A guerra é contra ou a favor do vírus?

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A despeito de nove militares no primeiro escalão do governo, as operações de combate ao inimigo, no caso o SARS-COV-2, vão muito mal. O lema do general ministro da saúde – um manda (o presidente), outro (ele) obedece - tem se mostrado um verdadeiro fiasco em termos de estratégia e ação no combate à Covid-19.  É bem verdade que o “chefe das forças armadas”, que é o presidente da República, não ajuda, ao contrário atrapalha a ponto de parecer estar do lado do vírus e não da população. 

Bolsonaro tem atitudes totalmente incompatíveis com o cargo que ocupa, de chefe da nação. Promove exibições de cunho populista que lembram o fascista Mussolini, cujas atitudes beiravam o ridículo.  Em um período tão difícil para a população, se exibe cavalgando em frente ao Palácio; mergulhando e nadando escoltado em uma praia, indo ao encontro de adeptos sem máscara, apertando mãos, enfim desobedecendo às normas de combate à própria pandemia. Além de frases descabidas trivializando a Covid-19, o presidente nega evidências científicas, exalta o uso de cloroquina no tratamento da doença, mesmo após pesquisadores confirmarem a ausência de seus benefícios e médicos alertarem para os seus efeitos colaterais. 

 O único argumento a favor da nomeação de um general de divisão do Exército para ministro da Saúde era ser ele oriundo do Serviço de Intendência, que tem funções logísticas. E isso não é pouca coisa. Há um ramo da matemática aplicada, a pesquisa operacional, cuja origem está na Segunda Guerra Mundial, dada a complexidade do suprimento para as tropas que frequentemente se deslocam no terreno para enfrentar o inimigo. 

No caso das vacinas, além do Brasil ser referência mundial em campanhas de vacinação, sua logística é menos complexa que nesse tipo de operação militar: os locais de aplicação são fixos, o suprimento a ser distribuído é mais simples, como insumos, frascos, seringas e agulhas, respiradores e refrigeradores, essencialmente. No entanto, até o momento, o desgoverno tem provocado um verdadeiro caos que impede o início da vacinação, apesar do crescente aumento no número de óbitos e da constante ameaça que aflige a população. Por sorte, contamos com cientistas competentes e engajados, universidades e instituições de pesquisa públicas comprometidas com o país. Um investimento acertado da sociedade brasileira.         

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email