A curva da insensatez

O poder, ao mesmo tempo que exerce um esmagador (e até erótico) atrativo, se mostra pesado. Põe por água abaixo expectativas e intenções. No caso de Jair Bolsonaro, o espetáculo de vê-lo se exceder, aos palavrões, contra magistrados da mais alta corte evoca cenas de Carpentier



No genial romance O recurso de método, o escritor Alejo Carpentier concebe a história de um país, onde um dirigente fascinado pela cultura europeia acorda em seu apartamento parisiense, olha o Arco do Triunfo pela janela e se sente feliz. Sempre que pode, entrega a administração pública para algum assessor e retorna ao refúgio francês no qual goza de prestígio entre intelectuais e liberais. Não espanta. Gosta do convívio com eles, liberais na política e gente adiantada, progressista, de mente aberta. Infelizmente, quando menos espera, recebe chamados urgentes de crise e tem de regressar à sua terra para acalmar rebeliões e conter levantes. O liberal que deixa Paris chega em sua capital de chicote na mão, pronto para proclamar sua autoridade e “pacificar” as contestações.

Guardadas as devidas proporções, há paralelos com o que se passa no Brasil dos nossos dias. Em vez de Paris, deveremos pensar nos Estados Unidos, talvez em Nova York ou Washington D.C., quem sabe no Capitólio. O dirigente metido a francês possui clara fragmentação de personalidade, dividido entre o avanço e o atraso, a boa convivência e a tirania. Não parece exagero pensar em temperamento esquizofrênico. Pois igualmente aqui, no Hemisfério Sul, o Presidente avança em devaneios totalitários, de características paranoicas, sem se dar conta de que, em suas funções, tem de dividir autoridade com os outros poderes: o Judiciário e o Congresso. As confusões no plano constitucional o levam, com uma frequência assustadora, a desrespeitar as outras autoridades e se isolar no bunkerde seus apoiadores - os selvagens de motocicleta a quem convoca para se fazer de superior. Com eles, oferece livre curso às fantasias de superioridade de sua mente atormentada.

Há diferenças, evidentemente, entre o nosso e o ditador de Alejo Carpentier. Ainda não nos encontramos de armas em punho, em guerra declarada entre situacionistas e contestadores. Sob o aspecto da insensatez, no entanto, damos a impressão de nos equiparar e até ultrapassar o caráter grotesco do personagem que desembarca de chibata em sua capital, disposto a se perpetuar... em Paris. Não é novo, na História, o fenômeno de lideranças que, por força de tensões, terminam sofrendo de um curto circuito nos terminais nervosos. Por causa disso, lidam mal com as ambições pessoais e perdem o freio, isolando-se em Palácio, em cercadinhos com acólitos de confiança. A população paga um preço elevado por semelhantes desvarios. Pisa num chão escorregadio, sem saber para onde se encaminha diante dos exemplos de insensatez que se acumulam à passagem dos dias. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O poder, ao mesmo tempo que exerce um esmagador (e até erótico) atrativo, se mostra pesado. Põe por água abaixo expectativas e intenções. No caso de Jair Bolsonaro, o espetáculo de vê-lo se exceder, aos palavrões, contra magistrados da mais alta corte evoca cenas de Carpentier. As desculpas de natureza psíquica, ligadas a seu estado mental, não diminuem a gravidade da questão. Criam perguntas sobre nossa capacidade de alcançar as próximas eleições com a certeza de realizá-las. A loucura, com efeito, como demonstrou Machado de Assis, pode ser contagiante. Que se cuidem os nossos militares, juristas e cidadãos responsáveis. Se a tendência se confirmar, não haverá espaço suficiente nos nossos manicômios.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email