia liberal. A China é controlada pelo PCCh. Como disse o primeiro-ministro de Cingapura, há um mal-entendido em relação ao PCCh, que é um partido civilizador que faz parte de toda a tradição civilizatória da China. 

A China é extremamente pragmática. Portanto, não está na mente da China interferir na maneira como as pessoas escolhem internamente sua organização social, econômica, política e cultural. Existe uma diferença de foco, de visão.

O próprio Kissinger mostrou duas coisas. Primeiro, que a visão estratégica da China era diferente da ocidental. O jogo de estratégia ocidental mais complexo é o xadrez, com o objetivo de cercar a rainha e matar o rei. O jogo chinês, o Go, é um jogo de estratégia e de cerco. Não se ganha com ações diretas e com conquista, com guerra: a melhor forma de vencer não é lutando. Essa é a visão chinesa, e devemos procurar entendê-la da mesma forma que devemos entender que eles não têm a mesma perspectiva religiosa que nós. O que é chamado de realismo chinês é expresso no ditado "confucionista na vida pública, taoísta na vida privada e budista na morte".

Nosso lugar não é com os Estados Unidos. Nosso lugar é a independência, ao lado da China.

*O Curso Internacional "Estado, política e democracia na América Latina" é uma iniciativa destinada a militantes e ativistas sociais, funcionários públicos, docentes e estudantes universitários, pesquisadores, sindicalistas, dirigentes de organizações políticas e não governamentais, trabalhadores da imprensa e toda pessoa interessada nos desafios da democracia na América Latina e no Caribe. Foi promovido pelo Grupo de Puebla, o Observatório Latino-Americano da New School University, o Programa Latino-Americano de Extensão e Cultura da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e a UMET.

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE