América latina global

Na América Latina, 12 de outubro é celebrado como Dia da Resistência Indígena

Data foi firmada originalmente pela chegada dos colonizadores europeus à América e ressignificada

www.brasil247.com - Manifestantes em protesto em Bogotá, capital da Colômbia
Manifestantes em protesto em Bogotá, capital da Colômbia (Foto: REUTERS/Luisa Gonzalez)
Siga o Brasil 247 no Google News

No dia 12 de outubro, a América Latina celebra o Dia da Resistência Indígena. Em toda a região, a data foi ressignificada, tendo sido, originalmente, atribuída à celebração da chegada de Cristóvão Colombo às Américas – ou o "Dia da Hispanidade". Ainda hoje, a data é celebrada desta maneira na Europa, como uma "descoberta" do novo mundo que, para os povos originários, significaria séculos de exploração e extermínio.

Atualmente, existem cerca de 826 povos indígenas na região latino-americana. São mais de 45 milhões de pessoas, o que representa cerca de 10% da população do continente. Nos últimos anos, as investidas contra as populações originárias tem se acentuado com retrocessos legislativos, golpes de Estado e avanço extrativista.  

Na Argentina, a data foi firmada como "Dia do Respeito à Diversidade Cultural". Os movimentos indígenas e antirracistas, entre eles OLP Resistir y Luchar, Coluna Antirracista e Resumen Latinoamericano, prepararam um escracho à estátua do ex-presidente militar Julio Argentino Roca, no centro da capital federal, em Buenos Aires.

PUBLICIDADE

Roca liderou a chamada "Campanha do Deserto", que promoveu o genocídio de povos indígenas mapuches na Patagônia entre 1876 e 1879. O ato acompanha o movimento de desmonumentalização promovido por movimentos progressistas, que têm lutado contra a homenagem a colonizadores e genocidas em diversos países.

Por sua vez, o Movimento de Mulheres Indígenas pelo Bem Viver convocou à primeira greve plurinacional em defesa do povo mapuche, que tem sofrido despejos violentos na Patagônia. O movimento denomina esses crimes como "terricídio".

"Estão nos expulsando das nossas terras. As empresas extrativistas roubam nossa água em todos os territórios plurinacionais", afirmam, na convocatória, que incita para a data a abertura de rádios, marchas, concentrações e festivais.

PUBLICIDADE

No documento, ressaltam as reivindicações a promulgação da lei de propriedade comunitária; um dispositivo político, democrático e humano para impedir os despejos e operações repressivas contra os povos indígenas; a não criminalização da luta dos povos indígenas; e a aprovação da lei de defesa territorial das mulheres indígenas contra as violências de gênero sofridas nas comunidades.

O Movimento de Mulheres Indígenas fará uma live às 20h em sua conta de Instagram: @mmujeresindigenas.

Em defesa da Whipala

Outro ato significativo ocorre na Bolívia com o chamado "Grande Wiphalazo", em referência à bandeira de quadrados coloridos que simboliza as nações indígenas andinas. Milhares de bolivianos se reuniram em distintos pontos do país para alçar a bandeira, símbolo reconhecido pela Constituição do país.

PUBLICIDADE

O Wiphalazo não apenas reivindica a data como celebração da identidade cultural e a resistência indígena e em oposição à conquista espanhola, mas reforçam o movimento popular contra as investidas do setor direitista ligado ao golpe de 2019, que tem buscado desestabilizar o governo do presidente Luis Arce (MAS).

Nesta segunda-feira (11), grupos de direita convocaram uma greve geral em oposição à Lei Contra a Legitimação de Renda Ilícita, que teve seu tratamento postergado.

O governo avaliou ontem como atividade normal no território e classificou como uma jornada de greve institucional e política liderada pelos comitês cívicos que rejeitam o projeto de lei. 

PUBLICIDADE

Os atos pelo Dia da Resistência Indígena neste 12 de outubro acontecem em nove departamentos bolivianos, dos quais Arce participa pessoalmente em Santa Cruz, La Paz e Cochabamba.

“Não somos bicentenários, somos milenários”

Na Guatemala, o 12 de outubro é celebrado como o Dia da Dignidade, Resistência Indígena, Negra e Popular. Uma marcha partiu do Obelisco em direção à Câmara da Indústria, na Cidade da Guatemala, com concentração desde às 8h.

“Neste 12 de outubro, comemoramos 529 anos de resistência indígena, negra e popular, porque desde o início da invasão europeia, não deixamos de lutar contra as violentas imposições com que pretendem nos submeter e calar”, afirmou uma integrante da Assembleia Social e Popular Guatemala em uma conferência de imprensa realizada no território Ixil, para convocar à marcha.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email