A Petrobras ameaçada

A sociedade não foi ouvida, os brasileiros não participaram do debate porque eles, os vendilhões, sabiam que tal proposta seria rechaçada

www.brasil247.com - EC Angra dos Reis (RJ) 22/01/2014 Casco da primeira sonda do prÈ-sal chegou ao Brasil - Visita ao Estaleiro BrasFels, em Angra dos Reis, onde ser· construÌda uma das sondas de perfuraÁ¿o do prÈ-sal, encomendada pela Sete Brasil. Foto de Fabio Rossi / AgÍn
EC Angra dos Reis (RJ) 22/01/2014 Casco da primeira sonda do prÈ-sal chegou ao Brasil - Visita ao Estaleiro BrasFels, em Angra dos Reis, onde ser· construÌda uma das sondas de perfuraÁ¿o do prÈ-sal, encomendada pela Sete Brasil. Foto de Fabio Rossi / AgÍn (Foto: Ribamar Fonseca)


A aprovação pelo Senado do projeto do senador José Serra, que abre o pré-sal para os grupos estrangeiros, foi mais um passo, talvez o maior deles após a quebra do monopólio do petróleo, para a privatização da Petrobrás e a entrega de nossas riquezas petrolíferas ao capital estrangeiro. Graças a um acordo que envolveu, além do governo e a oposição, também a grande mídia, que escondeu a votação dos olhos e ouvidos do povo brasileiro, a proposta entreguista foi aprovada às pressas e quase sorrateiramente, não dando tempo à organização de protestos, atendendo a interesses alienígenas, constituindo-se em mais uma traição ao país concebida há anos pelos tucanos, em cujo ninho estão abrigados os maiores vendilhões da Pátria. A sociedade não foi ouvida, os brasileiros não participaram do debate porque eles, os vendilhões, sabiam que tal proposta seria rechaçada.

Já soava estranha a forma como o tema, de vital importância para o país, vinha sendo tratado pelo governo, pela oposição e pela mídia, com muita discrição, quase em segredo, para que a sociedade organizada não tivesse oportunidade de se mobilizar. Afora algumas manifestações isoladas de jornalistas e políticos, entre estes os senadores Roberto Requião (PMDB) e Lindbergh Farias (PT), sobre os riscos para a Petrobrás representados por essa proposta, ninguém mais tocava no assunto. Requião, que acompanhava preocupado a movimentação dentro do Senado, chegou a declarar que "só uma mobilização nacional urgente pode salvar o nosso futuro". Com efeito, se esse projeto impatriótico chegar a virar lei as próximas gerações do Brasil terão comprometido o seu futuro diante do comprometimento do próprio futuro do país. E nossa geração infelizmente entrará para a história como vende-Pátria.

Desde o governo de Fernando Henrique Cardoso, que quebrou o monopólio do petróleo e fatiou a Petrobrás para facilitar a sua privatização – tentou inclusive mudar o nome da estatal para Petrobrax – que os tucanos revelam verdadeira obsessão para entregar tudo aos estrangeiros, um entreguismo que parece estar no DNA de vira-lata deles. No período do governo FHC fizeram de tudo, até sabotagem, (em apenas dois anos foram registrados 62 acidentes, inclusive o naufrágio da plataforma P-36), segundo suspeitas do engenheiro Fernando Leite Siqueira, presidente à época da Aepet (Associação dos Engenheiros da Petrobrás, para fragilizar a empresa e justificar a sua venda. "A ditadura militar cometeu erros crassos na área dos direitos humanos, mas os militares eram nacionalistas" – disse o engenheiro em entrevista ao jornalista Palmério Dória.

Hoje o pretexto usado pelos vendilhões é a corrupção, que teria deixado a estatal falida, o que não é verdade. Um dos defensores da proposta de Serra, o presidente do Senado Renan Calheiros, que apressou a sua votação, disse em artigo aqui no 247: "A proposta do senador José Serra é patriótica. A Petrobras está em uma grave crise e inviabilizada financeiramente. Não tem, e isso é inquestionável, nenhuma condição de fazer face à obrigatoriedade que a lei, ultrapassada, impunha". Classificar o projeto de Serra de "patriótico" é piada ou, então, Renan pirou e subestima a inteligência dos brasileiros. Somente para os entreguistas e para os grupos econômicos internacionais interessados na Petrobrás é que ela está inviabilizada, um pretexto bem urdido para justificar a sua venda, junto com a mais avançada tecnologia de exploração em águas profundas. O senador Roberto Requião foi claro: "Essas empresas (que ficariam com a exploração) não vão investir. As petroleiras estão em dificuldades. O que eles pretendem é se apropriar da tecnologia de águas profundas e estrategicamente manter o controle absoluto de fornecimento de petróleo".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além dos males à soberania do país, a aprovação do projeto-Serra pelo Senado, embora ainda necessite ser aprovado pela Câmara dos Deputados, também abre caminho para a aprovação do projeto de outro senador tucano, Tasso Jereissati, que quer privatizar todas as 140 estatais brasileiras. Ou seja, parece que os tucanos não querem mesmo que o Brasil seja independente e o povo conquiste melhores condições de vida, mantendo-nos na humilhante condição de colônia. O saudoso presidente Getúlio Vargas, aliás, já alertava, em sua carta-testamento de 1954, que continua muito atual, para esse complô contra a nossa soberania: "A campanha subterrânea dos grupos internacionais aliou-se à dos grupos nacionais revoltados contra o regime de garantia de trabalho. Contra a justiça da revisão do salário mínimo se desencadearam os ódios. Quis criar liberdade nacional na potencialização de nossas riquezas através da Petrobrás e, mal começa esta a funcionar, a onda de agitação se avoluma. Não querem que o trabalhador seja livre. Não querem que o povo seja independente".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O saudoso presidente Itamar Franco revelou, tempos depois de deixar o Palácio do Planalto, que recebia muita pressão dentro do próprio governo: "Eles (os tucanos) queriam privatizar tudo, o Banco do Brasil, todo o setor elétrico, a Usiminas, a Petrobrás". O seu sucessor, Fernando Henrique, no entanto, acabou executando o programa de privatizações que queriam impor a Itamar, só não conseguindo vender a Petrobrás na época porque seu mandato expirou e Lula interrompeu o processo, retomado agora graças a participação da Operação Lava-Jato. E Itamar se arrependeu profundamente de ter feito FHC Presidente, contrariando muitos dos seus amigos que o aconselharam a não escolhê-lo. "A gente não é perfeito, né? Se fosse naquela época em que a professora colocava a gente ajoelhada no milho, acho que eu tinha de ajoelhar no milho", ele disse, conforme depoimento constante do livro "O Príncipe da Privataria".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Diante desse panorama sombrio para a nossa mais importante estatal, uma das maiores empresas de petróleo do mundo, resta esperar que a sociedade organizada saia às ruas para defender a Petrobrás antes que o projeto entreguista do senador José Serra seja votado pela Câmara dos Deputados. E lembrar à presidenta Dilma Rousseff a necessidade de fazer a sua parte, mobilizando os mecanismos do governo para impedir mais essa agressão à nossa soberania. Afinal, o país não pode ser engessado pela Operação Lava-Jato ao ponto de ficar imobilizado diante da ação dos entreguistas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email