A história foi assim, mas não terminou e nunca esqueça de perguntar por quê

O Brasil chegou ao ponto de eleger um fascista tresloucado, o extremista à direita, o capitão de carreira vergonhosa e fracassada, além de odiado nas décadas de 1980 e 1990 pelos chefes do Exército, que antes de assumir a Presidência está a responder a um monte de denúncias de corrupção contra sua família e seus assessores e subordinados

A história foi assim, mas não terminou e nunca esqueça de perguntar por quê
A história foi assim, mas não terminou e nunca esqueça de perguntar por quê (Foto: REUTERS/Sergio Moraes)

A vida prega peças e sobressaltos, mas nada é tão visível e perceptível, por ser sistemático, do que a seletividade infame e a perseguição covarde, ambas de interesse político, por parte da direita brasileira representada pela Justiça, MPF e PF, a controladora do establishment, que resultou na deposição de Dilma Rousseff, uma presidente reeleita e legítima e na prisão absolutamente injusta de Lula, de forma que o processo eleitoral sofresse violenta intervenção e a Constituição deixasse de ser a garantidora do Estado Democrático de Direito.

Por sua vez, esse conjunto de ações e circunstâncias conspirou para que a esquerda sofresse o golpe do impeachment e suas lideranças fossem perseguidas insolitamente pelo sistema judiciário direitista e burguês, instrumentalizado, aparelhado e de oposição política e ideológica ao PT, o que propiciou a retomada do Poder Central pelos políticos e partidos conservadores derrotados em quatro eleições consecutivas, sendo que a direita nacional e seus apoiadores e sócios externos perceberam que seriam derrotados por Lula pela quinta vez.

A verdade é que não haveria como competir ou fazer frente a um político que distribuiu renda e riqueza e melhorou visivelmente as condições de vida de dezenas de milhões de brasileiros, muitos deles abaixo da linha de pobreza, além de promover a igualdade de oportunidades, a começar pelo pleno emprego, assim como defensor de um projeto de soberania e autonomia para o Brasil, fato este que desagradou os diplomatas colonizados e que sempre, antes de Lula, efetivavam a diplomacia do “Tirar os Sapatos” e dos “Punhos de Renda”.

Trata-se dos lacaios e sicários que sempre implementaram a submissão e a subalternidade vergonhosas para um País com economia das maiores e uma população de 200 milhões de habitantes. Sempre faltou vergonha na cara à casa grande tupiniquim, a que é feroz e fala alto com o Paraguai ou a Venezuela e se comporta como pária e a se prostituir perante os países centrais, notadamente os Estados Unidos, ao ponto de o Jair Bolsonaro bater continência à bandeira dos EUA, sendo ele candidato a presidente da República.

Depois ficam a arrotar e vociferar valentia e arrogância perante os indígenas, os gays, as mulheres, os negros, os deficientes, os esquerdistas, os pobres e todos aqueles que, porventura, não foram cooptados pela conduta digna de vassalos, além de um pensamento estreito e raso tão comum e ordinário à direita carcomida pelo tempo, podre em seus valores e desprezível perante ao que é e sempre foi civilizado e educado. O brasileiro ainda não viu nada no que é relativo ao fascista Bolsonaro e seus filhos mimados, autoritários e sem noção alguma de sociedade e civilidade. Mas, vai ver... E como vai.

O mais importante presidente da história do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, a acompanhá-lo Getúlio Vargas, abriu as portas do Palácio do Planalto ao povo brasileiro, aos trabalhadores e a todos os grupos sociais, inclusive as minorias, que subiram a rampa da Presidência da República para serem recebidos com respeito e ouvidos com atenção. E isto, cara pálida, os burgueses da Justiça, MPF, PF, a classe média coxinha, insana e ignorante e o empresariado de alma escravocrata jamais perdoaram.

Entretanto, Lula, Dilma e a esquerda em geral não sabiam que o ódio da casa grande e de seus bate paus da classe média racista, misógina, homofóbica, individualista e sectária era algo e ainda o é incontornável e de proporções estratosféricas, a tal ponto que os racistas e reacionários dos Estados Unidos moralmente ficaram em um segundo plano, no que diz respeito ao ódio racial e de origem social de inúmeros grupos que formam a diversificada sociedade brasileira.

A direita conservadora raspou de sua pele o verniz democrático e civilizatório que sempre fingiu ter e retornou à sua alma de desassossegos e contendas, ou seja, aos seus propósitos e ditames de todo o sempre: a barbárie e a selvageria. E sabe por quê? Porque quando você se cala perante as ações nefastas e criminosas como as de um sujeito desqualificado e traidor como o *mi-shell temer, que ferrou com o Brasil e depois resolve votar em um fascista de baixo clero, que passou 30 anos a xingar a Deus e  a todo mundo, sem jamais questionar seus atos, porque ponderá-los é, indubitavelmente, uma questão de inteligência para qualquer ser humano minimamente sensato.

A inteligência que falta a Jair Bolsonaro, seus generais de pijamas, juízes e procuradores burgueses, bem como a casa grande historicamente promotora e exploradora da escravidão, pois inimigos confessos do povo brasileiro, a exemplo dos trabalhadores sindicalizados, dos sem terra e sem teto, das pessoas em situação de rua e de todos aqueles que eles consideram que não podem ser assistidos e protegidos pelo Estado nacional, que constitucionalmente existe porque é sustentado pelos contribuintes, assim como pelo trabalho dos trabalhadores, os verdadeiros criadores de riquezas.

Se o trabalhador soubesse que é mais importante do que qualquer rico, certamente que tal classe que vive em um mundo de opulências e farturas não faria o que faz no Brasil. Todavia, percebe-se, sobremaneira, que grande parte da população brasileira está em um processo de autofagia, a destruir-se mutuamente em nome da corrupção, sendo que elegeu recentemente um governante cujo filho tem um motorista que movimentou R$ 1,2 milhão, mas mora em casa simples, além de ter dito há anos que sonegava tudo o poderia sonegar, bem como constantemente a pregar a violência e ter como símbolo eleitoral seus braços e mãos a sinalizar dar tiros com armas de fogo e crianças no colo. Você, leitor, considera normal? Este é o Bolsonaro! É mole ou quer mais? Este País deveria estar em um divã coletivo, pois se trata de grave realidade psiquiátrica.

O que se viu, principalmente a partir de 2013 foi a real, verdadeira e inquestionável alma e caráter da sociedade brasileira, uma das mais cruéis, ferozes e preconceituosas do planeta. Sem sombra de dúvida. Os arquivos dos meios de comunicação, das universidades e da internet não permitirão qualquer margem à dúvida e à manipulação quanto à bárbara sociedade brasileira, que durante décadas, após a redemocratização, saiu de suas tumbas, a se mostrar, desprovida de disfarces e anacronismos, a sua verdadeira face, a mostrar o quanto ela é diabólica e determinada a manter seus benefícios e privilégios, a cooperar no papel de sabuja fiel do status quo, para quem se prostitui quando assume e defende os valores dos ricos e dos muitos ricos, mesmo a não participar de seus regabofes e clubes, realidades e vida.

A esquerda partidária, intelectual e sindical falhou ao não perceber que os ricos e, principalmente, a classe média dos coxinhas paneleiros de barrigas cheias estavam a alimentar, mais do que isto, a estocar ódios, rancores, mágoas, queixas e todo tipo de infâmia, verborragia e negatividade no decorrer de anos, porque se sentiram traídos ao verem a população pobre, os grupos historicamente não incluídos a participar da democracia, que simplesmente se concretiza no acesso a tudo o que é bom, ao que desenvolve e beneficia em termos de desenvolvimento e bem-estar social, consoante à Constituição de 1988 — a base de sustentação do Estado Democrático de Direito.

Para a burguesia e a pequena burguesia verem o pobre ascender socialmente, nem que seja minimamente, foi como um soco no estômago ou tapa na cara de suas presumíveis e presunçosas posições sociais edificadas em castas, que sempre usufruíram e pagaram muito mal pelo trabalho incessante e duro das classes de trabalhadores. E o pior: os juízes, procuradores, delegados e generais de almas e espíritos de porcos, após passarem anos a engolir seus ódios de classe social e racial, passaram, juntamente com a imprensa meramente de negócios privados, que não exerce qualquer função social e útil à sociedade, a integrar o consórcio golpista, que levou à deposição a presidente Dilma Rousseff, reeleita legalmente com quase 55 milhões de votos.

Por seu turno, Luiz Inácio Lula da Silva é o problema dessa gente que não respeita a lei e defensora do establishment, além de desrespeitosa com a Nação. O ex-presidente socialista e trabalhista é o líder e preso político que incluiu o pobre no orçamento da União, o que desagradou muito a direita, a enfureceu, pois exploradora daqueles que de fato geram riquezas: os trabalhadores.

A direita golpista de Jair Bolsonaro, de *mi-shell temer, dos irmãos Marinho do Grupo Globo e seus asseclas. A que é pária moralmente e subalterna aos interesses dos Estados Unidos. Trata-se, efetivamente, da direita em guerra com seu próprio povo e que despreza profundamente o Brasil, porque nunca se identificou com o País, pois seus olhos e pensamentos sempre estão voltados há séculos para a Europa e os Estados Unidos.

É neste contexto complexo e histórico que a esquerda brasileira e suas principais lideranças estão desde 2005, a vivenciar e a ter de enfrentar uma direita poderosa, riquíssima e que tem o controle dos setores e segmentos mais importantes e de relevância do Estado nacional, que são representados pelo Judiciário, as Forças Armadas, o mundo empresarial, especialmente o midiático, cuja imprensa se tornou o principal partido de direita a acompanhá-la, pois vergonhosamente pautados e amedrontados, os juízes, procuradores, delegados, generais e os servidores públicos de poder e mando.

Servidores ricos e garantidores do golpe de estado de 2016, que se aliaram em uma frente extremamente conservadora e impiedosamente entreguista, de forma que foi imposto ao povo brasileiro, a partir da tomada do poder por *mi-shel temer e seu bando de crápulas desprovidos de carácteres, um projeto de País e programas de governo que jamais foram aceitos pelo povo brasileiro, tanto é verdade que as propostas apresentadas pela direita brasileira foram derrotadas quatro vezes nas urnas.

Portanto, se não vence nas urnas, a direita e a extrema direita “vencem” pelo golpe de estado, desta vez travestido de legal e legítimo, a exemplo das “pedaladas fiscais” no orçamento, causa absurda e infame, que propiciou o golpe parlamentar, o impeachment da mandatária legítima e que derrotou um dos “príncipes” da República, o senador Aécio Neves, que, golpista e autoritário, não aceitou a derrota eleitoral em 2014.

E deu início à escuridão, porque fragilizou o processo democrático e rasgou-se a Constituição. O playboy mineiro e irresponsável e acusado de movimentar ilegalmente R$ 100 milhões deu início ao processo da derrocada política, diplomática e econômica do Brasil, que perdura até hoje e continuará a perdurar com um presidente fascista, de nome Jair Bolsonaro, deputado medíocre no decorrer de quase 30 anos e que sempre foi um dos integrantes do baixo clero patrimonialista e corrupto do Congresso Nacional. 

O Brasil chegou ao ponto de eleger um fascista tresloucado, o extremista à direita, o capitão de carreira vergonhosa e fracassada, além de odiado nas décadas de 1980 e 1990 pelos chefes do Exército, que antes de assumir a Presidência está a responder a um monte de denúncias de corrupção contra sua família e seus assessores e subordinados.

E Lula vive nesse contexto perverso e injusto, pois encarcerado injustamente e covardemente, sem, no entanto, os juízes e os procuradores terem apresentado quaisquer provas contra o ex-mandatário respeitado pela comunidade internacional e que saiu do poder com 87% de aprovação, um índice maior do que o de Nelson Mandela. Lula é preso político! Só os idiotas e os de má-fé não sabem dessa realidade e verdade. Ponto.  

Sua prisão foi para ele não ser candidato e retomar as diretrizes que nortearam seus governos verdadeiramente democráticos e que jamais reprimiram os trabalhadores, além de governar para os pobres e ricos. Para evitar sua volta à Presidência e edificar novamente o estado de bem-estar social, mobilizou-se, então, a direita mais vulgar, golpista e perversa do mundo ocidental, que carrega oficialmente nas costas 388 anos de escravidão.

A direita brasileira que representa tudo aquilo que a acompanha como se fosse um vírus. A fotografia ou o raio-x que retratam o empresariado rural e urbano, tacanho e provinciano, bem como de um reacionarismo atroz, liderado pelo setor midiático, à frente o Grupo Globo, useiro e vezeiro em participar de inúmeros golpes, além da aliança com um novo grupo politicamente emergente e extremamente conservador, que são os evangélicos.

Lula, como preso político mais conhecido no mundo, está à espera de sua redenção, que jamais será pela Justiça corrupta e ditatorial deste País sofrido e desprezado pelas “elites”, apesar de sustentar suas riquezas incontáveis e pornográficas. Como o líder da esquerda virou um mito antes de sua morte, porque certamente que Lula sabe de seu papel histórico e de sua responsabilidade como um dos pais da Pátria.

A verdade é quem governa ou trabalha para os mais pobres é perseguido, conforme mostra a história, sem qualquer dúvida. A verdade é que Lula terá de ser livre, pois não cabe a este País repetir as misérias hediondas evidenciadas pelo golpe de 1964. A história foi assim, mas não terminou e nunca esqueça de perguntar por quê. É isso aí.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247