A lógica do lucro a qualquer custo da Petrobrás ameaça a soberania nacional

"Hoje, o Brasil exporta óleo cru e importa derivados a preços proibitivos, cujo resultado o povo sente na inflação", diz André Ceciliano, presidente da Alerj

www.brasil247.com - Frentista abastece veículo em posto de combustíveis no Rio de Janeiro. 08/07/2021
Frentista abastece veículo em posto de combustíveis no Rio de Janeiro. 08/07/2021 (Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)


Publicado originalmente na Agenda do Poder

No início da pandemia de Covid-19, o mundo se viu refém da China e da Índia, maiores produtores de insumos, medicamentos e equipamentos médicos do planeta. Mas o Brasil teve pelo menos a sorte de contar com os centenários Instituto Butantan e Fiocruz, que garantiram o envase e a produção das vacinas no auge da crise.

Agora, com a guerra na Ucrânia, vemos o mesmo acontecer no Brasil em relação aos fertilizantes, especialmente os nitrogenados, que têm o gás natural como matéria prima. Um problema que ameaça nossa segurança alimentar e economia. Entretanto, diferentemente do que ocorreu na pandemia, desta vez não temos a quem recorrer internamente a curto prazo, já que a Petrobras, que historicamente vinha investindo forte no setor, se retirou em definitivo da área de fertilizantes, em 2020.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quarto maior produtor de grãos do mundo, sendo o segundo maior exportador, nosso país importa 80% dos fertilizantes usados na lavoura, sendo a Rússia o principal fornecedor, respondendo por cerca de 25% do total. Ou seja, somos um grande exportador de grãos, mas dependemos completamente do exterior para plantar. Poderia ser diferente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A partir de 2017, seguindo a lógica de “desinvestimento” para reduzir dívidas e gerar lucro rápido aos acionistas, a Petrobras se desfez de toda a sua planta industrial de fertilizantes – em Camaçari (BA), Laranjeira (SE) e Três Lagoas (MS) – sendo que a última foi repassada em 2020 ao grupo Acron, de origem… russa. O argumento para se desfazer desses ativos? Eles davam prejuízo. Mas por que então a Rússia se interessou em comprar? Obviamente, por uma razão estratégica.

Se a lógica do lucro a qualquer custo, priorizando apenas o retorno de curto prazo ao acionista, em vez dos interesses do país, existisse em 2006, quando foi descoberto o pré-sal, jamais teríamos feito os investimentos tecnológicos que hoje permitem que o Brasil extraia óleo de qualidade a um custo muito baixo no pré-sal da Bacia de Santos (cerca de U$ 3,5 contra U$ 8 do pós-sal).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Se o Brasil e a Petrobras, desde os anos 1950, não tivessem pensado a longo prazo, criado o Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes) e apoiado pesquisas na área de engenharia e petróleo em instituições universitárias como a Coppe, não teria obtido a posição de liderança internacional que possui hoje.

Em 2006, não foram poucos os críticos do investimento da Petrobras no pré-sal. Felizmente, acabaram não sendo ouvidos, e graças a isso conseguimos chegar à autossuficiência em produção de petróleo. E só não nos tornamos também autônomos no refino porque a política de “desinvestimento” levou a Petrobras a vender a preço de banana refinarias próprias.

Hoje, o Brasil exporta óleo cru e importa derivados a preços proibitivos, cujo resultado o povo sente na inflação da bomba de gasolina, do diesel, no preço do gás e nas gôndolas dos supermercados. Agora, com a guerra no Leste Europeu e o barril passando da casa dos US$ 120 (custava US$ 63 em março de 2021), a situação só tende a piorar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Que essa experiência, assim como foi a da pandemia, nos faça reverter a estratégia de inserção passiva na economia internacional, construindo, com base nas potencialidades existentes no país, sistemas produtivos que nos levem a uma maior geração de emprego e renda, autonomia tecnológica e maior segurança alimentar e sanitária. Isso permitirá que não falte nem vacina, nem comida, nem energia e tampouco os meios necessários para nos defender das ameaças e instabilidades externas. Disso depende nossa soberania e futuro como nação.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email