A falta de decoro e a boçalidade de um cafajeste

Na verdade, o tratamento dispensado pelo presidente da República à repórter Patrícia Campos Mello corresponde ao que ele foi ao longo da vida: trata-se de mais uma boçalidade cometida por um cafajeste indomável

(Foto: Carolina Antunes - PR)

Na verdade, o tratamento dispensado pelo presidente da República à repórter Patrícia Campos Mello corresponde ao que ele foi ao longo da vida: trata-se de mais uma boçalidade cometida por um cafajeste indomável.

Aliás, Jair Messias reincide nessa mostra todo santo dia, e, às vezes, repete boçalidades numa mesma jornada. Qual a surpresa, então? 

A surpresa é que ele insista em exibir seus dotes únicos com a facilidade de quem sabe que pode fazer o que lhe der na veneta com a certeza de que não haverá corretivo nem freio. 

Há antecedentes, por certo, de presidentes brasileiros dados a explosões de primarismo ou grosseria. Basta recordar o último dos ditadores, o general João Batista Figueiredo, ou o acafajestado farsante Color de Mello. 

Nenhum, porém, nem de longe desceu tão baixo como Jair Messias. Sua noção de decoro, aquilo que Sarney chamava de ‘liturgia do cargo’, é tão consistente como seu equilíbrio emocional: simplesmente não existe.

Devo esclarecer que nunca estive com Patrícia de Campos Mello. Tive e tenho, isso sim, uma relação um tanto distante – e absolutamente cordial – com seu pai, Hélio. 

Portanto, não estou tratando de alguém das minhas relações ou proximidades. 

A atitude de Jair Messias me provocaria repugnância se dirigida a quem quer que fosse, um ou uma repórter. 

Aliás, tampouco se deve a solidariedade gremial: seria o mesmo se ele tivesse se dirigido a um ou uma dentista, ou bancário, ou qualquer profissional. A qualquer ser vivo.

É simplesmente inadmissível que, passado um ano e um mês e meio de sua chegada à presidência, não exista ninguém – um único e solitário ser – com capacidade para chegar perto de Jair Messias e advertir que além de todas as benesses e responsabilidades inerentes, o cargo que ele ocupa requer um mínimo de civilidade e compostura. 

Um comportamento minimamente decente, para ser claro e direto, e que ele nunca teve.

Mais que impressionante ou surpreendente, é altamente preocupante observar a desenvoltura com que atua e se manifesta o presidente do país mais povoado, mais extenso e de economia mais forte (ao menos por enquanto...) da América Latina.

Entendo que, além da cafajestice inerente ao seu modo de vida, além da boçalidade irrefreável e irremediável exibida dia sim e o outro também, tudo isso que vemos faz parte de uma estratégia bem montada a exercida.

Jair Messias nomeia generais e almirantes da ativa num momento especialmente delicado de sua vida pessoal, quando o país assiste à execução do miliciano Adriano da Nóbrega. Resta constatar se ele decidiu cercar-se de graduados da ativa ou se os graduados da ativa decidiram cercá-lo. 

Agora, ele dispara impropérios grosseiríssimos contra uma repórter que tocou num ponto igualmente delicado: a maneira com que as redes sociais foram utilizadas – e pagas – durante a campanha eleitoral de 2018. 

E enquanto nos distraímos com essas cenas dantescas, figuras perigosíssimas como Sergio Moro e Paulo Guedes, ou aberrantes como Abraham Weintraub, vão destruindo em alta velocidade pilares básicos do país que Jair Messias prometeu desmontar.

Esse, aliás, é o único dos compromissos que ele vem cumprindo. E da mesma forma que não existe ninguém capaz de refrear e conter seus ímpetos de cafajeste sem remédio, parece, ao menos até agora, não haver ninguém capaz de impedir ou ao menos amenizar esse desmonte

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247