A terra tremeu

Temos de levar em conta que, doravante, a CPI contará com a quebra dos sigilos telefônico e bancário. Aquele interesse exagerado pela cloroquina, da parte do Palácio do Planalto, transmite a impressão de sinistras falcatruas. Seja como for, a Terra tremeu, e, quando a Terra treme, podemos crer que o país não tornará a ser o mesmo



Num clássico de sua filmografia, de 1948, Luchino Visconti cita uma lenda siciliana segundo a qual, quando constroem uma casa, os operários atiram uma pedra na sombra da primeira pessoa que passa. Querem afirmar que, para se construir qualquer coisa, é necessário um sacrifício, daí a simbologia da pedra na sombra. La terra trema, a obra mencionada, fala sobre sacrifício, sofrimento e dor, algo parecido com o que se passa no Brasil. A luta pela vida e contra as suas adversidades extenua e, ao mesmo tempo, faz com que ultrapassemos nossas limitações, superando-nos e dando-nos confiança para prosseguir. O país que vemos se desdobrar à nossa frente, ainda perdido em suas conjecturas, começa, no entanto, a dar sinais de que existe, com força para recusar a opressão passivamente e aceitar o lugar inferior que desejam lhe conferir no cenário das nações. 

A sessão de sexta-feira, dia 25 de junho, na CPI do Senado, foi da degradação à coragem com as denúncias formuladas pelos irmãos Miranda, Luís e Ricardo. Parlamentares da situação, perplexos e perdidos, gritavam desesperadamente, sem saber como proceder. Marcos Rogério, situacionista vaidoso, berrava com fúria mal contida, enquanto o seu colega Fernando Bezerra, na mesma situação, ignorava onde depositar as frases em defesa do governo, a esta altura mal posicionado. Finalmente, em sua vez, o senador Jorginho, num confronto com o deputado Luís Miranda, muito agressivo, perdeu na réplica e na tréplica, desistindo de confrontá-lo. A terra tremeu ali como nunca antes, tornando-se patente que havia consistência nas denúncias e que escapamos de adquirir na Índia, a preços superfaturados, a Covaxin, uma vacina tratada como a rainha dos imunizantes, com muito mais relevo do que todas as anteriores. Agora se anunciam represálias contra o servidor, cuja função foi apenas a de impedir que o mal se efetivasse. Ele parecia humilde, enquanto funcionário concursado, cumprindo os seus deveres com energia bastante para visitar o Presidente, solicitar providências e, de nada adiantando, seguir para o Senado onde, afinal, lhe deram ouvidos. 

Como não podia deixar de ser, a Terra tremeu. Além do que já se vinha anunciando – o descaso com a saúde da população e com o número gigantesco de óbitos, a lentidão na escolha das vacinas, a falta de cuidado com os sistemas de proteção, etc. – acrescentavam-se cifras de milhões, com atravessadores dispostos a ganhar dinheiro, muito dinheiro. Isso para não falar, em Brasília, da manifestação dos indígenas, entregues à própria sorte, sem amparo. São gotas d’água. Tudo junto foi um terremoto, um tsunami, uma catástrofe difícil de ajeitar. Nem o “chá da vovozinha” do senador Luís Carlos Heinze mostrou eficácia para acalmar os nervos e consertar o estrago. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Temos de levar em conta que, doravante, a CPI contará com a quebra dos sigilos telefônico e bancário. Aquele interesse exagerado pela cloroquina, da parte do Palácio do Planalto, transmite a impressão de sinistras falcatruas. Seja como for, a Terra tremeu, e, quando a Terra treme, podemos crer que o país não tornará a ser o mesmo. Bolsonaro, Ricardo Salles, Pazuello e companhia, depois de usarem e abusarem da nossa paciência, que se cuidem.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email