A república das milícias

Na prática, já há algum tempo, parte das forças armadas brasileiras, em especial o nanogeneralato do Exército, em troca de cabides e tostões, se converteram em leão de chácara de milicianos: de depósito de fuzil a carregamento de pasta de cocaína no avião presidencial, tudo vale

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ao amanhecer de quinta-feira, 18, o País foi tomado por um misto de surpresa e incredulidade: o famoso Fabrício Queiroz, ao que parece, coordenador do esquema de rachadinhas e braço de ligação entre as milícias e clã Bolsonaro, foi preso.

Sua prisão, se deu numa casa de veraneio, em Atibaia (SP), pertencente a Fred Wassef, advogado do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), também conhecido como “01” e, pelo menos ao que se sabe até agora, principal beneficiário do “laranjal do Queiroz”. 

Seria cômico se não fosse trágico! Perdoem-me o chavão!

Desde então, duas perguntas tomaram as redes sociais do país (antes, seriam as ruas!). A primeira é: onde está a esposa do Queiroz, sobre quem paira um mandato de prisão? (Talvez, na casa de outro advogado da família Bolsonaro!) 

A segunda é: como os militares governistas irão reagir a mais esta evidência de que estão servindo de guarda pretoriana para um grupo político miliciano que, com a conivência (e para a conveniência) de parte das elites brasileiras, tomou o poder da República, convertendo-a numa “república das milícias”?

Na prática, já há algum tempo, parte das forças armadas brasileiras, em especial o nanogeneralato do Exército, em troca de cabides e tostões, se converteram em leão de chácara de milicianos: de depósito de fuzil a carregamento de pasta de cocaína no avião presidencial, tudo vale! Tudo foi normalizado! Tudo foi banalizado. Até murros na mesa; e ameaças, bravatas e manifestos golpistas!Uns tais nanogenerais, herdeiros da linha dura anticomunista do general Sílvio Frota, já em sua época, a década de 1970, tresloucada, deslocada do mundo real, até ser defenestrada pelo general-presidente Ernesto Geisel, preferem a milícia à democracia. São seguidores do terraplanismo político; não conseguem desenvolver um raciocínio para além da lógica dicotômica da Guerra Fria. 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247