A esquerda brasileira, de um século a outro

Colunista Emir Sader afirma que, se a esquerda voltar a governar o País, precisará 'democratizar o Estado, a mídia, o Judiciário, as estruturas econômicas'

www.brasil247.com - Mobilização progressista e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva
Mobilização progressista e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas | Ricardo Stuckert)


A esquerda brasileira já tem uma longa trajetória, que já cruzou diferentes conjunturas políticas. Suas origens são nacionalistas, remetendo ao getulhismo. Uma vertente que sobreviveu a ele, com lideranças como a do Leonel Brizola. O getulhismo, que passou a ser reivindicado pelo maior líder da esquerda brasileira – o Lula.

Se tomamos as últimas décadas do século passado e as deste século, podemos encontrar pelo menos três perfis distintos da esquerda brasileira.

Ao longo dos anos 1950 e começo da década seguinte, a esquerda lutava pelo que chamava de reformas de base. Tratava-se de, no marco do processo de industrialização, promover a reforma agrária e a limitação da exportação de lucros, como objetivos imediatos, com um programa nacionalista geral para o Brasil.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Era uma esquerda nacional e popular, apoiada no movimento sindical urbano, de sindicalização rural e do movimento estudantil. Lutava, além disso, por uma política externa independente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Uma esquerda que foi fragorosamente derrotada pelo golpe militar. Não teve capacidade de resistir e foi destruída pela ditadura, tanto nas suas organizações sindicais, como nas suas bancadas parlamentares e dirigentes populares.

A ditadura militar impôs a questão democrática como central. Houve uma tentativa de construção de uma esquerda vinculada à luta armada, com guerrilhas, que foi rapidamente derrotada e liquidada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A partir daquele momento a oposição à ditadura passou a ser dirigida por setores liberais. A esquerda passou a fazer parte, de forma subordinada, à frente opositora, que passou a comandar o processo de transição democrática, com o fim da ditadura.

O caráter liberal – e, portanto, limitado - da democratização – que nem sequer conseguiu aprovar as eleições diretas para presidente – levou ao seu esgotamento e permitiu que a direita se renovasse e mudasse a agenda nacional. A pauta neoliberal descolocou a esquerda, que foi derrotada sucessivamente em três eleições presidenciais, sem conseguir impor uma agenda nacional distinta.

O acumulo de descontentamentos com as políticas neoliberais favoreceu, finalmente, que o PT lograsse convencer a maioria dos brasileiros que o problema fundamental do Brasil não é a inflação, mas a desigualdade social. Foi com esse projeto que o PT finalmente conseguiu eleger o presidente do Brasil e reelegê-los sucessivamente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A nova esquerda no Brasil, a esquerda do século XXI, é uma esquerda antineoliberal. Uma esquerda que propõe a prioridade das políticas sociais no lugar da prioridade dos ajustes fiscais, do neoliberalismo. Que propõe os processos de integração regional e intercambio Sul-Sul, ao invés dos Tratados de Livre Comercio com os Estados Unidos. E que se propõe a resgatar o papel ativo do Estado, no lugar do Estado mínimo e a centralidade do mercado, para induzir o crescimento econômico e colocar em prática políticas sociais de redistribuição de renda.

Essa esquerda conseguiu, pela primeira vez no Brasil, governar o País ao longo de três mandatos, com mais de 10 anos de governos, eleitos democraticamente. Conseguiu diminuir grandemente as desigualdades sociais e regionais no País.

É uma esquerda que teve sucesso nos seus governos. Conseguiu realizar seus objetivos imediatos, cortando a disseminação generalizada do neoliberalismo. Mas tem um desafio maior agora, caso consiga efetivamente eleger o Lula de novo.

Não bastará o restabelecimento da democracia liberal. Será necessário democratizar o Brasil, a sociedade brasileira no seu conjunto. Democratizar o Estado brasileiro, os meios de comunicação, democratizar o Judiciário, democratizar as estruturas econômicas, democratizar a vida cultural.

Além de que, terá que colocar em prática não apenas um programa antineoliberal, mas pós-neoliberal. Não apenas de resistência e negação do neoliberalismo, mas pós-neoliberal, de superação do neoliberalismo.

Tratar-se-á de uma nova fase da história da esquerda brasileira.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email