A ordem imperialista liderada pelos EUA está com os dias contados

Podemos estar caminhando para uma ordem pós-imperialista, quem sabe verdadeiramente democrática e multilateral como sugerem as intenções, os compromissos e a ideologia que orientam os dirigentes da China

www.brasil247.com - Funeral simbólico de potências imperialistas e da Otan em Cabul
Funeral simbólico de potências imperialistas e da Otan em Cabul (Foto: Reuters)


Os Estados Unidos concluíram na noite de segunda-feira (30) a retirada das tropas estacionadas no Afeganistão. Depois de 20 anos de invasão e ocupação imperialista, emerge a imagem de uma potência derrotada, humilhada, em declínio e incapaz de liderar o mundo. Um retrato do esgotamento da ordem mundial inaugurada pelos acordos de Bretton Woods em 1944, que já não corresponde à geografia econômica e política do século 21.

Líderes do Talibã, ladeados por uma festiva multidão de apoiadores, celebraram o fim da ocupação militar cobrindo caixões com as bandeiras das velhas potências imperialistas do Ocidente: EUA, França, Reino Unido e da Otan.

Mais do que a vitória do Talibã é preciso realçar o revés geopolítico do Tio Sam. China e Rússia já se movimentam para ocupar o espaço perdido pelos EUA na estratégica região. Pequim reconheceu o novo governo e se comprometeu a financiar a reconstrução do Afeganistão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Os eventos que estão ocorrendo não muito longe de nós, quero dizer, no Afeganistão… Por 20 anos as tropas americanas estiveram presentes neste território, e por 20 anos tentaram civilizar as pessoas, mas de fato, tentaram implantar suas regras e padrões de vida no sentido mais amplo… inclusive na organização política da sociedade. O resultado são só tragédias, só perdas, para aqueles que o fizeram e ainda mais para aqueles que vivem no Afeganistão. O resultado é zero, para não dizer negativo”, comentou o presidente da Rússia, Vladimir Putin.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Guerra e decadência

Ao justificar a patética retirada de Cabul, em pronunciamento na tarde desta terça-feira (31), o presidente Joe Biden afirmou que não poderia continuar uma guerra sem fim e sem perspectiva e que seu país tem outros desafios prioritários. É significativo que tenha mencionando, neste sentido, a competição geopolítica com a China e a Rússia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A aventura imperialista cobrou elevado preço em vidas humanas. O conflito vitimou mais de 100 mil civis, somando mortos e feridos, entre 2009 e 2019, segundo o diplomata japonês Tadamichi Yamamoto, responsável pela missão das Nações Unidas em território afegão (Unama, na sigla em inglês).

Os custos econômicos foram astronômicos 

O chefe da Casa Branca – que caracterizou a caótica retirada de “êxito” – estima que um valor entre US$ 1 a US$ 2 trilhões foram subtraídos do erário e enterrados na guerra de duas décadas. A este respeito é bom lembrar que alguns autores atribuem ao excesso de gastos militares a causa da decadência das grandes potências. Não me parece a única nem a principal, mas é de fato uma causa relevante. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Certamente a escaramuça foi produtiva para a indústria de segurança norte-americana, que lucrou muito no Afeganistão. Mas não se pode dizer o mesmo quando se considera os impactos dos gastos (ou seriam investimentos?) na indústria da morte sobre o conjunto da economia e, em especial, nas contas governamentais.   

Não terá sido por mera coincidência que as últimas duas décadas também testemunharam a aceleração do processo de desindustrialização e decadência do poderio econômico dos EUA no mundo. A crise financeira global de 2008 e a pandemia da covid-19 também apressaram os passos da história neste sentido.

Ascensão e queda 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em 2010, o valor da produção industrial da China ultrapassou o dos EUA. Representou 19,8% da produção manufatureira mundial contra uma parcela de 19,4% dos norte-americanos. Este é um indicador muito mais relevante do declínio de Washington e da ascensão de Pequim do que o valor do PIB medido em dólares.

Independente e à margem da vontade dos ocupantes da Casa Branca, a ordem hegemonizada pelos EUA está vivendo seu último capítulo na história e a transição para um novo arranjo geopolítico internacional tornou-se irreversível por meios normais. Ressalve-se que o desfecho deste imbróglio não virá em dias, provavelmente cobrará décadas de tensões.

Podemos estar caminhando para uma ordem pós-imperialista, quem sabe verdadeiramente democrática e multilateral como sugerem as intenções, os compromissos e a ideologia que orientam os dirigentes da China. Mas a obsessão das classes dominantes estadunidenses em conter a próspera nação asiática e manter a qualquer preço a hegemonia sobre a geopolítica mundial é a pedra no caminho da humanidade.

Se tal obstáculo não for removido pelo bom senso pode conduzir o planeta a guerras de consequências imprevisíveis. Lênin já alertava que sob o imperialismo, que nada mais é do que o capitalismo dos nossos dias, as guerras tendem a ser inevitáveis.

Mas a história também ensina que elas não revertem a decadência nem impedem o tombo e o fim dos impérios. O exemplo mais recente vem da Inglaterra, mas não é o único.

No auge do seu poder colonial foi dito muitas vezes que “o sol nunca se põe no Império Britânico” devido à sua vasta extensão ao redor do mundo. Hoje isto é apenas uma pálida lembrança na memória dos ingleses. O futuro não promete reservar destino muito diferente para os EUA.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email