A realidade enterrou a política do Guedes

"Só resta ao Guedes, além de liberar recursos para acudir minimamente aos necessitados, reclamar contra iniciativas alternativas, dentro do próprio governo, à sua revelia, que apontam para a reconstrução econômica do País apoiada centralmente no Estado, protestar contra a iniciativa, para a qual não foi chamado", escreve Emir Sader

Ministro da Economia, Paulo Guedes, em Brasília
27/04/2020 REUTERS/Ueslei Marcelino
Ministro da Economia, Paulo Guedes, em Brasília 27/04/2020 REUTERS/Ueslei Marcelino (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

De anônimo contador, que só tinha no currículo um obscuro estágio no Chile o Pinochet, de repente Paulo Guedes se viu promovido a super ministro de um governo, para colocar em prática seus experimentos ultraneoliberais. No seu cargo de Posto Ipiranga, ele fez o que lhe encomendado, e o resultado não poderia ser outro.

Valendo-se de todos os poderes que lhe foram atribuídos, conseguiu a proeza, ao final do primeiro ano de governo, de ter um desempenho ainda pior que seu correlato no governo Temer. Crescimento zero, isto é, recessão, com  perspectivas de igual projeção para o segundo ano de governo.

Se valeu de ser ministro de um presidente absolutamente ignorante também de economia, com a responsabilidade de garantir o apoio do grande empresariado. Aprovou tudo o que quis do Congresso, gastou reservas acumuladas pelos governos do PT, prometeu e não cumpriu, fez o que quis e o que pôde. Mas chegou zerado ao primeiro ano do governo.

A chegada da pandemia foi um choque de realidade, para o qual nem Guedes, nem o governo estavam preparados. Mercado, investimentos privados – tudo isso saiu de pauta, substituídos pelo Estado, pelo SUS. A contragosto, o governo teve que desembolsar o que nao queria, na contramão dos ajuste fiscais do Guedes.

Adeus equilíbrio fiscal, adeus austeridade, adeus cortes de recursos de políticas sociais. O governo passou a ter que fazer tudo o que o Guedes não recomendava. O déficit fiscal foi para as alturas, a economia passou da recessão à depressão, entre desempregados e precários se subiu de 50 a 62,1 milhões de pessoas.

Só resta ao Guedes, além de liberar recursos para acudir minimamente aos necessitados, reclamar contra iniciativas alternativas, dentro do próprio governo, à sua revelia, que apontam para a reconstrução econômica do País apoiada centralmente no Estado, protestar contra a iniciativa, para a qual não foi chamado.

Guedes não foi demitido pelo presidente, que continua a confiar nele, embora não tenha nenhum resultado positivo a apresentar. Mas um presidente que repete a balela de que a economia estava se recuperando quando chegou a pandemia, não tem condição alguma de julgar a situação e econômica real do País e seu futuro.

A verdade é que o Guedes, que já estava deslocado antes da pandemia, agora parece um animal pré-histórico, incapaz de se situar na nova realidade do País e do mundo. Há um consenso, de que participam ex-ministros neoliberais, colunistas econômicos, empresários, de que o Estado tem que comandar a assistência que a maioria desvalida da sociedade precisa e a reconstrução econômica, assim que passar a pandemia.

O nível de depressão econômica é desconhecida pelo País e pelo mundo. Da mesma forma que a soma dos desempregados e dos precários atinge à maioria da população, que requer não apenas uma ajuda trimestral irrisória.

A referência histórica, em todos os países, é a crise de 1929 e o New Deal, de Roosevelt, com a maior operação de resgate estatal da economia que a história conheceu. O liberalismo foi escanteado e ficou assim por décadas.

Algo similar se discute em todas as partes do mundo. De forma coordenada pela União Europeia no velho continente. A Argentina vai sair da pandemia – que ela enfrenta de maneira mil vezes melhor que o Brasil – com a economia em frangalhos. A América Latina vai precisar, num esforço coordenado, que um líder como Lula é indispensável, buscar os recursos em organismos internacionais, para reconstruir nossas economias. Algo totalmente alheio ao neoliberalismo e a Guedes.

Claro que com este governo, nada disto é possível. O Fora Bolsonaro! é uma condição indispensável para a reconstrução do País. De repente, em exposição organizada pelo Banco Itaú, Guedes diz que 220 milhões de trouxas vivem explorados por 6 bancos. Política que ele implementou aceleradamente, e que agora até ele ridiculariza.

A realidade é implacável com que a nega. Guedes está demitido pela realidade, só lhe resta retomar sua carreira de contador. Nem no Chile de hoje ele encontrará emprego. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247