A direita latino-americana fracassou

"A direita latino-americana fracassou, porque seu modelo, o neoliberal, não logra nem a retomada do crescimento econômico, promovendo exclusão social, desemprego e miséria", escreve o cientista político Emir Sader

Quando perdeu a capacidade de controlar os movimentos populares, a direita latino-americana apelou para golpes e ditaduras militares. Ela submeteu um país como o Brasil a 21 anos de regime terrorista, que se estendeu ao Uruguai, Chile e Argentina por muitos anos.

Posteriormente, sujeitou praticamente todos os países a modelos neoliberais, que privatizaram o patrimônio público, destruíram os direitos históricos dos trabalhadores, promoveram a maior exclusão social que nossos países conheceram. Uma vez na década de 1990, outra na segunda década deste século.

Mas eles falharam brutalmente. Os governantes da primeira onda neoliberal foram  rejeitados em seus países, vários deles foram presos, nunca mais elegeram governos. Em sua segunda vaga, a direita mostrou que não tem mais nada a propor a nossos países que não sejam ajustes fiscais, privatizações, exclusão social, fome e miséria. Eles falharam novamente.

Eles falharam no México, depois de submeter o país a três décadas de neoliberalismo e submissão aos EUA, tornando o país um imenso desastre político, social e de violência disseminada. Lopez Obrador foi eleito o presidente com mais apoio em toda a história do país.       

Eles falharam na Argentina, depois de retomar o mesmo modelo do passado. Em pouco mais de dois anos, fracassaram e foram derrotados pelo voto democrático da maioria dos argentinos, que preferem um país com desenvolvimento econômico e distribuição de renda.

Eles falharam no Equador, tentando empurrar o país de volta ao modelo que já falhou e foi superado por dez anos. Com mobilizações populares que fizeram o governo voltar em suas medidas antipopulares.

Eles fracassam no Brasil, quando tentam liquidar todos os avanços dos governos do PT por 12 anos, apelam para uma pessoa desqualificada e comprometida com corrupção e assassinato, que é reduzida a menos de 1/3 do apoio que ele já teve em seu primeiro ano de mandato. Com Lula favorito para ser presidente do país novamente.

Eles fracassam no Chile, com um modelo neoliberal no país que sempre foi o caso de suposto evento mais bem-sucedido dessa política, com o governo rejeitado pela grande maioria da população, que não se desmobiliza nem mesmo com as promessas de concessão absolutamente contrárias às políticas neoliberais. 

Eles fracassam na Colômbia, com as maiores mobilizações populares para rejeitar as medidas neoliberais do governo de direita, que não param e se expandem, levando à derrota do governo uribista.

Para retornar ao governo na Bolívia, eles não disputam democraticamente onde perderam, mas recorrem a um golpe, focado nas forças armadas, para derrubar um presidente que sempre foi eleito e reeleito de forma democrática. Eles colocam na presidência um personagem que obteve 3% dos votos, sem legitimidade ou legalidade, que é sustentado com base na repressão violenta da população e na prisão dos líderes da oposição. Somente assim, rompendo a democracia, impondo um regime de terror, a direita consegue retornar ao governo na Bolívia, fugindo das eleições democráticas.

No Uruguai, a direita venceu, por 28 mil votos, em eleições democráticas, para as quais a extrema-direita conseguiu colocar a questão da segurança pública como central, em um país que melhorou substancialmente em termos econômicos e sociais , com conquistas democráticas sem precedentes em todo o continente. A direita precisa da extrema-direita para ter maioria e governar, sem levar em conta o fracasso do modelo que eles pretendem restaurar no país nos outros países do continente: México, Argentina, Brasil, Chile, Equador, Colômbia.

A direita latino-americana fracassou, porque seu modelo, o neoliberal, não logra nem a retomada do crescimento econômico,  promovendo exclusão social, desemprego e miséria. E porque tem diante de si representantes de governos que, sim, conseguiram retomar a expansão econômica com distribuição de renda e reconhecimento dos direitos fundamentais de toda a população

Ao vivo na TV 247 Youtube 247