A hora e a vez do PT

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O Partido dos Trabalhadores nestas eleições de 2020, à despeito dos “articulistas” e dos adversários que vaticinavam um pretenso “fim do PT”, ressurge mais forte.

Esse prenúncio já tinha se projetado no pleito passado.

Nas eleições de 2018, com o seu principal líder – Lula- preso e impedido de disputar, lançou Fernando Haddad na undécima hora e conseguiu ir ao segundo turno. 

A grande votação de Haddad, a eleição da maior bancada na Câmara e o maior número de governadores eleitos já eram um prenúncio de ressurgimento. Só a mídia empresarial não viu.

A cantilena preconceituosa não cessa: “o PT está isolado”, “ninguém quer estar com o PT”, “o PT não se renova”, “O PT é exclusivista”. Na verdade, doa a quem doer, o partido é e continuará sendo protagonista na vida política nacional.

Partido nascido nas bases populares, enfrentou desde o seu nascedouro todo tipo de estigmatização. Perseverou, se consolidou como alternativa e venceu.

Nunca na história brasileira uma força política de esquerda e progressista chegou tão longe. Mesmo o PCB, nos áureos tempos da legalidade, em 1945, quando elegeu o senador Prestes, e quatorze deputados federais. Apesar de mostrar força, não conseguiu firmar-se como alternativa e viu sua proscrição ser aprovada sem resistência.

Como qualquer força viva e atuante, o PT cometeu erros em sua trajetória. Nos anos de governo central, ao passo que crescia eleitoral e organicamente, enfrentava um processo célere de burocratização e institucionalização de suas instâncias diretivas. Não é sem razão as críticas de vários segmentos do campo popular sobre o abandono das periferias e um certo descolamento do PT de suas bases originárias: os bolsões dos grandes centros urbanos.

A ilusão com o republicanismo das instituições e a falta de um verdadeiro projeto de reforma política estão na raiz dos males que advieram e que ocasionou a derrubada de Dilma no célebre golpe de 2016.

A eleição de Bolsonaro e a destruição das conquistas sociais demonstraram o descompromisso dos setores elitistas que dominam a vida nacional com as carências do povo. O verdadeiro retrocesso democrático necessita de  um enfrentamento vigoroso. Exige o fortalecimento da correlação de forças em favor das camadas populares. Para isso serve sobremaneira as eleições de 2020.

A nitidez popular de grande parte de suas candidaturas nas capitais e em outros grandes centros urbanos demonstram um resgate dessas tradições populares. De norte a sul do país os candidatos e candidatas petistas e progressistas vêm vencendo o ceticismo de muitos e crescendo nas pesquisas.

Pela primeira vez, em muito tempo, o partido lança um candidato oriundo das periferias paulistanas: Jilmar Tatto e relança Benedita da Silva no Rio de Janeiro, lugar onde o PT enfrentava e enfrenta um grande revés.

O fato de apresentar mais de 32 mil candidatas e candidatos a prefeito, vice-prefeito e vereador, em grande parte do território nacional, é alvissareiro. 

É surpreendente (para os céticos e os adversários) que, depois de enfrentar a perseguição midiático-judicial que quase dizimou o partido em 2016, o Partido dos Trabalhadores pudesse mostrar tamanha resiliência.

O momento é de consolidação. O papel da militância e dos simpatizantes é de fortalecer e amplificar as vozes das nossas candidaturas.

O crescimento de nosso candidato em São Paulo é sem dúvidas o prenúncio de que a nação petista começa a despertar. E isso é fundamental.

Não nos deixemos enganar: o fortalecimento do PT representa o enfraquecimento de Bolsonaro, dos bolsonaristas e de suas pautas.

A eleição de 2020 é a porta de entrada de 2022.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247