A operação Ciro-Mandetta

"A direita liberal tenta usar Lula para enfraquecer Bolsonaro, e sonha em disputar o segundo turno contra o PT, apostando numa chapa sem a marca do PSDB de São Paulo", escreve o jornalista Rodrigo Vianna

www.brasil247.com - Ciro Gomes (PDT-CE)
Ciro Gomes (PDT-CE) (Foto: Agência Pública | Conass)


Por Rodrigo Vianna

O retorno de Lula ao centro do palco reafirmou algumas certezas: ele é o único estadista em atividade no Brasil, e um dos mais importantes do Mundo; para a esquerda e o bloco democrático, faz toda a diferença serem comandados por um líder dessa grandeza, no duro embate para remover o bolsonarismo do poder.

Mas a volta triunfal de Lula, com um dos mais consistentes discursos de sua longa carreira, no último dia 10 de março no ABC, trouxe também dúvidas:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- por que o JN e as Organizações Globo (Globo News, G1, CBN) deram tanto espaço para Lula no ABC?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- por que, nos dois dias anteriores, a Globo abriu espaço também para a humilhante derrocada de Moro no STF, preparando assim a volta de Lula na figura de líder injustiçado?

Roberto Marinho tinha frase célebre: “o importante não é o que eu mostro nos noticiários, mas o que eu deixo de mostrar”. Lula poderia ter recebido tratamento protocolar, ter sido colocado em segundo plano, em meio ao caos da pandemia. Não, a Globo abriu generoso espaço... E o motivo não é jornalístico.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O destaque para Lula -  que, diga-se, volta à cena não por causa da Globo, mas graças à coragem e firmeza do estadista e daqueles que jamais desistiram de lutar para provar sua inocência - faz parte de uma operação lançada pela direita liberal no país.  

A leitura política desse grupo, formado por Globo/PSDB/DEM e por setores mais inteligentes do empresariado e da mídia, é de que a única forma de romper a dicotomia Bolsonaro/Lula é apostar no enfraquecimento do primeiro. Trocando em miúdos: a direita liberal topa reconhecer (e usar) a grandeza de Lula, como parte da estratégia para reduzir o tamanho de Bolsonaro.

Reparem que o JN chegou a veicular uma “reportagem” (com narração do próprio Willian Bonner), para mostrar que Bolsonaro só voltou a usar máscara por medo de Lula e de seu potente discurso sobre a pandemia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A direita liberal age assim porque, entre Lula e Bolsonaro, talvez ache que o primeiro é mesmo um líder mais confiável para tirar o país do atoleiro (as mensagens de Rodrigo Maia, com elogios a Lula, indicam isso). Mas age assim, sobretudo, porque aposta num cenário em que o crescimento de Lula tire votos de Bolsonaro na base da pirâmide social, ajudando a abrir caminho para algo que hoje parece inviável: a construção de um nome de centro-direita pra concorrer em 2022.

Quem de fato manda no país – bancos, mídia, agronegócio – não vai aceitar sem luta um cenário em que precise escolher entre um capitão tresloucado e um metalúrgico que até negocia mas não encampa o programa neoliberal.  

É por isso que a volta de Lula foi acompanhada na última semana de uma articulação feita nas sombras, e que tenho chamado de “Operação Ciro-Mandetta”.    

Os sinais são vários. Tão logo Lula foi inocentado, a Globo News abriu espaço para os dois personagens. Mandetta, em especial, virou uma espécie de “comentarista oficial” sobre a pandemia no canal de notícias da Globo. Como se fosse um Miguel Nicolelis da direita...

Nas pesquisas, Mandetta surge como o nome conservador com menor rejeição, com imagem simpática, além do tom conciliador de médico que se preocupa com a saúde de todos.

As eleições brasileiras se fazem sempre sob o signo de temas: 1989-corrupção/marajás, 1994-inflação/Plano Real, 1998-bis, 2002-desigualdade/combate à fome, 2006-bis, 2010-crescimento/projeto nacional, 2014-bis, 2018-corrupção/segurança pública.

A eleição de 2022 deve ocorrer sob um duplo signo: saúde/pandemia + emprego/reconstrução da economia.

A chapa Ciro-Mandetta é a chance de a direita liberal dialogar com os dois temas, agregando o agronegócio (via DEM/Mandetta) e cravando uma cunha no Nordeste lulista com a presença de Ciro Gomes.

Ah, mas Ciro tem eternamente 12%! Sozinho, sim. Com Mandetta e o DEM, talvez avance para 15% ou 20%. Imaginem que Ciro/DEM podem construir palanques estaduais fortes no Ceará, na Bahia e também em Pernambuco (onde o PSB, aliado de Ciro, é forte).

Ciro também sonha com o apoio de Kalil/PSD em Minas, e de Rodrigo Neves/ex-prefeito pedetista de Niterói no Rio.

A incógnita seria o papel do PSDB. Aécio e Tasso Jereissati com certeza topariam a aliança com Ciro comandando a centro-direita. Mas e Dória?

Os tucanos podem lançar um candidato no primeiro turno pra perder mas construir bancada (o próprio Dória, ou então Eduardo Leite, que de quebra tiraria votos bolsonaristas no Sul do país.

A operação Ciro-Mandetta poderia avançar até mesmo para um impeachment (hoje improvável) de Bolsonaro. Mourão faria um governo “técnico”, de transição, se o caos sanitário se aprofundar.

Mas a direita limpinha nem precisa ir tão longe: imagine um cenário em que Lula cresça mais, comendo votos do capitão no Nordeste; e um tucano enfraqueça (um pouco) o capitão no Sul e no Sudeste. Essa operação seria suficiente para baixar a votação de Bolsonaro a 20% ou 25% no primeiro turno. Isso abriria espaço para levar Ciro-Mandetta ao segundo turno contra Lula/PT.

Não é uma operação simples, mas é o jogo da direita hoje. Basta ver os elogios (não há coincidências nisso) de Reinaldo Azevedo e de Merval Pereira a Ciro Gomes.  

O que falta, principalmente, é combinar com os russos.

Bolsonaro vai lutar até a morte. Vai causar tumulto, ameaçar golpes/ditadura, tentando mostrar ao “mercado”: tentem brincar comigo, e eu incendeio o que restou do país.

Lula, por sua vez, pode se fortalecer tanto diante do caos bolsonarista que se tornaria o favorito.

Sim, concordo que hoje o quadro mais provável indica uma disputa PT x Bolsonaro – com favoritismo para a centro-esquerda.

Mas o verdadeiro poder (econômico e midiático) está se mexendo. E a chapa Ciro-Mandetta começa a tomar forma, com a vantagem de dar uma cara nova para a centro-direita – que se veria livre do eterno rosto “tucano de São Paulo”, oferecendo ao eleitor uma pitada de “projeto nacional desenvolvimentista” (Ciro) num balaio em que caberiam também o agronegócio, os bancos e o sistema midiático tradicional, tudo temperado com o rosto humano de um médico preocupado com a pandemia.

A esquerda deve prestar atenção nesse jogo!    

* as reflexões contidas neste artigo devem-se, em boa parte, ao diálogo com a professora Nilce Aravecchia (FAU-USP) e com o jornalista Florestan Fernandes Jr, também atentos às manobras da direita liberal para viabilizar uma chapa presidencial em 2022.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email