A Previdência não está quebrada!

Se já era ruim a proposta de reforma do governo Temer, que retirava direitos dos mais pobres, dos servidores públicos e dos trabalhadores rurais, agora o desmonte é total e a entrega da Previdência pública aos bancos e financeiras pode colocar um fim ao nosso modelo de proteção social, que tem servido de exemplo de sucesso a vários países do mundo

A Previdência não está quebrada!
A Previdência não está quebrada! (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agênci)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A Previdência Social brasileira é a maior e mais eficiente política pública de proteção social e redistribuição de renda existente em nosso país. Ao contrário do que os neoliberais afirmam, ela não é um problema para o Brasil, e sim parte da solução de um dos maiores desafios da nação brasileira, que é a redução das desigualdades sociais.

Nosso modelo teve origem na Alemanha, onde no final do século XIX, Otto Von Bismarck criou o primeiro sistema de previdência, que acabou originando a maioria dos sistemas do mundo. No Brasil ele vem sendo construído ao longo de mais de 100 anos de nossa história, com a participação da sociedade, por meio de entidades representativas, reivindicando e debatendo no Congresso Nacional as mudanças que o tornaram um dos melhores modelos de proteção social do mundo, especialmente após a consolidação do conceito de Seguridade Social, inserido na Constituição de 1988.

Em um país tão desigual como o nosso, são necessárias políticas públicas de proteção social capazes de reduzir as desigualdades ao mesmo tempo em que leva cidadania, de Norte a Sul, a todas as categorias de trabalhadores, de todas as classes sociais, mas especialmente às mais pobres, com menor qualificação profissional e que exercem atividades em condições mais difíceis.

O tema Previdência Social ganhou destaque nos últimos anos, ao se tornar motivo de preocupação dos governos de diversos países, que alegam insuficiência de recursos para custear os benefícios. Utilizam-se de fatos normais de uma sociedade, que são consequências da sua evolução, como o envelhecimento da população, o aumento da longevidade e a queda da taxa de natalidade, para alardear o risco iminente de "quebrar" o país caso não se aprove reformas profundas no sistema.

Ora, se de fato temos essa evolução na sociedade e isso nos impõe desafios a serem enfrentados, devemos fazê-lo com muita serenidade, transparência nos dados de arrecadação das contribuições e das despesas, e amplo debate com todos os interessados, principalmente com aqueles que serão alcançados por quaisquer mudanças nas regras do sistema. Nosso sistema de proteção social é amplo e complexo e não pode ser desmontado ou destruído a pretexto de estar se tornando financeiramente inviável.

Na verdade, o que assistimos perplexos é uma disputa pelos recursos orçamentários da União entre a sociedade e os donos do capital especulativo, dos bancos e das financeiras, cuja convicção neoliberal domina grande parte dos espaços em todos os poderes da República. A escolha, é preciso que fique claro para todos, é se o Orçamento da União deve ser utilizado para proteger os trabalhadores e suas famílias ou se deve servir para remunerar cada vez mais o capital especulativo e continuar concentrando renda e aumentando o abismo social existente no Brasil.

Desde que prestei o concurso público para a Previdência Social, em 1985, ouço dizer que ela vai quebrar, que o modelo de repartição não tem viabilidade e precisa ser reformado urgentemente. Resistimos a todos esses ataques e a várias tentativas de impor ao Brasil o modelo de capitalização individual que foi implantado no Chile, sob o comando do General Augusto Pinochet, com consequências desastrosas para o povo chileno.

Aos que alardeiam essa necessidade urgente de "reformar" a Previdência, faço algumas perguntas que são de grande interesse do povo brasileiro:

Se a Previdência está mesmo quebrada, porque o governo perdoou bilhões de reais de dívidas de sonegadores?

Qual o motivo de não chamar para a mesa de discussão sobre a Previdência os trabalhadores, os empregadores e os aposentados?

Porque o governo não apresenta as contas da Previdência de forma clara e transparente, sem manipulações dos números?

As respostas mais adequadas são bem claras:

A Previdência não está quebrada e nem é inviável, mas atravessa uma das maiores crises econômicas, e devido ao desemprego recorde aliado ao resultado desastroso da "reforma trabalhista" do governo Temer, que precarizou as relações do trabalho, instituiu o trabalho escravo e legalizou o "bico", reduzindo drasticamente a arrecadação das contribuições previdenciárias, por consequência gerou déficit no sistema, que até 2015 apresentava superávits sucessivos. O Brasil precisa urgentemente de retomar o crescimento econômico e a criação de postos de trabalho com carteira assinada, o que aumentaria a arrecadação e nos levaria à situação de equilíbrio das contas.

Somente uma ampla discussão com a sociedade permitirá promover a reorganização das regras sem suprimir direitos ou desproteger os trabalhadores. Uma saída, por exemplo, é rever as fontes de financiamento, o que ensejaria uma reforma tributária mais justa na cobrança de tributos. Para compreender melhor, basta perceber que o crescente, e bem-vindo, avanço tecnológico provoca, cada vez mais, a substituição de postos de trabalho por tecnologia, reduzindo a massa salarial e, consequentemente, a arrecadação sobre folha de salários – a maior e mais estável fonte de financiamento de custeio da Previdência Social. Para compensar essa redução é necessário promover a migração dessa fonte para faturamento e lucro.

O governo utiliza artifícios contábeis para esconder os verdadeiros números da Previdência e da Seguridade Social. Se colocarmos cada receita e cada despesa nos locais certos, conforme comprovou a CPI da Previdência no Senado Federal, veremos que os resultados serão bem diferentes dos apresentados como fundamento para a reforma. Ao analisarmos a Lei Orçamentária, podemos observar que o governo retira 30% dos recursos da Seguridade Social como desvinculação de receitas, e além disso atribui à seguridade várias despesas que não são de sua responsabilidade, tais como salários de servidores públicos ativos e aposentados.

Após a eleição de Jair Bolsonaro para a presidência da República, sua equipe econômica apresentou uma outra versão de reforma que é muito mais radical e desastrosa que a anterior, com o claro objetivo de acabar com o modelo de repartição e instituir o modelo de capitalização individual. Aí vem mais uma tentativa de implantar o modelo chileno novamente...

Se já era ruim a proposta de reforma do governo Temer, que retirava direitos dos mais pobres, dos servidores públicos e dos trabalhadores rurais, agora o desmonte é total e a entrega da Previdência pública aos bancos e financeiras pode colocar um fim ao nosso modelo de proteção social, que tem servido de exemplo de sucesso a vários países do mundo.

Para que as pessoas possam manter o mínimo de dignidade e proteção nos momentos mais delicados da vida, que são a velhice ou a invalidez por doença ou acidente e a viuvez, precisamos resistir a esse desmonte. É dever de todos aqueles preocupados com a situação pressionar os parlamentares para que não aprovem medidas como essa, pois, caso contrário, será um enorme retrocesso com danos irreparáveis ao nosso povo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247