A morte e a morte de Glauber Rocha ou: vamos rememorar

"Um documento do Centro de Informações da Aeronáutica (CISA) localizado por mim, no Arquivo Nacional, durante os trabalhos de pesquisa da Comissão da Verdade do Rio, leva a uma inquietante conclusão: Glauber Rocha pode ter sido marcado para morrer, 10 anos e um mês antes da sua morte efetiva, que se deu em setembro de 1981, em Portugal", dia a jornalista Denise Assis, do Jornalistas pela Democracia; "A causa oficial da morte de Glauber Rocha foi um choque bacteriano resultante de broncopneumonia. Na versão de sua mãe, Lúcia Rocha, o filho 'não morreu da vontade de Deus; morreu de uma doença chamada Brasil'

www.brasil247.com - A morte e a morte de Glauber Rocha ou: vamos rememorar
A morte e a morte de Glauber Rocha ou: vamos rememorar


Por Denise Assis, do Jornalistas pela Democracia - Um documento do Centro de Informações da Aeronáutica (CISA) localizado por mim, no Arquivo Nacional, durante os trabalhos de pesquisa da Comissão da Verdade do Rio, leva a uma inquietante conclusão: Glauber Rocha pode ter sido marcado para morrer, 10 anos e um mês antes da sua morte efetiva, que se deu em setembro de 1981, em Portugal.

Felizmente, pressentindo que o cerco da repressão se fechara em torno do seu nome a ponto de não conseguir mais produzir no país, exatamente naquele ano, o de 1971, com o CISA em seu encalço ele decidiu deixar o Brasil rumo ao exílio.

A percepção de que não dava mais para ficar, o salvou. No documento, protocolado como "confidencial", sob o nº 2044 - resultado de uma detalhada "arapongagem" sobre a sua vida -, bem no alto, uma anotação à mão causa arrepios. Lê-se claramente a palavra: "Morto". O que se segue deixa evidente que a repressão seguia cada passo das suas atividades por aqui, e com o consentimento do ministro. As informações foram encaminhadas ao gabinete no dia 21 de setembro daquele ano e recebeu o código 0546, no CISA.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

(Conheça e apoie o projeto Jornalista pela Democracia)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao deixar o Brasil seu primeiro destino foi o Chile, onde filmou um documentário sobre os brasileiros exilados, que não chegou a ser concluído. Em seguida viajou para Cuba, onde permaneceu um ano trabalhando no projeto de America Nuestra. Em 1976, Glauber voltou ao Brasil, depois de cinco anos de exílio. No ano seguinte, dirigiu o curta-metragem Di Cavalcanti, que ganhou prêmio especial do júri do Festival de Cannes. Rodou seu último filme: A Idade da Terra, em 1980.

Intuitivo, Glauber Rocha previu a própria morte. Em carta, escrita na adolescência, anunciou que iria morrer aos 42 anos, e quando chegou a Portugal, em agosto de 1981, onde participaria de um ciclo de filmes organizado pela Cinemateca Portuguesa, um mês apenas antes de sua morte, sentenciou: "vim para morrer em Portugal".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em setembro, internado às pressas depois de um mal súbito, disse aos médicos que estava sentindo "muita angústia". Morreu dias depois. A causa oficial da morte de Glauber Rocha foi um choque bacteriano resultante de broncopneumonia. Na versão de sua mãe, Lúcia Rocha, o filho "não morreu da vontade de Deus; morreu de uma doença chamada Brasil".

(Conheça e apoie o projeto Jornalista pela Democracia)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email