A revolta dos tontos

"As histórias falam de pessoas enganadas, grupos ameaçados e sonhos perdidos por conta da arbitrariedade, da opressão e das manobras do capitalismo", escreve o jornalista Miguel Paiva, do Jornalistas pela Democracia, comparando a realidade brasileira aos filmes Bacurau, Coringa e Odisseia dos Tontos

www.brasil247.com -
(Foto: Miguel Paiva)


Por Miguel Paiva, para o Jornalistas pela Democracia

Três filmes assistidos recentemente falam, de modos diferentes, de um mesmo sentimento: o da revolta diante das injustiças do poder. Coringa, Bacurau e Odisseia dos Tontos, esse último do argentino Sebastián Borensztein, com Ricardo Darin no papel principal. As histórias falam de pessoas enganadas, grupos ameaçados e sonhos perdidos por conta da arbitrariedade, da opressão e das manobras do capitalismo.

Assistimos aqui no Brasil, sem fazer referência a Bacurau, uma situação em que o povo pouco instruído, manipulado e afastado de qualquer decisão de fato sobre os seus destinos continua a aprovar um governo que nada fez ou nada fará em benefício desse mesmo povo. Por que então o apoio persiste? Porque, como diz o meu grande amigo Ziraldo, o Grande Público venceu. Difícil será  convencer esse grande público que está sendo enganado. Os sonhos desse grande público permanecem encurralados nas pequenas realizações. Para isso a falta de escola é fundamental. Querem saber da novela, do futebol e das corriqueiras coisas do seu dia a dia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas, somente isso, não satisfaz a verdadeira alma do povo que, composto por seres humanos, tem a irresistível mania de querer mais, até de sonhar mais alto. Depois de um certo tempo assistindo a novela e gritando gol ele quer olhar lá na frente, do outro lado do muro, ou, na pior das hipóteses, além do muro do vizinho. E ai o bicho começa a pegar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Enquanto acha que não está sendo prejudicado ele permanece manso, mas do momento em que se sente enganado, junta o herói da novela, o ídolo do time e aquele orgulho que ainda sobrevive lá no fundo para transforma-lo numa pessoa decisiva, capaz de mudar sua própria história e a de quem vive do mesmo jeito.

Não confie no rebanho de ovelhas o tempo todo. Para isso vai sempre existir a ovelha negra, que apesar do nome polêmico, carrega nela o poder da subversão, da transgressão e da transformação. Contenho meus impulsos para não falar revolução. Nada de revisionismos baratos, apenas uma constatação histórica que revoluções hoje podem ser feitas de modo menos violento e mais duradouro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bacurau, Coringa e A Odisseia dos Tontos mostram justamente essa transformação. Quando a situação chega a um ponto em que aquelas pessoas se dão conta que têm o poder da transformação, basta uma luz ou uma escuridão. Basta uma indignação, basta a constatação de que foi enganado. O mais esperto que tomou o poder, o mais pusilânime que ditou novas regras, o mais amoral que fechou o cerco em nome de deus e da família. A decisão mais íntima de ser feliz que se junta com a mesma decisão do vizinho e assim por diante é como um cinturão de balas de metralhadora. Não precisam matar mas não param mais  de atirar.

Coringa usa a linguagem dos heróis dos quadrinhos para subverter aquele mundo dividido entre o bem e o mal. Bacurau parte para uma linguagem mais tosca e não menos eficiente do cinema B brasileiro de algumas décadas atrás para passar sua não-mensagem e a Odisseia do Tontos, do grande talento dos roteiristas e atores argentinos para surpreender. Brasil e Argentina têm destinos dramáticos semelhantes. Os argentinos souberam talvez reagir melhor à opressão do passado.

Mas, essa luta não é só de brasileiros e argentinos. É do mundo inteiro que hoje vê misturadas raças, religiões, ideologias e culturas por conta do incontrolável refluxo populacional que surgiu com a emigração. A opressão de séculos hoje se volta contra os opressores. seu antigo escravo mora na sua esquina e fala diferente de você. Alguns países estão aprendendo com isso Coringa serve para internacionalizar o conflito. O mundo hoje é da diversidade. Brasil, Argentina e o resto dos países precisam aprender a viver com isso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Deixamos de ser os tontos, passamos a gritar bem alto o que queremos e não haverá nem continente, país, cidade ou família capaz de impedir. Cinema é isso, vida, diversão e reflexão. Vale a pipoca consumida.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email