A Ômicron é moderada, mas Biden não

"Hoje, há um obstáculo maior à saída da crise que a pandemia. Trata-se da política externa dos EUA", escreve o sociólogo Marcelo Zero

www.brasil247.com -


Por Marcelo Zero 

Os dados provenientes da Europa e dos EUA demostram que a variante ômicron, responsável pela quarta onda de Covid-19, é significativamente menos agressiva que as variantes anteriores. Embora muito contagiosa, ela provoca um número proporcionalmente baixo de hospitalizações e mortes, concentrado entre os não vacinados.  

Porém, enquanto o vírus se modera, criando brechas para a volta da normalidade, a política externa de Biden se radicaliza, apontando para a continuidade da crise.   

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com efeito, a escalada de provocações na Ucrânia e em Taiwan demonstra que Biden está investindo em acirramentos dos conflitos com a Rússia e a China, num momento em que a saída da crise mundial exige alto grau de cooperação e negociação.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O caso da Ucrânia é exemplar.  

OS EUA vêm, há anos, expandindo sua influência política e militar no Leste europeu, com o intuito de “cercar” geoestrategicamente a Rússia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Essa não é uma diretriz nova, na política de defesa dos EUA.  

Já em 1997, Zbigniew Brzezinski, scholar extremamente influente, que fora assessor presidencial para assuntos de segurança nacional no período de 1977 a 1981, publicou, na Foreign Affairs, um artigo intitulado “Uma Geoestratégia para a Eurásia”, que já antecipava algumas teses de seu livro “O Grande Tabuleiro de Xadrez”.

Nesse artigo, ele argumentava, com razão, que a Eurásia é o eixo geoestratégico do mundo, já que esse supercontinente, além concentrar boa parte do território e dos recursos naturais do planeta, conecta os dois grandes polos econômicos do mundo além dos EUA, a União Europeia e o Leste da Ásia. Para Brzezinski, é vital que os EUA tenham o controle desse supercontinente, caso queiram permanecer como a única e inconteste superpotência.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pois bem, a geoestratégia concebida por Brzezinski implicava várias ações de longo prazo concomitantes. Em primeiro lugar, o fortalecimento da Europa unida, sob a liderança dos EUA. Para tanto, Brzezinski já sugeria, inclusive, a celebração de um tratado de livre comércio transatlântico, como o que foi anunciado há alguns anos. Em segundo, o fortalecimento das novas nações independentes da Ásia Central e do Leste Europeu, que surgiram após o colapso da União Soviética, e a consequente expansão da OTAN até a Ucrânia.Em terceiro lugar, e mais importante, a geoestratégia de Brzezinski previa o enfraquecimento da Rússia e o enquadramento de sua política externa nos imperativos geopolíticos dos EUA e seus aliados.

Tal geoestratégia vem sendo seguida, em maior ou menor grau, com avanços e recuos, pelos EUA. Com efeito, a OTAN se expandiu bastante para o Leste europeu, em direção à Rússia. Hoje em dia, Polônia, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Bulgária, Romênia, Letônia, Estônia e Lituânia já fazem parte desse grande bloco militar.  

Apesar dessa geoestratégia ser antiga, Biden a está intensificando.  

A ideia central de Biden é a de usar a Ucrânia e seu conhecido conflito interno para expandir mais a OTAN e “sufocar” a Rússia militarmente, bem como econômica e comercialmente.  

Os EUA já instalaram lançadores MK 41, capazes de lançar mísseis Tomahawks,na Romênia e tenciona fazê-lo em breve também na Polônia.  

Caso o façam também na Ucrânia, que tem um governo de extrema direita totalmente alinhado a Washington, os EUA poderiam atingir Moscou em cerca de 7 minutos, com mísseis de alcance intermediário. No caso de mísseis hipersônicos, o ataque poderia atingir a capital da Rússia em 5 minutos, o que geraria um tempo de resposta defensiva muito curto, comprometendo seriamente a segurança daquele país.  

Obviamente, a Rússia não tolerará tal ameaça e já está fortalecendo suas posições na fronteira com a Ucrânia e na região de Donbass, área do leste da Ucrânia de maioria russa.   

Os novos sistemas de mísseis hipersônicos russos, o Avangard, o Kinzhal e o Zircon, poderiam responder, com sobras, a essa ameaça. Apesar de não serem capazes de fazer grande diferença numa guerra nuclear franca, eles poderiam ser decisivos num conflito regionalizado.

Agora, imaginem se fosse o contrário. Se a Rússia, por exemplo, ameaçasse instalar bases militares e plataformas de lançamentos de mísseis na fronteira do Canadá com os EUA, de modo a assegurar a destruição de Washington em 5 ou 7 minutos. Será que Biden assistiria a tudo passivamente? Claro que não.

Entretanto, Putin aposta numa solução negociada, que seria plasmada em acordos de segurança mútua e não-agressão. Esses acordos teriam de garantir que:

A Rússia e os EUA não devam usar o território de outros países para preparar ou conduzir ataques contra o outro;

Nenhuma das partes deve implantar mísseis de curto ou intermediário alcance no exterior ou em áreas onde essas armas possam atingir alvos dentro do território da outra;

Os Estados Unidos não abrirão bases militares nos países pós-soviéticos que ainda não sejam membros da OTAN, não usarão sua infraestrutura militar nem desenvolverão cooperação militar com esses Estados;

Nenhuma das partes deverá implantar armas nucleares no exterior, e qualquer uma dessas armas já implantadas deve ser devolvida. Ambas as partes devem eliminar qualquer infraestrutura para o desdobramento de armas nucleares fora de seus próprios territórios;

Nenhuma das partes deverá conduzir exercícios militares com cenários envolvendo o uso de armas nucleares; e,

Nenhuma das partes treinará pessoal militar ou civil de países não nucleares para o uso de armas nucleares.

Os EUA, contudo, não parecem ter interesse num compromisso desse tipo. Querem aumentar a pressão sobre a Rússia.

Evidentemente, Biden também sabe que um conflito aberto e de grande intensidade na Ucrânia seria um grave erro, que poderia sair muito caro.  

A estratégia dos EUA parece ser, assim, a de investir num conflito baixa ou média intensidade na Ucrânia, de modo a justificar a entrada desse país na OTAN e medidas adicionais de isolamento econômico e diplomático da Rússia.

O terreno para tais ações já está sendo preparado há tempos, com a ajuda da mídia ocidental.  Nesse contexto, a Rússia é invariavelmente apresentada como uma “potência invasora”, dirigida por um “ditador; e a população russófona de Donbass e da Criméia é sempre classificada de “mercenária”, quando busca organizar a sua defesa.  

Caso as escaramuças se iniciem, os EUA pressionarão a Europa e outros aliados a isolar a Rússia e a aumentar o torniquete econômico das sanções.

Interessa, sobretudo, impedir a implantação do Nord Stream 2, gasoduto que absteceria a Alemanha e outros países europeus com gás russo, passando ao largo da Ucrânia.  

O eventual êxito dessa estratégia dos EUA descansa sobre dois pressupostos:

  1.  Países europeus e aliados de outras regiões a ela se somariam;
  2.  A China não se empenharia muito na defesa da Rússia.


Ambos os pressupostos são frágeis.

Embora países do Leste europeu pudessem a ela aderir de bom grado, não parece provável que países importantes da UE, como a Alemanha, sejam entusiastas da ideia. O Nord Stream 2, por exemplo, interessa muita mais à Alemanha que à Rússia.

Já a China sabe muito bem que o isolamento da Rússia visa, sobretudo, enfraquecer a sua estratégia de integrar a Eurásia, mediante os megaprojetos da Nova Rota da Seda. Portanto, é pouco provável que fique passiva, mesmo tendo atitude muito pragmática e ponderada.  

No entanto, independentemente do êxito ou fracasso de uma eventual “operação Ucrânia”, é evidente que conflitos desse tipo, que têm desdobramentos globais, em nada contribuem para tirar o mundo, e os EUA, da crise.

Biden, de forma acertada, vem investindo muito em políticas internas anticíclicas para dinamizar a economia dos EUA, preparar a reconstrução do país e reduzir suas grandes desigualdades sociais. Porém, investe também numa política externa agressiva, que aposta num conflito estéril com as grandes potências emergentes.  

Essa política externa, que é claramente incapaz de reconduzir os EUA ao status de única superpotência global, pois o mundo não voltará à década de 90 do século passado, será capaz, contudo, de atrasar ou impedir a saída da crise, a qual exige, é óbvio, forte cooperação internacional e ambiente de paz e estabilidade.  

Ao Brasil, com certeza, não interessa conflitos desse tipo. O governo Bolsonaro, porém, contaminado por ideologias e camarões mal digeridos, poderá pensar de outra forma.  

Mas isso deverá ser resolvido com a vacina das eleições.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email