A percepção de racismo na versão do general Mourão

O racismo no Brasil é realmente muito diferente do racismo norte-americano. Mas existe

Mourão é orientado por cientistas sociais a agir como estadista
Mourão é orientado por cientistas sociais a agir como estadista (Foto: Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O general Mourão dá palpite sobre tudo na esfera social e política. Confrontado com um presidente da República que só diz besteira, passa por erudito. E um erudito corajoso. No caso do racismo ele foi de uma extrema coragem porque, alegando que não há racismo no Brasil, se revelou contra a corrente do senso comum da maioria esmagadora dos negros, pardos e mulatos. Mas o fato é que ele foi porta-voz de uma meia verdade. O racismo no Brasil é realmente muito diferente do racismo norte-americano. Mas existe.

 Quem me ensinou isso foi um amigo dileto, negro retinto, casado com uma branca simpaticíssima, a quem afirmei que não havia racismo no Brasil, sendo que o casamento dele, assim como vários amigos meus desde a infância, pretos, davam provas vivas. “Meu amigo, disse ele, vou lhe ensinar o que é racismo. Estava um dia desses conversando numa esquina com dois colegas brancos, e um guarda se aproximou. Pediu meus documentos. Mas não pediu documentos dos dois brancos. Isso, inequivocamente, é uma demonstração de racismo.”

 O exemplo parece trivial, mas teve significado para mim. Os negros brasileiros não mais enfrentam, em geral, racismo radicalizado, como os norte-americanos, mas estão sujeitos a formas mais sutis de racismo. E algumas vezes explícitas. O caso do advogado Frederick Wassef, defensor da família Bolsonaro e de seus esbirros, é paradigmático. Seu ataque verbal, insultuoso, absolutamente estúpido a uma garçonete mulata num restaurante em Brasília foge a todas as classificações. Não é um racista. É um canalha.

 Infelizmente, há formas de racismo que só serão superadas com o tempo. Não adiantam leis, repressão, movimentos sociais para reprimi-las no curto prazo. E isso o erudito Mourão não consegue compreender. A motorista de ônibus, no Rio, a quem foi recusado emprego por ser preta é indiscutivelmente um caso de discriminação social em razão de racismo. E aí está a chave da questão: racismo leva à discriminação, e nem sempre discriminação leva ao racismo. Discrimina-se também contra o branco pobre, e isso o erudito Mourão parece saber, mas não comenta.

 No fundo racismo e discriminação provêm de conceitos estéticos, derivados dos gregos, nas artes, e dos arianos, da cor da pele. A discriminação e o racismo, nesses casos, para grande parte da população branca, está inscrita no DNA, mesmo que sejamos um povo majoritariamente negro, mulato ou pardo. É nesse sentido que a arte presta enorme serviço no combate ao racismo. Os meios de comunicação e a publicidade estão absorvendo crescentemente atrizes e atores negros, difundindo no país seus valores estéticos.

 Ainda não é um processo generalizado nem de dimensão profunda. Em muitas situações a atriz ou ator mais valorizados são os que se parecem com branco. Trata-se, porém, de um começo, na medida em que a audiência e a publicidade entendam que o grande mercado de consumo, embora de renda mais baixa, está entre negros, mulatos e pardos. E é necessário, como já acontece, que artistas negros assumam abertamente sua negritude.

Outro fenômeno paralelo ocorre quando a criação artística é, ela própria, negra. Temos um exemplo histórico fantástico que é o de Machado de Assis, criador da Academia Brasileira de Letras - que, entretanto, abandonou a tradição e em geral só “imortaliza” brancos.

 A discriminação pode ser objetivamente combatida mediante leis, regras sociais e punições. O racismo é mais evasivo. Muitas vezes é a expressão da intimidade da alma, não dos movimentos do corpo. Enfrentá-lo requer um alto grau de civilização que parece existir na Europa do Norte, por razões históricas, mas não nos Estados Unidos ou no Brasil, herdeiros da escravidão. 

O processo para reduzi-los é cultural, de longo prazo. Começa na escola. Mas é claro que enquanto negros não tiverem dinheiro para cursar as mesmas creches e escolas de brancos, ou enquanto não houver creches e escolas gratuitos para todo o mundo, o racismo subsistirá por força da desigualdade social, não apenas por causa da cor da pele. E nisso o erudito Mourão está correto, embora eu nunca o tenha visto combater concretamente a desigualdade, preferindo, com sua erudição, seguir os caminhos socialmente perversos do neoliberalismo concentrador de renda e de riqueza.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247