29M: Fora Bolsonaro!

"A mobilização popular é o primeiro passo de um largo caminho até que a justiça social e a dignidade, para todos, sejam reestabelecidas neste país. 29M: Fora Bolsonaro! Por um auxílio emergencial digno e vacina para todos já!", escreve a doutoranda em História Carla Teixeira sobre os protestos deste sábado

www.brasil247.com - Com máscaras e distanciamento, movimentos voltam às ruas exigindo “Fora Bolsonaro”
Com máscaras e distanciamento, movimentos voltam às ruas exigindo “Fora Bolsonaro” (Foto: Ato da Coalizão Negra em 13 de maio de 2021 / Julia Vitoria)


(...)É preciso que haja algum respeito,  

 ao menos um esboço

 Ou a dignidade humana se afirmará

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 a machadadas.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

(Torquato Neto em “Poema do Aviso Final”)

Estão previstas para o próximo sábado, 29 de maio, manifestações populares em todo o país para conter a sanha daqueles que querem ganhar dinheiro enquanto o povo morre da peste e de fome. Depois dos fascistas sentirem-se à vontade para irem às ruas reivindicando pautas autoritárias - como o fechamento do STF e do Congresso Nacional, e mais poderes ao capitão presidente -, as esquerdas, partidos, sindicatos e movimentos sociais decidiram sair do zoom e do streamyard para fazer coro aos indignados e vilipendiados pela política de morte do atual governo militar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Historicamente, foram as inúmeras manifestações populares que garantiram os serviços públicos que o povo brasileiro hoje dispõe e também as conquistas alcançadas pelos trabalhadores. Imaginem: o que seria do nosso país, nesta pandemia, sem o SUS, as universidades e instituições públicas de pesquisa? Certamente teríamos uma pilha ainda maior de cadáveres e mesmo a vacina, a conta-gotas, não estaria pingando no braço dos brasileiros. Se a coisa parece ruim, a história mostra que só não esteve pior porque a organização popular, nas ruas, garantiu saída para as inúmeras tragédias pelas quais passamos.

O golpe militar de 1964 se deu num contexto de amplas manifestações populares que pediam a urgente democratização da sociedade com a ampliação de direitos e cidadania. Mais uma vez, as forças armadas, a mídia elitista, as igrejas conservadoras, a classe média excludente e os oligarcas escravocratas se juntaram para jogar o país no caos de 21 anos de ditadura militar que sequestrou, torturou, matou e fez desaparecer os seus opositores.

Nos anos 1970 e 1980, foram as gigantescas greves dos trabalhadores do ABC paulista e a massiva campanha pelas “Diretas já!” que botaram os milicos pra correr do governo e permitiram o retorno dos civis, referendado pela Constituição Cidadã de 1988. A Nova República trouxe a ampliação da cidadania e a esperança de um aprofundamento democrático que se fez crer durante o ciclo dos governos petistas, mas logo foi interrompido pelo golpe de 2016, protagonizado por personagens que ecoavam a violência institucional de 1964, nos fazendo viver a recidiva de um passado que não passa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A ascensão de Bolsonaro ao poder, em 2018, se deu num contexto de comprovada fraude eleitoral que hoje nos custa o pior governo que a República já teve. A pandemia do novo coronavírus fez explodir na cara da sociedade brasileira todas as chagas que insistia em ignorar: desigualdade social, racismo, patrimonialismo, corrupção, patriarcalismo, machismo, intolerância e um chocante desprezo pela vida humana.

A situação atual pode ser resumida na frase que chama as manifestações de sábado: “o governo é mais perigoso que o vírus”. Isso conclui que não haverá saída para esta pandemia sob o governo Bolsonaro pelo simples fato de que o presidente da República é o principal ponto de desagregação em qualquer tentativa das forças e instituições políticas para conter a disseminação do vírus e o agravamento da pandemia. Bolsonaro e a sua corja de fanáticos apoiam-se na teoria da “imunidade de rebanho”, boicotam as vacinas e qualquer medida de proteção individual e coletiva. Não venceremos o vírus sem vencer o verme.

Dia 29 de maio será apenas a primeira de muitas manifestações. O caminho será árduo, mas a história nos mostra que a vitória é certa. Todas as chamadas insistem que os presentes utilizem máscara do tipo PFF2 (N95), levem álcool em gel e procurem manter distância física de outras pessoas: cuidando de si e de todos. Muitas cidades planejam formar “comissões de segurança” para contribuir com a organização sanitária da manifestação, inclusive com a distribuição de máscaras. A mobilização popular é o primeiro passo de um largo caminho até que a justiça social e a dignidade, para todos, sejam reestabelecidas neste país. 29M: Fora Bolsonaro! Por um auxílio emergencial digno e vacina para todos já!

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email