A transposição como fator de sobrevivência humana, econômica e quebra de paradigmas

A transposição, chega como elemento vitorioso à resistência secular dos Coronéis do Nordeste que sempre sobreviveram da miséria e da seca, bem como queriam o uso da água do Rio São Francisco para elas, a exemplo da resistência feroz dos proprietários rurais da Bahia, Sergipe e Alagoas

transposição rio são francisco
transposição rio são francisco (Foto: Walter Santos)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A Grande Mídia instalada entre Rio e São Paulo não soube ou, de propósito, não deu o devido tratamento ao fato mais importante do Nordeste brasileiro, que foi a concretização da obra de Transposição de águas do Rio São Francisco chegando em sua primeira fase para resolver a escassez para 12 milhões de brasileiros.

De fato, fez o registro, mas a dimensão e efeito exigem que houvesse uma abordagem muito mais extensa porque significa contribuir efetivamente para nova etapa socioeconômica no Nordeste com reais impactos para dentro e fora da região fazendo-se sentir em nível nacional porque consolida a auto sobrevivência fixando as pessoas no lugar estancando o êxodo para Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

PARADIGMAS E PERSONALIDADES EM TORNO DA OBRA

A efetivação real da Transposição merecia e merece uma abordagem mais ampla da Mídia porque a Obra tem significado político muito além do debate sobre sua propriedade.

Ela, a Transposição, chega como elemento vitorioso à resistência secular dos Coronéis do Nordeste que sempre sobreviveram da miséria e da seca, bem como queriam o uso da água do Rio São Francisco para elas, a exemplo da resistência feroz dos proprietários rurais da Bahia, Sergipe e Alagoas.

Neste particular de coragem para enfrentar tamanha resistência, não há como negar ou esconder a decisão do ex-presidente Lula porque, diferentemente dos outros ex-presidentes, só ele sabia na pele e na vida o significado da Seca e da urgência de construir a Obra do Século.

Registre-se que Dilma Rousseff soube e pôs em prática sua contribuição efetiva à Obra.

Mas, repito, foi preciso coragem para enfrentar e vencer a resistência, dos que agora tentam usurpar da obra antes negada.

CELSO FURTADO E O FUTURO

A Transposição muito além da água que irriga esperança humana é também elemento das teses famosas de Celso Furtado sobre desenvolvimento do Brasil porque nunca haverá prosperidade nacional efetiva sem que se inclua a redução das desigualdades, em especial com o Nordeste, Berço inicial do País.

É preciso encarar o Sub-desenvolvimento tão criticado por Celso Furtado e a Grande Obra dá Transposição serve exatamente de estímulo à expectativa de que com água o semiárido Nordestino volte a pensar em auto sustentação e desenvolvimento agrário como elemento de novo ciclo econômico, longe do atraso ou imposto pelos velhos e novos Coronéis do Nordeste, os mesmos que Lula enfrentou e venceu.

A IDEOLOGIA: RICARDO X CÁSSIO

A síntese da disputa teórica e política sobre a Transposição pode ser mensurada nas figuras do governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, e o senador Cássio Cunha Lima, dois líderes inconteste.

Ricardo reproduz a sua coerência ideológica à Esquerda, n o campo progressista, com a essência do antigo autêntico PSB defendendo a Obra como legado de Lula rompendo barreiras para mudar o rumo de vida das pessoas, enquanto Cássio assume a postura de Centro à Direita reproduzindo as antigas e novas teses liberais buscando apropriar-se de um projeto ao qual não teve coragem de assumir quando superintendente da SUDENE em diante.

Tem mais: o êxito total da Obra só tem serventia real com a execução da parte do Governo da Paraíba fazendo as obras complementares para irrigar rios e açudes ao longo dos municípios.

E esta parte, o governador dez de forma exemplar.

No mais são discursos normais do debate político tupiniquim.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247