A carta de Mandetta aguarda resposta de Bolsonaro

Inédita até agora, carta divulgada na CPI alertava para "as gravíssimas consequências" que a covid-19 representava para a saúde da população, escreve Paulo Moreira Leite, do Jornalistas pela Democracia

Luiz Henrique Mandetta
Luiz Henrique Mandetta (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Paulo Moreira Leite, do Jornalistas pela Democracia - Não adianta fingir nem disfarçar. 

A carta do então ministro Luiz Henrique Mandetta dirigida ao Presidente da República Jair Bolsonaro, com data de 28/3/2020, é uma prova tão contundente que chega a ser espantoso não tenha merecido a máxima atenção até agora.  

Naquele momento, quando o número de óbitos chegava a 2000 brasileiros e brasileiros, o ministro da Saúde alertava Bolsonaro para o risco de "colapso do sistema de saúde e gravíssimas consequências à saúde da população".  

A mensagem só não precisa ser considerada profética porque os fatos falam por si, com a precisão sustentada pelo conhecimento científico -- e ocorreram exatamente como era previsto.

 De lá para cá, o país atravessou um ano e 35 dias. O número de óbitos multiplicou-se  206 vezes para atingir os 412 000 mortos confirmados na manhã de hoje -- movimento que segue em alta, e estará um pouco mais alto amanhã, e depois, e depois, e depois... 

Impossível colocar em dúvida o alerta para o "colapso do sistema de saúde", ilustrado por imagens e depoimentos chocantes  sobre pacientes que enfrentaram carência de oxigênio e medicamentos de primeira necessidade. Em dias de maior movimento em pronto-socorros, muitos chegam a ser atendidos dentro de casa, com médicos e medicamentos por conta da família, embora o país tenha construído um dos mais eficientes sistemas de saúde pública do mundo. 

Diante daquilo que se veria no dia-a-dia, pelo noticiário e pelo relato de profissionais de saúde, o termo "gravíssimas consequências à saúde da população" pode ser lido como um eufemismo elegante diante do ambiente de roleta russa da morte que marca a rotina de brasileiros e brasileiras que disputam vagas em UTIs. 

Escrita por um ministro de Estado, que na época enfrentava um clima de hostilidade aberta no Planalto -- Mandetta deixaria o posto 18 dias depois --, a carta é um testemunho histórico. Aponta fatos e indica responsabilidades. 

Cedo ou tarde, Jair Bolsonaro deverá ser chamado a explicar-se ao país. 

Alguma dúvida?

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email