A celebração do golpe militar: o reverso da lucidez

A celebração do aniversário do regime ditatorial brasileiro representa o fato de o Estado sequer reconhecer suas atrocidades. Colocada no quadro das chacotas postadas pelo presidente para desviar a atenção da opinião pública, a comemoração parece se diferenciar das demais pelo seu grande potencial de humilhar e afetar as vítimas e familiares das vítimas da ditadura

A celebração do golpe militar: o reverso da lucidez
A celebração do golpe militar: o reverso da lucidez (Foto: Adriano Machado - Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O porta-voz do governo de Jair Bolsonaro, Otávio Rêgo Barros, anunciou na última segunda-feira a determinação do presidente para que o Ministério da Defesa faça "as devidas comemorações do 31 de março de 1964". Estrategicamente polêmica, a medida vai contra o que pensa boa parte dos militares, a chamada ala moderada das Foças Armadas, que preferem tratar do tema de modo mais reservado.

A Lei de Anistia de 1979 impediu que os carrascos do regime militar respondessem por suas ações, mesmo nos casos em que havia provas cabais e irrefutáveis contra os agentes do regime. Como já havia acontecido com o processo de escravidão, mais uma vez os perpetradores foram perdoados antes mesmo de qualquer julgamento.

Esses processos históricos e sociais têm feito do Brasil uma sociedade imersa em permanentes tensões sociais e desatinos de poder. Infundada e inócua, como muitas das medidas tomadas pelo atual Governo até aqui, a celebração do Golpe Militar de 64 é uma clara afronta aos valores democráticos de liberdade e humanismo.

Celebra-se um regime repressivo, responsável pela tortura, a prisão, a morte e o desaparecimento de milhares de brasileiros, dentre os quais crianças, gestantes e idosos. E as feridas sociais abertas por esse período sombrio de nossa história estão longe de cicatrizarem.

O Estado brasileiro ainda não se retratou dos crimes bárbaros cometidos contra os seus cidadãos, legítimos opositores do regime então vigente. Ninguém foi julgado ou condenado. Diferente de outros países latino-americanos – onde os responsáveis foram responsabilizados e julgados–, "nossos" carrascos nunca foram punidos nem imputados por seus crimes.

Nesse sentido, a celebração oficial do aniversário do regime ditatorial brasileiro representa também o fato de o Estado sequer reconhecer suas atrocidades. Colocada no quadro das chacotas postadas pelo presidente para desviar a atenção da opinião pública, a comemoração da ditadura parece se diferenciar das demais, no entanto, pelo seu grande potencial de humilhar e afetar as vítimas e familiares das vítimas da ditadura. E nessa marcha dos insensatos não parece haver lugar algum para a mínima lucidez.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email