A imprensa deveria parar de chamar Bolsonaro de presidente; ele é um ditador

"Já está na hora de a imprensa parar de chamar Jair Bolsonaro de presidente da República. Ele não o é. Foi eleito para ser, esperava-se que fosse, mas se revela, cada vez mais, um autocrata. Ele despreza a República. Nunca foi, não é e não se comporta como um republicano", escreve o jornalista Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

Por Alex Solnik, para o Jornalistas pela Democracia 

  Eu acho que já está na hora de a imprensa parar de chamar Jair Bolsonaro de presidente da República. Ele não o é. Foi eleito para ser, esperava-se que fosse, mas se revela, cada vez mais, um autocrata. Ele despreza a República. Nunca foi, não é e não se comporta como um republicano.

  Sugiro que seja tratado, em reportagens, colunas ou editoriais como “ditador Bolsonaro”.

  Embora ainda não tenha conseguido implantar a ditadura dos seus sonhos, ele não perde uma oportunidade, em suas palavras e em seus atos de lembrar que essa é a sua meta, pois todos seus atos, palavras e silêncios são autoritários. Não suporta ser contestado. Não suporta o contraditório.

  Já está demonstrado que não consegue conviver com a democracia – nem a democracia com ele - porque é o regime em que a força do argumento prevalece sobre o argumento da força.

  Ganha o debate político quem tem melhores argumentos.

  Como argumentar não é o seu forte, dado o déficit em cultura geral, só lhe resta usar o argumento da força e resolver os problemas na base da ignorância, batendo na mesa e proclamando:

  “Aqui mando eu”!

  Um autoritário que age dessa forma dentro de casa pode provocar grandes desastres para a sua família.

  Imagina a dimensão dos desastres quando é uma família de 210 milhões de pessoas.

  E o pior é que em torno dele gravitam áulicos sempre dispostos a obedecê-lo cegamente.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Jandira Feghali

O massacre como política

Quem deterá o governador Witzel? Com certeza não será sua humanidade, já que comprovou não lhe restar nenhuma. É preciso transformar nossa indignação em protestos e ações institucionais e políticas...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247