A fabricação de medicamentos deve ser uma prioridade política

É defender o interesse social acima da lógica privada e privatista, que prega o estado mínimo e o lucro

Medicamentos em laboratório
Medicamentos em laboratório (Foto: Sabrina Bernardo)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Há muitos anos acompanho a dramática situação da FURP, a estatal paulista responsável por fabricar parte significativa dos medicamentos utilizados nos serviços de saúde do Estado de São Paulo e de centenas de cidades brasileiras.

A empresa, que chegou a ser o maior fabricante público de medicamentos do país, contava com duas unidades de produção, uma em Guarulhos e outra em Américo Brasiliense, sendo que esta última foi transferida para iniciativa privada no governo Alckmin, PSDB.

Agora, outro tucano, João Doria, quer acabar de vez com a FURP, importante e estratégica empresa, abrindo mão da autonomia do Poder Público de produzir e fornecer medicamentos à população.

Antes disso, os sucessivos governos do PSDB trataram de atuar contra a FURP, subutilizando as plantas industriais, deixando faltar insumos, promovendo demissões ilegais e diminuindo a gama de medicamentos produzidos.

Esse é o velho receituário neoliberal: sucatear para justificar a venda, sem dar importância nenhuma à população ou a quem precisa dos medicamentos.

Estamos ao lado dos trabalhadores e da saúde pública, fazendo as seguintes reflexões:

– o Estado de São Paulo, ao abrir mão de seus laboratórios e fábricas de medicamentos, assim como do acesso à tecnologia de fabricação, não estaria refém dos grandes laboratórios privados, que poderão impôr sua política de preços aos governos municipais e estaduais sem preocupação alguma com a concorrência?

– em caso, por exemplo, de uma grave epidemia, como ficaríamos sem nossas fábricas de medicamentos e nossos profissionais capacitados na área?

– Não estaria o Governo do Estado abrindo mão de seu papel de zelar pelo interesse público e a saúde da população?

Defender a FURP é defender não somente os empregos e o patrimônio do Estado de São Paulo, mas também defender nosso direito à saude e a uma política justa e eficaz de acesso aos medicamentos de qualidade.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email