A MP do dono da Havan

"Em poucos dias, este 'patriota' bolsonarista suspendeu o contrato de 11 mil funcionários da Havan - nada menos que 50% de todos funcionários de todo grupo jogados na miséria, desemprego e sofrimento", escreve Jeferson Miola sobre a MP 936, que suspende contratos de trabalho

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A MP 936, que promove uma brutal reestruturação produtiva do capitalismo brasileiro baseada na demissão de trabalhadores, suspensão de contratos de trabalho e redução dos salários, foi enviada ao Congresso em 1º de abril.

Tudo isso feito no contexto da pandemia do COVID-19, quando o que o povo brasileiro mais precisa é de medidas de proteção da renda, do emprego e da condição de sobrevivência.

Aliás, governos mundo afora fazem isso, aportam somas vultuosas de dinheiro público para esta finalidade, bem ao contrário do que faz a elite brasileira.

O Congresso, com maioria totalmente favorável à pauta bolsonarista ultraliberal, não devolveu a MP e tampouco votou para impedir esta barbaridade contra o mundo do trabalho.

Apesar de parecer uma piada de mau gosto de 1º de abril, a MP é de verdade e está em vigor.

O empresário que rapidamente se beneficiou desta MP feita sob medida para seus interesses foi ninguém menos que o Véio da Havan. Com a intimidade que priva com Bolsonaro, não será difícil encontrar as digitais deste ridículo fascista na concepção desta MP monstruosa.

Em poucos dias, este "patriota" bolsonarista suspendeu o contrato de 11 mil funcionários da Havan - nada menos que 50% de todos funcionários de todo grupo jogados na miséria, desemprego e sofrimento.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247