A igreja reformada no Brasil

É de se clamar aos céus como é possível que pessoas que se dizem cristãs (e ricas materialmente) não possuem o menor senso de respeito pelos outros, pelo sossego alheio

É de se clamar aos céus como é possível que pessoas que se dizem cristãs (e ricas materialmente) não possuem o menor senso de respeito pelos outros, pelo sossego alheio
É de se clamar aos céus como é possível que pessoas que se dizem cristãs (e ricas materialmente) não possuem o menor senso de respeito pelos outros, pelo sossego alheio (Foto: Michel Zaidan)

É de um grande estudioso, de confissão presbiteriana, a tese de que a recepção do Cristianismo reformado no Brasil foi muito prejudicada pelo conservadorismo, já que veio na bagagem missionária de religiosos americanos batistas com o zelo catequético, sem muito espaço para a liberdade de consciência que caracterizou a grande reforma cultural de Martinho Lutero na Europa. Ao contrário da revolução que representou na constituição da subjetividade humana, na constituição do capitalismo e nas origens dos valores democráticos do Ocidente, entre nós a chegada da Igreja reformada já veio subsumida a objetivos catequéticos, comunitários e sociais. Perdeu-se a principal conquista da reforma protestante na História: a criação do indivíduo e da subjetividade moderna, com a chamada liberdade de consciência e o livre-exame das escrituras sagradas. Entre nós, grosso modo, a Igreja reformada divide-se entre um ramo de elite (mais rico e esclarecido) os Presbiterianos, Anglicanos ou Episcopais; um segundo ligado às classes médias, os batistas e um terceiro ramo, os pentecostais e neopentecostáis, associados ao povo, aos pobres, às pessoas mais humildes. Longe de mim, que nem sociólogo sou, diminuir ou minimizar a importância social dessas Igrejas na socialização das pessoas, sobretudo de seus vínculos comunitários e na ética puritana do trabalho, pela valorização a vida cotidiana como ascese religiosa.

No entanto, é preciso destacar duas características dessas Igrejas que incomodam muito àqueles que não professam seus cultos e dogmas. No que diz respeito às Igrejas pentecostais e neopentecostais, o zelo missionário deu lugar a uma atitude fundamentalista, dogmática, autosuficiente que se traduz rapidamente em intolerância religiosa e civil. Aqueles incréus e pagãos que não rezam pela sua cartilha estão errados e serão condenados ao eterno fogo do inferno. Já no que tange à certas igrejas episcopais, aí impera uma atitude de prepotência, arrogância e desprezo pelos que não fazem parte da sua Igreja. Acham que podem tudo, inclusive desrespeitar as leis do país e os mais comezinhos direitos dos demais cidadãos "incréus".

Digo isso com tristeza, não com satisfação. Não sei como juntar a grande transformação ética do Cristianismo com provas de incivilidade, falta de urbanismo, cortesia e sensibilidade social. Existe há muito tempo, uma igreja reformada no bairro dos Aflitos que em tudo se parece com uma dessas casas de evento. O templo cristão foi transformado em palco iluminado para a realização de festas, cerimônias e atividades sociais. Acredito que remuneradas, dada a pompa e o glamour dessas festividades mais sociais do que religiosas. Nesses dias de glamour, a rua é praticamente inteditada, com carros enormes sobre as calçadas. Motoristas que dirigem na contramão de uma das principais avenidas dos Aflitos, com a conivência de flanelinhas e dos dirigentes da Igreja, que segundo se apurou, aproveita o prestígio e a posição social de seus membros para "solicitar" às autoridades que abrandem a fiscalização e as penalidades. Ouviu-se, de um feita, de guardas da Ciretran que estavam próximos ao templo, que estavam ali a serviço de um casamento milionário, a pedido de um figurão ligado à Igreja, fosse se queixar em outra freguesia. 0 cume de todos esses abusos impiedosos e não cristãos foi a realização, no sábado passado, no estacionamento da Igreja, a céu aberto, até às 22:00, de uma imenso, barulhento show Gospel, procedido de culto de Louvor e tudo. A vizinhança sofreu, sofreu muito com o estrondoso som das guitarras elétricas, bateria e outros instrumentos. De nada adiantou reclamar do incômodo de vizinhança e da polição sonoro, em zona residencial, a céu aberto, noite adentro. A resposta dos "mauricios" e suas acompanhantes era de que a Igreja tinha obtido permissão (de quem?) para realizar a algazarra pseudo-religiosa, até as 22:00, com música, e até as 24:00 sem música.

É de se clamar aos céus como é possível que pessoas que se dizem cristãs (e ricas materialmente) não possuem o menor senso de respeito pelos outros, pelo sossego alheio. Essa fé deve ser produto da arrogância social, com o autoconvencimento religioso e da necessidade de exposição pública. Que Deus, Alá, Buda, Confúncio tenha condescedência com esses fariseus, ou como dizia Cristo, Sepulcros caiados.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247