A quinta ferida narcísica Bolsolavo

Regra geral agora é o uso da violência contra tudo e todos. Só o 'líder da horda', o grande 'pai' real não deve ser 'castrado'. Todos os demais integrantes do clã-Brasil tornaram-se 'eunucos biológicos e mentais', embora com as armas nas mãos

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Dizem que a História da humanidade teve 4 grandes 'feridas narcísicas', provocadas por grandes estudiosos e talvez os maiores gênios que já habitaram o planeta Terra, os verdadeiros 'zeitgeister'.

A 'primeira grande ferida narcísica' foi provocada por Nicolau Copérnico, retirando a Terra do centro do universo, lançando-a à categoria de apenas um pequeníssimo corpo celeste entre os demais n.trilhões existentes, liquidando com a visão antiga do geocentrismo. Portanto a Terra não é mais o centro do universo.

A 'segunda ferida narcísica' foi desferida pelo cientista britânico Charles Darwin, com "On the Origin of Species", dizimando a pretensão do homem de ser alguma coisa além de um animal originário da natureza.
Portanto, equivaleu-se o homem a um cão (com as minhas desculpas aos cães pela desonra).

A 'terceira', talvez a mais 'terrível' de todas, desalojou o homem de seu próprio centro, o seu 'ego' (eu) deixou de ser o dono absoluto de sua própria vida psíquica. Freud apontou o 'inconsciente' como o ator principal da atividade mental, determinante de seus pensamentos e comportamentos, embora a dor causada por essa 'ferida' tenha provocado, principalmente nos 'sujeitos mais narcísicos', uma forte reação da ordem do incurável.

A 'quarta ferida narcísica', a meu ver, foi resultado do trabalho do pensador Karl Marx acerca do 'modus vivendi' e 'operandi' do capitalismo produtivo, defenestrando o dono do capital e seus vassalos aburguesados como os verdadeiros sujeitos da História e proprietários do planeta Terra.

Portanto há uma imensurável resistência ao trabalho científico socioeconômico de Marx, principalmente por aqueles que detêm o capital, os meios de produção e comunicação aliados às tecnologias da informação, fazendo crer às massas incultas que esse modelo de vida seja o melhor possível, naturalizando-o, moldando e 'reduzindo as cabeças' (Em referência ao filósofo francês, Dany-Robert Dufour, em "A arte de reduzir as cabeças").

A 'quinta ferida narcísica', na verdade, é um 'tumor' efeito 'denegatório' das primeiras, desferida pelas mentes brilhantes dos pensadores brasileiros atuais, olavo de carvalho, moro (ou morro) e bolsonaro, herança problemática de steve bannon e da saga norte-americana em busca da 'riqueza das nações'.

Como poderia se esperar, 'feridas' que não são tratadas adequadamente tornam-se tumores, com dificuldades mais acentuadas de tratamento, evoluindo, no presente caso clínico-político, para todo o organismo tupiniquim, como uma metástase semiótica e concreta, tendo em vista o melancólico retorno do país à 'horda primitiva' (onde não havia 'lei' ou a 'lei' era exercida pelos mais fortes').

Parece que a ideia bolsonita é 'avançar' mais, rumo à 'era do fogo', quando se matava à vontade....

Pretende-se, pelo visto, que as fêmeas voltem a ser 'lixos sexuais' reprodutores ao bel-prazer dos machos; a Terra será plana e o centro do universo novamente; o conhecimento, a educação, a saúde, a assistência social existirão apenas na casa do 'grande pai' e parceiros 'canibais'.... O eu narcísico 'armado' volta a ser o centro da atividade mental.

A regra geral agora é o uso da violência contra tudo e todos. Só o 'líder da horda', o grande 'pai' real não deve ser 'castrado'. Todos os demais integrantes do clã-Brasil tornaram-se 'eunucos biológicos e mentais', embora com as armas nas mãos.

Bolsonaro ainda divide o seu 'gozo' com os seus filhos e Olavo. A população brasileira 'identificada' miticamente com bolsonaro, o 'grande pai' violento, aos poucos também vem sendo sacrificada, embora não perceba, mas o final da história é esse mesmo, com um desfecho bastante desfavorável para o 'pai' absoluto que tudo pode. (Ler "Totem e Tabu", de Sigmund Freud).

Apesar de alguns de seus fanáticos, retidos nesse espelho identificatório terrível e letal, quem viver assistirá ou participará em breve do 'banquete simbólico' do 'grande papai bolsonaro'. (Espero e torço muito para que seja somente simbólico).

A História e o tempo são implacáveis, apesar das repetições trágicas.

Tratemos melhor as nossas 'feridas' enquanto ainda vivemos.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247