A Globo faz mal à democracia

Ministros do Supremo entraram na mira Globo após terrem votado pela revogação de prisões ilegais na Lava Jato. Os ataques da Globo coincidem com o ódio fascista disseminado nas redes sociais contra os três magistrados da corte máxima

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ministros do Supremo entraram na mira Globo após terrem votado pela revogação de prisões ilegais na Lava Jato.

Os ataques da Globo coincidem com o ódio fascista disseminado nas redes sociais contra os três magistrados da corte máxima.

Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandovski são ameaçados pelas decisões que tomaram nos últimos dias.

Acertadamente, eles votaram pela reforma das decisões do juiz Sérgio Moro as quais mantinham 'prisões políticas' no âmbito da Lava Jato.

A Segunda Turma do colegiado soltou três investigados concedendo-lhes habeas corpus, remédio constitucional contra o abuso de autoridade.

A libertação mais polêmica foi a do ex-ministro José Dirceu, símbolo do PT e da luta contra o autoritarismo.

Pela tese da Globo, a prisão tem que ser perpétua para os inimigos; aos amigos, o refresco da delação premiada.

Malandramente, a Globo "utiliza" o ministro Edson Fachin — que também se deixa utilizar — para fazer guerra de guerrilha contra a secular instituição.

Se a Lava Jato faz mal para a economia e para a Justiça, a Globo faz muito mal para a democracia brasileira.

Mais uma vez falsificando o jornalismo (fake news), a Globo dá azo a um "abaixo-assinado" contra os ministros do STF.

Ou seja, a Globo está apenas sendo a Globo.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email