A mídia apresenta suas armas

Trabalhos acadêmicos futuros mostrarão como o fenômeno de 15 de março de 2015 foi construído pelos grandes veículos

www.brasil247.com - Trabalhos acadêmicos futuros mostrarão como o fenômeno de 15 de março de 2015 foi construído pelos grandes veículos
Trabalhos acadêmicos futuros mostrarão como o fenômeno de 15 de março de 2015 foi construído pelos grandes veículos (Foto: Guilherme Scalzilli)


Quem acredita que os protestos foram surtos espontâneos de revolta desconhece a árdua rotina das mobilizações populares no país. Se as redes sociais bastassem para sublevar descontentes, as capitais paralisariam todo fim de semana. Reivindicações não faltam. O que falta é o apoio da imprensa corporativa a elas.

Trabalhos acadêmicos futuros mostrarão como o fenômeno de 15 de março de 2015 foi construído pelos grandes veículos. Ao longo das três semanas anteriores, canais de TV, emissoras de rádio, jornais, revistas e portais da internet uniram-se na divulgação do evento, associada a noticiário negativo sobre o governo federal.

Esse fabuloso esforço propagandístico deu visibilidade heróica a grupelhos irrelevantes da direita, que há poucos meses faziam passeatas minguadas e caricatas. Disseminou a imagem republicana dos atos, atraindo os adeptos das modas protestantes de 2013. E naturalizou ideologicamente o antipetismo no repertório moralista da classe média.

Desde a preparação do golpe militar de 1964, a imprensa brasileira não agia de maneira tão uníssona e articulada. Nas TVs e rádios, houve menções contínuas em todos os espaços de programação, incluindo chamadas sensacionalistas para coberturas ao vivo. Até astros e celebridades foram mobilizados. Nos meios impressos, primeiras páginas, colunas e reportagens dedicaram-se diariamente ao tema.

O recado que as empresas de comunicação transmitem ao governo federal é inequívoco: "eis o que podemos fazer contra nossos inimigos". O gesto adquire oportunismo diante dos debates envolvendo o Marco Regulatório do setor, a reforma política e a taxação de grandes fortunas. E agora ganha ainda mais sentido com a descoberta do envolvimento de chefetes midiáticos na lista de contas no HSBC suíço.

Tendo em vista o porte do empreendimento, mobilizar 1% do eleitorado nacional chega a soar um tanto irrisório. Mesmo entre os 51 milhões de eleitores de Aécio Neves, uma fração mínima saiu às ruas. Claro que, na condição de promotora do espetáculo, a imprensa vai exagerar seus resultados, conferindo grandiosidades inéditas ao feito, sem esmiuçar os outros detalhes que também o tornaram único na história recente.

Mas é a simbologia do episódio que deveria preocupar o governo Dilma Rousseff. Repetindo março de 64 (e a coincidência nas datas não é casual), os agressores querem evitar que o Planalto supere a crise política através de medidas radicais que aglutinem as bases populares. Basta um leve sinal nesse sentido e a mídia joga o "apelo das ruas" sobre o Congresso, na forma do impeachment.

A mensagem é muito clara e preocupante para receber apenas discursos apaziguadores e promessas vazias. A não ser que Dilma tenha desistido de enfrentar seus adversários.

 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email