A escolha de Ricardo Melo à frente da EBC

Ricardo Melo está autorizado a retomar o posto. Não o conheço. E talvez por isso não consigo deixar de imaginar o que se passa na cabeça dele numa hora como esta. É sempre árida a tarefa de voltar a uma terra devastada pela peste, fixar novamente residência nos escombros de uma praça devastada sem que tenha sido assinado o armistício

Brasília - Jornalista Ricardo Melo toma posse no cargo de diretor-presidente da Empresa Brasil de Comunicação - EBC (Juca Varella/Agência Brasil)
Brasília - Jornalista Ricardo Melo toma posse no cargo de diretor-presidente da Empresa Brasil de Comunicação - EBC (Juca Varella/Agência Brasil) (Foto: Camilo Vannuchi)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Fico aqui pensando no Ricardo Melo, que acaba de ser reconduzido à presidência da EBC por decisão do ministro Dias Toffoli, do STF. É evidente que a liminar não será acatada de imediato pelo desgoverno Temer. Cabe recurso, e isso significa que os operadores do golpe farão o que for preciso para reverter a decisão no plenário da Corte.

Ainda assim, Ricardo Melo está autorizado a retomar o posto. Não o conheço. E talvez por isso não consigo deixar de imaginar o que se passa na cabeça dele numa hora como esta.

É sempre árida a tarefa de voltar a uma terra devastada pela peste, fixar novamente residência nos escombros de uma praça devastada sem que tenha sido assinado o armistício.

Quantos saíram da EBC nos últimos dias?

Qual o moral da tropa na atual conjuntura?

Qual o papel de uma empresa pública de comunicação na ótica pré-cambriana desse pseudogoverno, mais afeito a relações de vassalagem e compadrio do que aos ideais de transparência e democratização da informação?

No lugar de Ricardo Melo, eu teria o impulso de, vencida a causa, mandar tudo às favas, a EBC e todo o circo de horrores que rege o protogoverno de Michel Temer. Sim, eu sei que a EBC tem um estatuto que lhe garante independência, coisa e tal. Mas o gesto de atropelar essa autonomia e destituir seu presidente nos primeiros dias de desgoverno mostra com clareza o que devemos esperar da política de comunicação social dessa turma. E alerta para a possibilidade de novas espocadas. Haverá clima para fazer um trabalho decente nessas condições?

Aliás, essa parece ser a tônica geral do desgoverno Temer.

O que podemos esperar de um Ministério da Cultura que deixou de ser ministério numa canetada e voltou a ser por pressão popular? Qual o valor de fato que Temer dá a esse ministério?

O que podemos esperar de um Ministério da Educação que em sua primeira agenda pública recebe o professor livre-docente Alexandre Frota?

O que podemos esperar de uma Secretaria de Políticas para as Mulheres que parece mais à vontade com salmos e versículos do que com o debate sobre os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres?

Flávia Piovesan, titular dos Direitos Humanos, conseguirá desempenhar um trabalho minimamente decente tendo como chefe o mesmo Alexandre de Moraes que criminaliza protestos e autoriza a polícia a descer o cassete em estudantes?

O cenário é tão avassalador que uma eventual saída de Ricardo Melo seria facilmente justificável. Uma saída soberana, espontânea, por opção. A saída de quem poderia ficar, mas não quer. Por outro lado, a opção por permanecer é ainda mais ousada, corajosa, militante. Representa a escolha pelo caminho mais difícil, o caminho da resistência.

Se mantiver o cargo, Ricardo Melo terá de resistir duplamente. Além de desempenhar um intenso trabalho para manter e melhorar a qualidade de uma empresa pública de comunicação num país domesticado (e anestesiado) por uma mídia corporativa nem sempre afeita à ética e à democracia, Melo assumirá ainda o desafio de preservar autonomia e independência numa gestão que o enxerga como um adversário, uma pedra no sapato. Não à toa, uma gestão que tem justamente na mídia corporativa seu alicerce mais sólido e robusto.

Um episódio pessoal de 1975 guarda certa semelhança com este. Sou filho de ex-preso político. Meu pai ia para o terceiro ano de Medicina na USP quando caiu. Ficou preso de 1970 a 1975. Ao deixar a prisão, foi impedido de retomar os estudos pela administração da universidade. A USP o havia jubilado por abandonar os estudos e não comparecer ao período de matrícula. O fato de estar preso, e por isso não poder comparecer, parecia um mero detalhe aos olhos kafkianos do reitor.

Meu pai havia desistido de estudar medicina durante o período no cárcere, mas entendia como inegociável o direito de retomar o curso. Entrou na Justiça, garantiu o direito de reassumir a vaga, e só então anunciou sua saída. Os papéis tinham sido invertidos. Agora, não era a Faculdade de Medicina que fechava as portas para ele, mas ele que fechava as portas para a Faculdade de Medicina. No anjo seguinte, entrou para o curso de jornalismo, também na USP. Pode parecer pouco, mas não é. Trata-se, sobretudo, da garantia de direitos. Tem a ver com algo que está fora de moda, mas que mantém certo charme: a democracia.  

Nesse sentido, fico feliz que Ricardo Melo tenha a chance de escolher. À frente da EBC ou fora dela, já o considero pacas.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247