A rádio relógio

www.brasil247.com -
(Foto: Reuters/Denis Balibouse)


Rio - Tic-tac, tic-tac, tic-tac…Você sabia?

Pouca gente ainda se lembra desse bordão. Só os mais velhos, claro. Era a ‘Rádio Relógio’, uma emissora que em vez de programas jornalísticos e de entretenimento, transmitia apenas notas jornalísticas e curiosidades com o bordão "Você Sabia?", 24 horas por dia, minuto a minuto, na voz do locutor Tavares Borba.

A ‘Rádio Relógio’ foi fundada em 1956, por César Ladeira.  Sua programação era completamente diferente das demais emissoras do Rio de Janeiro. A cada minuto, era atualizada a hora sincronizada com o Observatório Nacional, sendo sempre ditas as horas, minutos e segundos, em uma locução pré-gravada pela jornalista Íris Lettieri. Ao fundo, podia-se ouvir o tic-tac de um relógio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Tic-tac, tic-tac, tic-tac...Você sabia que a mosca é um dos insetos mais ligeiros e que, se pudesse voar em linha reta, levaria 28 dias para atravessar o mundo todo? Você sabia?”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É claro que não. Mas, por cinco décadas, esse bordão ajudava a acordar os brasileiros a partir das 5 horas da manhã. 

A ‘Rádio Relógio Federal’ conquistou o público por sua pontualidade e suas informações curiosas. A emissora foi fundada em 1956 e marcou época na história do rádio brasileiro, na sintonia do AM 580 Khz.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Apresentava primeiro o tic-tac incessante dos segundos ao fundo e uma transmissão mais ou menos assim: 

"Você sabia? O primeiro cronômetro marítimo foi construído no ano de 1715 pelo inglês John Harrison?”

“Você sabia que o coração da baleia da Groenlândia pode pesar até cinco toneladas? 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Você sabia que a palavra maricá tem origem no Tupi, e significa capim de espinhos?” 

Hoje, na falta da ‘Rádio Relógio’, fico sabendo, pelo jornalista Ruy Castro, na ‘Folha de São Paulo’, que Fernanda Montenegro, por exemplo, se chama Arlete; Júnior, ex-Flamengo, Leovigildo; Angela Maria era Abelim; Dolores Duran, Adiléa; Nora Ney, Iracema; Dick Farney, Farnésio; Tito Madi, Chauki; Cazuza, Agenor; Doris Monteiro, Adelina Doris; Paulo Francis, Franz Paul; Vinicius de Moraes, Marcos Vinicius e que Oswald de Andrade era José Oswald. 

E mais.

“Você sabia que Conan Doyle, cujo imortal Sherlock Holmes era a lógica e a razão em pessoa, seguia qualquer charlatão que o convidasse a falar com os mortos?” 

“Você sabia que Franz Kafka, autor de "O Processo", dava gargalhadas ao ler o que escrevia?” 

“Você sabia que Dorival Caymmi, o poeta do mar e dos pescadores, não sabia nadar e nunca pescou na vida?” 

“Que Nelson Rodrigues, o anjo pornográfico, não dizia palavrões?” 

“Que Edgar Rice Burroughs, o criador de Tarzan, nunca foi à África?” 

“Que Guimarães Rosa, autor de "Grande Sertão: Veredas", só foi ao sertão uma vez?”

Muitos classificam esse tipo de informação como cultura inútil.

Cultura, útil ou inútil? Não importa. Cultura é cultura. Carlos Heitor Cony, sempre cético, dizia: “Já tentei jogar a cultura fora. Mas é impossível. Ela boia".

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email