A mídia comercial e a noite de 2 de outubro

"Veremos se a defesa que a imprensa comercial faz das urnas e do respeito à decisão soberana do povo é para valer ou só para inglês ver", diz Bepe Damasco

www.brasil247.com - Lula, Bolsonaro e urna eletrônica
Lula, Bolsonaro e urna eletrônica (Foto: Ricardo Stuckert | Clauber Cleber Caetano/PR | REUTERS/Amanda Perobelli | Agência Brasil)


Com a ressalva óbvia de que nada está ganho ainda, mas vamos imaginar que a tendência de vitória de Lula no primeiro turno se confirme e, por volta das 22 horas do dia 2 de outubro, as urnas eletrônicas sacramentem a eleição de Lula pela terceira vez para a presidência da República.

É de uma clareza estelar que, ato contínuo, Bolsonaro dará início ao seu esperneio golpista, não só não reconhecendo a derrota, mas lançando toda sorte de acusações sem fundamento contra a lisura do sistema eleitoral brasileiro.

Por outro lado, Lula fará um pronunciamento de vitorioso e grande parte do país estará em festa.

Neste momento, veremos se a defesa que a imprensa comercial faz das urnas eletrônicas e do respeito à decisão soberana do povo é para valer ou só para inglês ver.

Só lembrando que fechadas as urnas da eleição norte-americana de novembro de 2020, com as pesquisas de boca de urna indicando que Biden vencera, Trump passou imediatamente a denunciar que era vítima de fraude. Foi o primeiro passo para a tentativa de golpe que se consumaria no Capitólio, em janeiro de 2021.

Contudo, simultaneamente aos ataques de Trump visando desmoralizar a eleição, os prestigiados jornais The New York Times e Washington Post contra-atacaram, primeiro em suas versões online e depois impressas, denunciando a manobra golpista de Trump e focando principalmente em Biden, na comemoração democrata e nos desdobramentos políticos de sua provável chegada à Casa Branca.

Resta saber se no Brasil Globo e congêneres adotarão o mesmo padrão ou vão seguir dando palanque de forma exagerada aos chiliques golpistas e antidemocráticos de Bolsonaro, como fez em 7 de setembro ao lhe dar de presente mais de cinco horas de transmissão ao vivo, ou como faz todos os dias na cobertura da palhaçada do cercadinho.

Não estou, é claro, pregando nenhum tipo de censura. Manifestações contrárias à ordem democrática são mesmo notícia em qualquer lugar do mundo, e a imprensa tem o dever de registrar. Mas isso é bem diferente de bater palmas para maluco dançar e ajudar a botar lenha na fogueira de investidas contra a democracia.

A conferir.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email