A humanidade atingida

A urgência do que se nos revela, em nossos princípios de humanidade, ainda que abalados, não pode ser posta de lado. É possível que Jair Bolsonaro e seus filhos durmam bem, enquanto nós perdemos o sono. Seja como for, há algo de podre no Palácio do Planalto. Afinal, “navegar é preciso; viver não é preciso” – já diziam os argonautas

www.brasil247.com -
(Foto: Agência Brasil)


A CPI da Covid-19 termina com um balanço desconcertante e aterrador. Poucas vezes se imaginou, neste país, um panorama de descontrole em tais dimensões. Atingimos a cifra de 600 mil mortos, vitimados pela epidemia. Numa medida recente da pasta da Saúde, depois revertida graças ao escândalo provocado, suspenderam as vacinações para jovens e adolescentes. O Presidente, em mais um gesto de frieza, vetou projeto do Congresso Nacional estendendo às moças pobres o direito de receber absorventes gratuitamente. Mais perdido do que cego em tiroteio, o governo torceu abertamente pela chamada imunidade de rebanho e propagou aos quatro cantos a prescrição de remédios ineficazes. Na Assembleia-Geral das Nações Unidas, pregou, sem pudor, suas convicções em torno da cloroquina e dos tratamentos precoces. Foi uma vergonha. Realmente, ultrapassamos limites inimagináveis!

Com a Revolução Americana, nós nos habituamos a nos ver sob a ótica da civilização. O conceito ganhou força e convicção com a Declaração dos Direitos do Homem, por criação da Revolução Francesa. Nenhuma constituição depois dela, inclusive a brasileira de 1988, a ignorou, estampando-a como prólogo imprescindível entre os prerrequisitos das sociedades modernas. Sabemos como nos Estados Unidos o gosto pelos filmes de cowboy e os confrontos armados levam à morte, vez por outra, nos colégios ou nas ruas, pessoas inocentes. Não é bom exemplo. No entanto, de repente, com as últimas eleições, uma propaganda em favor da morte ganhou as manchetes dos jornais e se iniciou uma pregação (fascista) a favor das armas, numa espécie de versão piorada do que se passa nos seriados de TV e filmes de Hollywood. São fatos que nos levam a refletir sobre o postulado de Humanidade. O que fizemos com ele? 

A Filosofia e a criação artística como um todo, desde o século XVII, insistem em nos colocar ao lado, e não contra a ideia de Humanidade. O resultado é que, em semelhante plano, nós, brasileiros, passamos a caminhar em contracorrente com o restante do mundo. Antes, éramos vistos com simpatia, inclusive em momentos traumáticos da História, por ocasião da ditadura militar. Em Paris, havia gente que cantava músicas de Caetano e Chico Buarque. Nos cinemas, assistiam, extasiados, filmes de Glauber Rocha. José Celso Martinez Corrêa e Antunes Filho, com suas montagens extraordinárias, furavam o bloqueio da censura e se impunham. Não se deixavam dobrar. Exibíamos e defendíamos a nossa humanidade com orgulho e sentido de nacionalidade. Agora?!... Agora nos damos ao luxo de manter na Presidência da República um político que se expressa aos palavrões, despreza a ciência e as artes. Os órgãos de financiamento da pesquisa, CNPq e Capes, à beira da ruína, anunciam a possibilidade de fechar. Quanto à Cultura, nem é bom tocar no assunto. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No entanto, como o pior que pode piorar nunca piora tanto, a CPI, tratando com coragem de cada um dos temas em circulação, trouxe à tona faces do país que, uma vez reveladas, impossível permanecer indiferente. São debates para as próximas eleições? Talvez. A urgência do que se nos revela, em nossos princípios de humanidade, ainda que abalados, não pode ser posta de lado. É possível que Jair Bolsonaro e seus filhos durmam bem, enquanto nós perdemos o sono. Seja como for, há algo de podre no Palácio do Planalto. Afinal, “navegar é preciso; viver não é preciso” – já diziam os argonautas. Cabe-nos saber o que fazer com isso. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email