A realidade crua do suposto Brasil de Bolsonaro

"O Brasil virou um grande seriado de suposições e inverdades, cujo título poderia plagiar o humorístico “Vai que cola”", escreve o engenheiro Francis Bogossian

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (Foto: Alan Santos/PR)


Por Francis Bogossian 

Em pleno processo de conquistas sociais e desenvolvimento, fomos vítimas de uma grande conspiração, estimulada por interesses estrangeiros, envolvendo os setores políticos neoliberais do Brasil, a mídia corporativa, o Judiciário, as Forças Armadas, o chamado “mercado financeiro”, as federações patronais, entre outros braços do poder. Todos juntos se contrapondo à perspectiva de um país independente, produtivo e desenvolvido.  

Quando o túnel chamado Brasil começou a se iluminar, esse conluio de forças apagou a luz. A projeção positiva do país no exterior reverteu-se, e hoje estamos experimentando a rejeição internacional, afugentando os investidores positivos - aqueles que vinham contribuir, participando conosco de projetos geradores de desenvolvimento e empregos, com bons resultados, e estamos atraindo o investidor negativo - aquele predador, que esgota os nossos recursos naturais e leva para casa todos os lucros e benefícios.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Faço minhas as palavras de João Pedro Stedile: “Derrubaram Dilma para pegar o controle absoluto do Estado e jogaram toda a crise do Capitalismo sobre a classe dos trabalhadores.”  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sentimos o gosto amargo da derrota em todos os campos.  

Na Educação, o governo demonstra seu dedo podre, escolhendo sucessivamente quatro ministros para a pasta, cada um pior do que o outro. Houve Ricardo Vélez, que paralisou o MEC. Houve Abraham Weintraub, que, além de declarar que universidades cultivam maconha e fabricam drogas, abriu guerra santa contra o patrono da educação brasileira, Paulo Freire, e polemizou com jornalistas em termos chulos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Depois do ministro sem educação, temos agora o ministro contra a educação, o pastor Milton Ribeiro, para quem alunos com deficiência atrapalham os demais estudantes, e que as universidades deveriam ser para poucos.

O ensino médio está cada vez mais esvaziado, com as sucessivas reformas, o analfabetismo não é mais combatido, ao contrário, e os professores de todos os níveis são perseguidos e desmerecidos. De acordo com pesquisa feita pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em 46 países, a média salarial brasileira é 13% inferior à média da América Latina, e quase metade da média praticada nos 38 países ricos e integrantes da OCDE. Em síntese, o salário de professor de ensino médio brasileiro é o pior do mundo.

No momento, transitam no Congresso duas PECs de Bolsonaro que atacam direitos dos professores. A PEC 32, da reforma Administrativa, pode privatizar escolas, com concursos e com o plano de carreira do magistério. A PEC do Calote (nº 23) coloca em risco até o pagamento dos salários dos professores.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No Meio Ambiente, somos alvo de tempestades de poeira causadas pelo desmatamento descontrolado, pelas queimadas criminosas, o desmonte dos órgãos de controle ambiental. Chegamos à COP-26, na Escócia, com registros recordes de emissões de gases poluentes, numa década que definirá o futuro da Humanidade.  

Nesse meio tempo, o ex-ministro desmatador, Ricardo Salles, em vez de estar sendo arguido nos tribunais, está inaugurando mansão em São Paulo, nos jardins.      

Na Agricultura, 50 empresas controlam todo o PIB agrícola. O sucesso do agronegócio, para essas 50 empresas, e o seu insucesso, para os demais brasileiros, se resumem em: somos o segundo maior produtor de carne no mundo, enquanto nosso povo está condenado a roer osso e se alimentar de carcaças de frango e de peixe.  

Cerca de 20 milhões de brasileiros passam fome porque não têm renda, 70 milhões estão na chamada insegurança alimentar - se alimentam da pior maneira, aquém das necessidades. A ironia perversa brasileira faz com que, em nosso país, feijão e leite pagam ICM, enquanto o agrotóxico e a exportação de commodities agrícolas e minerais, como petróleo e ferro, não pagam ICM. Temos uma burguesia pré-Revolução Francesa, que ainda não aderiu ao capitalismo, não aceita pagar impostos e quer fazer do trabalhador seu escravo, sem benefícios, sem Leis Trabalhistas, sem aposentadoria.  

Vão dizer até que sou comunista por ter uma preocupação social, e quem sabe deixarei de ser convidado pelos salões do alto poder econômico social. Contudo, a situação de penúria brasileira nos leva a desafiar as próprias conveniências. Qualquer cidadão com o mínimo de consciência social sabe que em nosso país estamos na contramão da História e da própria vida humana.  

A Academia Nacional de Engenharia, que presido, reunindo 200 acadêmicos do Brasil inteiro, trata de assuntos fundamentais do desenvolvimento brasileiro, através de cinco Comitês Permanentes: Energia, Educação, Inovação, Logística e Saneamento. E ainda um novo grupo, que se dedica à Engenharia do Futuro. Entretanto, a Academia não dispõe de apoio do Governo Federal, como ocorre com a notável Academia Brasileira de Ciência. Para tal, estou pedindo audiência ao senhor Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, desde sua posse. Até hoje não fui atendido. É incrível. Nos EUA, a National Academy of Engineeringé subsidiada pela Presidência da República. Isso, no Brasil, nós não conseguimos. E não é de hoje. O descaso com as entidades científicas é tradição brasileira, independendo do partido que prevaleça no país.

A Academia, contudo, tem tido notável acolhida do Excelentíssimo Senhor Ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque. Em atendimento à solicitação do ministro, a Academia se manifestou, dentre outros, em dois assuntos importantes: a segurança de barragens, notadamente barragens de rejeitos, e os problemas de Energia, mais especificamente sobre a crise hídrica, que tanto nos preocupa. Temos, porém, discordado democraticamente nas posições referentes ao Petróleo brasileiro.  

A Petrobrás vem sendo explorada como mulher da vida pelos cafetões do neoliberalismo brasileiro. Vai fazer história o artigo do advogado concursado da Petrobrás, agora aposentado, George Torres Barbosa, publicado recentemente no site Brasil 247, em que ele escancara a caixa preta das verdades da empresa, que desde sempre teve seus segredos vendidos a empresas estrangeiras por funcionários cooptados a peso de ouro.  

Cada vez menos o óleo bruto é refinado em refinarias brasileiras. O plano de crescimento do volume de refino, com construções de novas refinarias, foi sustado. Em vez disso, as nossas refinarias estão sendo vendidas. A bandeira brasileira está sendo retirada das refinarias brasileiras. O óleo bruto está sendo encaminhado a terceiros, refinado em refinarias estrangeiras, e a gasolina sendo vendida aos brasileiros a preços internacionais. Jornais noticiam que motoristas brasileiros atravessam a fronteira para encher o tanque na Argentina, pela metade do preço.

Vale enfatizar que a estancada do plano de refino, com a construção de refinarias brasileiras, aumenta o desemprego. Mas essa não parece ser preocupação dos formuladores das políticas econômicas do Brasil.  

Vivemos um momento de delírio no Brasil em que mentiras e verdades trocam de papel. Assistindo ao seriado The Good Fight, na Netflix, uma crítica à era Trump, o que seria entretenimento me parece um filme de terror. Constato se repetirem, no Brasil, tal e qual, as mesmas situações, a mesma lógica ilógica, as mesmas falsificações da realidade.  

Sou engenheiro e pergunto: como as estruturas de um país podem se equilibrar sobre fundações de mentira? Sobre a argila mole das fake News? Agora vemos nosso Presidente da República mentir no exterior a respeito de um suposto sucesso da economia brasileira, de um suposto apoio recebido da maioria da população, de supostas conquistas de sua gestão e suposto empenho do governo nas medidas contra a pandemia, às quais na verdade sempre se opôs.  

O Brasil virou um grande seriado de suposições e inverdades, cujo título poderia plagiar o humorístico “Vai que cola”.  

Como na piada do garçom, que diz “colou não colou dois contos”, ao apresentar ao cliente uma conta com acréscimos indevidos.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email