A segunda temporada da série 'O Mecanismo' tenta se corrigir, mas chega atrasada

“O Brasil nunca foi, e talvez nunca será, governado de acordo com o interesse dos eleitores. Sejam eles de esquerda ou de direita”. Esta frase fatalista está no texto apavorante compartilhado pelo presidente Jair Bolsonaro dia 17 de maio. Mas ela poderia muito bem estar na segunda temporada da serie O Mecanismo

A segunda temporada da série 'O Mecanismo' tenta se corrigir, mas chega atrasada
A segunda temporada da série 'O Mecanismo' tenta se corrigir, mas chega atrasada

“O Brasil nunca foi, e talvez nunca será, governado de acordo com o interesse dos eleitores. Sejam eles de esquerda ou de direita”. Esta frase fatalista está no texto apavorante compartilhado pelo presidente Jair Bolsonaro dia 17 de maio. Mas ela poderia muito bem estar na segunda temporada da serie O Mecanismo. Aliás, as pirâmides de cartas que pretendem representar a política brasileira, montadas por Marco Ruffo, o delegado federal que começou a investigação da Lava Jato na série, ilustram perfeitamente o texto compartilhado pelo presidente.

Texto e série se fundem no seguinte argumento: “Desde a tal compra de votos para a reeleição, os conchavos para a privatização, o mensalão, o petrolão e o tal ‘presidencialismo de coalizão’, o Brasil é governado exclusivamente para atender aos interesses de corporações com acesso privilegiado ao orçamento público” (frase do texto apavorante).

Logo no início desta segunda temporada, que estreou dia 10 de maio deste ano, Ruffo dá o tom: “O Brasil é muito estranho: se eu digo que um político de esquerda é um bandido, eu sou fascista. Se eu aponto um larápio safado da direita eu sou chamado de esquerda caviar”. Ou seja, não é esquerda nem direita, é contra tudo isso que está aí.

Mas, por acaso, ou não, a primeira temporada, que estreou dia 23 de março de 2018,  foi exibida em pleno ano eleitoral, com uma explícita propaganda antipetista, defendendo, desta forma, uma visão política.

A primeira temporada apresentou a equipe da Força-tarefa Lava Jato como salvadores de um Brasil corrompido e esfacelado nas mãos de políticos de esquerda, de empreiteiros e do judiciário.  Deltan Dallagnol, Erika Marena, Sérgio Moro e um bem menos conhecido delegado Gerson Machado estão todos lá: Dimas Donatelli, Verena, Paulo Rigo e Marcos Ruffo retratados como heróis.

Após um ano e poucos meses da estreia da série o quadro mudou e o caráter político da Lava Jato ficou evidente.  Neste período:

1) Um improvável Jair Bolsonaro foi eleito presidente da república após uma eleição movida por paixões, por medidas arbitrárias da justiça e pelo envio ilegal de mensagens em massa pelo WhatsApp, muitas com conteúdo falso. 2) Sérgio Moro, entrou para o time do novo presidente como “superministro” da Justiça, depois de ter sido o principal responsável pela prisão, sem provas, no dia 7 de abril de 2018, do principal concorrente de Bolsonaro, Luís Inácio Lula da Silva. 3) Em dezembro de 2018, veio à tona um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que apontou uma movimentação atípica no valor de R$ 1.236.838 em uma conta no nome de Fabrício José Carlos de Queiroz, policial militar e ex-assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro, filho mais velho do presidente eleito. De acordo com o banco responsável pela conta, as movimentações financeiras de Queiroz são incompatíveis com o patrimônio, a atividade econômica ou ocupação profissional e a capacidade financeira do ex-assessor parlamentar. As investigações avançam. 4) Sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes, descobriu-se o envolvimento do grupo miliciano Escritório do Crime. Adriano Magalhães da Nóbrega, uma das lideranças do grupo, é filho de Raimunda Veras Magalhães e marido de Danielle Mendonça da Costa da Nóbrega. Raimundo e Danielle eram lotadas no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio.

Os fatos que separam a primeira da segunda temporada fizeram o diretor da série, José Padilha, se arrepender do entusiamo que havia demonstrado com relação ao juiz Sergio Moro.

Em artigo no jornal Folha de São Paulo, do dia 16 de abril de 2019, Padilha disse:

“Ora, o leitor sabe que sempre apoiei a operação Lava Jato e que chamei Sergio Moro de “samurai ronin”, numa alusão à independência política que, acreditava eu, balizava a sua conduta. Pois bem, quero reconhecer o erro que cometi”.

Até que ponto este reconhecimento se manifesta e muda o tom na segunda temporada?

Além daquela relativização genérica sobre a crítica à esquerda e à direita, o enredo ensaia um mea culpa, mostrando um Lula (na série ele chama Gino) comprometido com um discurso social e uma equipe policial constrangida por tê-lo feito depor através de condução coercitiva, mesmo que ele nunca tenha se negado a falar. A série também mostra um ridículo Power Point apresentado por Dallagnol como uma “prova” criada para incriminar Lula. Mas, sobretudo, há uma importante sequência sobre o grampo ilegal de uma conversa entre Lula e Dilma, vazado intencionalmente pelo personagem Rigo, que corresponde à Moro. Fica implícito que o vazamento tem finalidade política, já que, conforme sustenta a narrativa, ele foi importante na deflagração do impeachment da presidente Dilma. Isso tudo, no entanto, é muito sutil perto das graves acusações que a obra faz, ainda que seja uma obra de ficção “inspirada livremente em eventos reais”, ao Partido dos Trabalhadores. Ademais, este reconhecimento e a tentativa envergonhada de correção da história, surgem com um atraso. Agora Inês é morta.

A série, que termina com o impeachment, aponta para um futuro sombrio. No último episódio, que mostra a votação do impeachment na Câmara, Ruffo olha um deputado de extrema direita, que ao votar contra a presidente homenageia um torturador da ditadura militar e pensa “O PT que tinha representado a esperança formou uma quadrilha com o PMDB e traiu a população. A opção do PT matou a esquerda. E com a direita fisiológica e desonesta na mira da Lava Jato formou-se um vazio bem perigoso. Um vazio que poderia ser preenchido pelas forças repressivas de um passado não muito distante”.

O curioso é que Padilha, sob a narração de Selton Mello, no fim das contas, chega ao mesmo ponto de Bolsonaro. A conclusão que tem que mudar “isso tudo que está aí”. Que o país, refém da velha política, é ingovernável fora de conchavos. Ambos expressam uma revolta “anti-sistema” quase como um anarquismo adolescente, fora de hora e fora de lugar. Em outros tempos Padilha inspirou-se no psolista Marcelo Freixo para criar o humanista Fraga e condenou com veemencia a milícia carioca em Tropa de Elite 2. Quer saber o que é e como age a milícia? Assista Tropa de Elite 2!

O que talvez ele não tenha entendido, ou finge não entender, é que a Lava Jato, como parte dos conchavos, é uma importante carta das pirâmides do Ruffo. Muito mais do que combater a corrupção, o objetivo da força-tarefa é manter no poder o que há de mais arcaico na política.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247