8 de março é dia de empoderamento, feminismo, equidade e força para seguir a luta

Em 2018, a data de 8 de março deve ser lembrada como mais um momento para mobilizar, buscar conquistas de direitos e discutir as discriminações e violências morais, físicas e sexuais que ainda são sofridas pelas mulheres

Em 2018, a data de 8 de março deve ser lembrada como mais um momento para mobilizar, buscar conquistas de direitos e discutir as discriminações e violências morais, físicas e sexuais que ainda são sofridas pelas mulheres
Em 2018, a data de 8 de março deve ser lembrada como mais um momento para mobilizar, buscar conquistas de direitos e discutir as discriminações e violências morais, físicas e sexuais que ainda são sofridas pelas mulheres (Foto: Luiz Carlos Suíca)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Em 2018, a data de 8 de março deve ser lembrada como mais um momento para mobilizar, buscar conquistas de direitos e discutir as discriminações e violências morais, físicas e sexuais que ainda são sofridas pelas mulheres. O Brasil precisa reagir contra o golpe em andamento no país e impedir ainda mais retrocessos que ameacem o que já foi alcançado em diversos setores, principalmente quando se refere à equidade salarial, ações de empoderamento e de participação política. As mulheres ainda não possuem representatividade compatível com a quantidade de pessoas do sexo feminino que existe no país – mais da metade da população é feminina no Brasil. O nosso parlamento, em contrapartida, é amplamente masculino, misógino e egocêntrico, basta analisar o impedimento da presidente Dilma Rousseff.

Vivemos um processo de retrocessos. O que está em jogo agora são os direitos trabalhistas e previdenciários das mulheres, principalmente das mulheres agricultoras. O governo golpista de Michel Temer (MDB) quer impor uma profunda desigualdade entre as mulheres que atuam no campo com as que vivem nas cidades e equiparar o tempo de contribuição com o dos homens – um tremendo desrespeito com a dupla, às vezes tripla, jornada de trabalho delas. Neste momento crítico que vivemos no Brasil, a citação histórica de Simone de Beauvoir deve ser lembrada como um alerta: "Nunca se esqueça de que basta uma crise política, econômica ou religiosa para que os direitos das mulheres sejam questionados". Infelizmente, é justamente o que presenciamos diariamente com o governo temeroso, reacionário e antidemocrático que está instalado no Congresso Nacional.

Por exemplo, com o argumento de que estariam promovendo a igualdade entre os gêneros, o governo federal de Michel Temer propôs que homens e mulheres passassem a se aposentar com a mesma idade. Uma questão retrógrada e questionável, já que não existem políticas estruturais nem reformas que atinjam a classe mais abastada do país, como a taxação das grandes fortunas, por exemplo. Nos debates sobre a reforma da previdência – que saiu de pauta momentaneamente e deu lugar a uma intervenção militar no Rio de Janeiro – duas questões foram levantadas envolvendo as mulheres no que diz respeito ao acesso à aposentadoria: em uma jogada só, Temer desejava igualar o tempo de contribuição das mulheres com os homens e, repentinamente, elevar o seu período contributivo em 60%.

Historicamente, as mulheres, a partir de muita luta organizada, têm alcançado inúmeros avanços mesmo que de forma lenta. O 8 de março é uma data importante para continuar a luta, porque remete a um caso que se tornou conhecido em todo o mundo. A criação do Dia Internacional da Mulher é em razão do incêndio em uma fábrica têxtil de Nova York (EUA), em 1911, quando cerca de 130 operárias morreram carbonizadas. Mas apenas anos depois, em 1945, a Organização das Nações Unidas (ONU) assinou o primeiro acordo internacional que tinha princípios de igualdade entre homens e mulheres. Foi uma luta demorada, e apenas em 1960 o movimento feminista ganhou corpo, em 1975 comemorou-se oficialmente o Ano Internacional da Mulher e, em 1977, o 8 de março foi enfim reconhecido oficialmente pela ONU.

No Brasil, além do direito ao voto, que se configurou em 1932, as mulheres também lutaram para conquistar o direito à maternidade, à educação e ao trabalho no ambiente público – saindo do ambiente privado de seus lares. No entanto, ainda existem algumas barreiras centrais que impedem as mulheres de alcançarem a igualdade em sua plenitude, dentre elas, a violência de gênero e a baixa representação política.

O Brasil é o quinto país que mais mata mulheres no mundo, e o combate à violência contra a mulher é um grande desafio que deve envolver ações conjuntas entre toda a sociedade e o poder púbico, num esforço coletivo de garantir uma sociedade mais justa, igualitária e segura. O primeiro passo para alcançarmos um patamar de igualdade é a participação da mulher no cenário político, a fim do desenvolvimento social do gênero, pois há pouca representatividade da mulher nos espaços de poder e decisão como no Congresso Nacional, nas Assembleias Legislativas e nas Câmaras de Vereadores.

No entanto, é preciso que se destaque os avanços acontecidos nesta seara, especialmente nos governos do PT, com a implantação de políticas públicas de proteção e inclusão das mulheres em todos os setores da sociedade: programas como Bolsa Família, Minha Casa, Minha Vida, a aprovação da PEC das Domésticas, os fortes investimentos em educação que possibilitaram a criação de mais creches e vagas em universidades, a Lei Maria da Penha e a tipificação do crime de 'feminicídio' são exemplos de políticas comprometidas com a promoção da autonomia, crescimento e empoderamento feminino.

É necessário aprofundar estas políticas públicas e sociais, para que as mulheres negras, que estão na base da sociedade com menores salários e mais dificuldade de acesso aos direitos, sejam elas das periferias das grandes cidades ou das zonas rurais dos municípios, sejam parte do processo de transformação e empoderamento real feminino. O dia a dia dessas mulheres é marcado por lutas intensas e características daquelas que precisam dar conta de alimentar, educar e proteger uma família ainda que não ocupem um trabalho formal, digno e seguro.

Angela Davis, professora e filósofa norte-americana, diz que "as mulheres negras são a base da sociedade e quando a base se move, toda a estrutura social se modifica". Ou seja, é preciso que as mulheres negras sejam o público-alvo das políticas sociais, pois se as alcançarem provocando mudanças em suas vidas, por certo, estas políticas já atingiram a toda sociedade.

É preciso continuar a luta em busca de reaver os direitos usurpados, manter a vigília, para que outros não sejam colocados à prova ou vilipendiados por leis que só beneficiam os ricos e poderosos deste país. E, principalmente, é preciso que nós homens também participemos da luta das mulheres na conquista de novos direitos.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247