A nossa luta se reforça no primeiro de maio

Aos trabalhadores e trabalhadoras que estão no front da batalha contra o inimigo invisível, o coronavírus, minha homenagem e meu compromisso de luta!



Há 134 anos, a revolta que nascia em Chicago, no Estados Unidos, marcou a luta pela emancipação das trabalhadoras e trabalhadores por todos os cantos do planeta. As batalhas entre capital e trabalho buscando melhores condições de trabalho, jornada e salários levaram a muitas vitórias, particularmente no Ocidente. No entanto, o capitalismo viveu várias crises, mas se recompôs e evoluiu para sua face mais perversa - a hegemonia do capital financeiro. Este não respeita fronteiras, Estados soberanos, proteção social, direitos, e se tornou incompatível com a democracia. Para se estabelecer provoca guerras, golpes, aprofunda desigualdades e exclusão. Intervém de forma neocolonial e quer submeter nações e continentes aos seus interesses econômicos e geopolíticos.

A era Bolsonaro, com sua equipe comandada por Paulo Guedes, é a caricatura mais cruel e agressiva dos interesses do capital financeiro e da submissão mais grotesca e desqualificada ao império norte-americano. Somada à negação da Ciência, ao preconceito, ao ódio e ao desrespeito reincidente à Constituição, os resultados são catastróficos e, por conta disso, temos acumulado perdas. E as mais graves têm sido em vidas humanas!

Em meio à pandemia de Coronavírus, uma doença que já acumula mais de 200 mil mortes pelo mundo e quase 6 mil em nosso país, é surreal e inaceitável que assistamos um presidente que nao demonstra qualquer humanidade, solidariedade e respeito à vida. Diferente de outros chefes de Estado, o presidente impõe medidas e decretos que anulam direitos das mulheres e homens que compõem a força de trabalho no nosso país, editando medidas provisórias que estimulam demissão, redução de salários, e chegou a propor míseros R$ 200 de auxílio emergencial para os mais vulneráveis. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Importante lembrar que Bolsonaro foi derrotado no Congresso, quando nós deputados e senadores conseguimos ampliar o valor da renda para R$ 600, chegando a R$ 1,2 mil por família. Agora, Bolsonaro cumpre de forma incompetente  e propositada o pagamento atrasado do benefício. Após 45 dias de lei em vigor ainda não atingiu a maioria dos beneficiários e provoca aglomerações e filas nas portas das agências da Caixa Econômica Federal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Chegamos na pandemia com a crise econômica que Bolsonaro e seu Governo aprofundaram em 2019, aumentando a pobreza e a desigualdade. São milhões de desempregados, mães solo e profissionais informais enfrentando grandes dificuldades de sobrevivência, que são forçadas a optar pela defesa de sua vida ou buscar algum dinheiro na rua. 

O Governo promove uma clivagem onde não existe. Tem todos os instrumentos legais, estatísticas e leis aprovadas pelo Congresso e autorizações dadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), tem dinheiro em caixa, pode emitir moeda e proteger a renda, o emprego, a folha de salários, ajudar as micro e pequenas empresas, e MANTER AS PESSOAS EM CASA.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas a crueldade não para por aí. 

Bolsonaro debocha, despreza a dor das famílias, se distancia da realidade, agride o Congresso, o STF, atenta contra a democracia, contra a federação, defende aglomerações, afronta as orientações da ciência, das autoridades sanitárias. Vira um verdadeiro mensageiro da morte, do desemprego e do autoritarismo.

Não planejou e nem tem comando para enfrentar uma crise desta dimensão. Sequer consegue conversar com governadores, prefeitos e, no inverso, os ofende e tenta jogar os caixões na porta de seus governos, ao invés de unir forças, passar recursos e estrutura.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao mesmo tempo, profissionais de saúde sem proteção adequada são expostos à doença, afastados do trabalho ou morrem. E mesmo assim Bolsonaro não resolve a falta de equipamentos de proteção individual (EPIs) no Brasil e nem cria condições para que os estados e municípios consigam esses materiais. A falta de interlocução do atual ministro da Saúde com os entes federados é de chorar, alem da falta de estratégia e medidas concretas.

Este governo é incompativel com a vida, o emprego e a democracia. Nao tem mais condições de continuar no comando do nosso país!

Aos trabalhadores e trabalhadoras que estão no front da batalha contra o inimigo invisível, o coronavírus, minha homenagem e meu compromisso de luta!

Fora com este Presidente imoral, irresponsável e de falas e atitudes criminosas. Venceremos! Viva o Primeiro de Maio!

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email