A popularidade de Obama Versus Dilma

Nos Estados Unidos também há oposição forte, mas ela entende a democracia como princípio basilar, imexível

www.brasil247.com - Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, durante evento em Paris. 30/11/2015 REUTERS/Ian Langsdon/Pool
Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, durante evento em Paris. 30/11/2015 REUTERS/Ian Langsdon/Pool (Foto: Walter Santos)


O ano de 2015 chega com um saldo de manifestação dos cidadãos e cidadãs sobre o desempenho do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e do Brasil, Dilma Rousseff, com indicadores que merecem uma reflexão acerca de como anda o humor e avaliação das pessoas nesses dois grandes Países, concomitantemente, às reações cotidianas diante da alta rejeição de Obama 71%, por exemplo, e a leve recuada da reprovação em torno de Dilma (67%). Aliás, no caso americano, 75% andam descontentes com os rumos e as políticas de Obama.

A rigor, o patamar de reprovação alcançado por Obama neste final de ano se assemelha ao exato número de 71% que Dilma chegou a atingir em agosto, posto que esse era o índice do governo da presidenta brasileira avaliado entre ruim ou péssimo. A dados de hoje, como ressaltamos, houve ligeiro recuo alcançando 67%, ainda um patamar alto.

Nos dois casos, são números preocupantes para quem exerce o Poder, mesmo que existam perspectivas e projeções diferentes posto que, na situação americana há pouca novidade positiva a ser prospectada, enquanto na realidade brasileira existe a possibilidade de recuperação gradativa da presidenta com as novidades políticas de reaglutinação da Base e da aprovação de ajustes no Congresso Nacional gerando indicadores positivos.

NOS EUA, DEMOCRATAS E REPUBLICANOS SE CONFRONTAM

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pela pesquisa divulgada pela CNN, terça-feira, 28, a reação dos americanos tem filtro diferente quando se avalia o governo Obama pela vertente de democratas e republicanos, posto que 67% dos aliados do presidente (democratas) vêem mudanças positivas, enquanto 63% dos republicanos acham o País em fase ruim.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este patamar de posicionamento dividido na sociedade americana na avaliação do presidente também se estende no campo pessoal, pois 48% dos entrevistados disseram ter uma visão pessoal favorável e 50%, desfavorável.

O que difere no caso americano é que, apesar da desaprovação nas áreas de política e segurança, os norte-americanos permanecem um pouco mais otimistas com relação à economia, com 52% de aprovação para as ações da Casa Branca.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

PERSPECTIVA DE DILMA FRENTE À OPOSIÇÃO EM 2016

O desfecho de 2015 com a implosão do Impeachment a partir da reaglutinação da Base aliada da presidenta, mais o racha fatal no PMDB implodindo o processo de Golpe via o vice-presidente Michel Temer, mais a aprovação dos ajustes pelo Congresso Nacional e a decisão do Supremo Tribunal Federal zerando o processo deflagrado pelo debilitado presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, significa na prática ares novos e positivos ao projeto de Dilma para o ano que se inicia.

Afora todas as costuras de bastidores, o reforço recebido por Dilma pelas manifestações de rua às vésperas da decisão do STF resultou em desdobramentos culminando com a mudança de paradigma das Politicas de Levy, ministro auto demissionário, pelas de Nelson Barbosa dentro de um prisma menos radical nos cortes e ajustes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Dilma ressurge em 2016 com as condições de que, enfim, depois de um ano perdido, ele assume de fato o Governo em condições de tocar Políticas que respinguem na retomada da economia num patamar de reaquecimento real para dentro, especialmente, e fora do País uma vez que há necessidade de convivência com os mercados externos.

SÍNTESE

Nos Estados Unidos também há oposição forte, mas ela entende a democracia como princípio basilar, imexível.

Não é à toa, por exemplo, que John Kennedy venceu Richard Nixon em 1960 pelo magérrimo 0,10% (um décimo)de votos, da mesma forma que Nixon venceu Hubert Humphrey em 1968 - 0,7% (sete décimos) números muito abaixo da vitória de Dilma sobre Aécio de 3,3% (51,6% contra 48,3%) e por lá não há desestabilização política como faz a Oposição no Brasil.

ÚLTIMA

"O olho que existe/ é o que vê..."

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email