A única forma de acabar com as dificuldades económicas em Cuba é levantar o bloqueio dos EUA

A única solução a longo prazo para os males de Cuba é o levantamento imediato e incondicional do bloqueio dos EUA. Esta é a exigência do mundo, expressa por cada Assembleia Geral das Nações Unidas desde os anos 90, é a exigência do direito internacional, e é a exigência da justiça

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Há 60 anos Cuba vive sob o cerco da nação mais poderosa do mundo, negando-lhe o básico como alimentos, medicamentos e equipamento de construção - qualquer pessoa que se preocupe com as dificuldades econômicas de Cuba deve exigir o fim deste cerco. 

Numa ação evidentemente bem coordenada, em 11 de julho de 2021, grupos de opositores ao governo organizaram manifestações em várias cidades cubanas, principalmente em Havana. Pouco tempo após o início deste evento, os principais meios de comunicação social do mundo, incluindo, é claro, a mídia do Reino Unido, estavam em pleno funcionamento exagerando o evento. 

Esta explosão social é um acontecimento incomum em Cuba e ainda mais surpreendente foi a intensidade e a violência desencadeada pelos manifestantes (vandalismo, agressão contra funcionários, ataques a edifícios públicos), lembrando  protestos semelhantes na Venezuela em 2014 e 2017 e na Nicarágua, na tentativa de golpe de Estado de Julho de 2018. 

PUBLICIDADE

Era evidente que estes grupos de oposição estavam repetindo a conhecida táctica venezuelana da guarimba (distúrbios violentos e mediáticos nas ruas). Os protestos foram imediatamente respondidos por mobilizações de massa em apoio à revolução em toda Cuba, cujas imagens foram apresentadas como antigovernamentais por mídia como o jornal The Guardian [https://www.theguardian.com/global-development/2021/jul/12/thousands-march-in-cuba-in-rare-mass-protests-amid-economic-crisis] (embora este tenha posteriormente corrigido o erro). 

As razões dos protestos de rua originais foram a escassez de alimentos, de medicamentos, de fornecimento de eletricidade e combustível que sobrecarregam a vida quotidiana dos 11 milhões de cubanos da ilha com graves dificuldades. Estas incluem filas para alimentos e combustíveis, apagões de eletricidade, queda de renda, e dificuldades econômicas gerais. 

Os cubanos têm preocupações genuínas com a deterioração da realidade socioeconômica do país, provocada principalmente pela intensificação drástica do bloqueio dos EUA sob Donald Trump. Biden, apesar das promessas eleitorais de restaurar as boas relações com Cuba como quando da administração de Barack Obama, nada fez para aliviar esta situação - e os seus impactos aumentaram dramaticamente com o surto da pandemia de Covid-19. 

PUBLICIDADE

A pandemia dizimou o turismo em Cuba, a principal fonte de divisas em moeda forte da ilha. Também interferiu com o comércio e desaqueceu a economia. Mas além destes impactos no rendimento e na alimentação, os cubanos também tiveram de enfrentar escassez de medicamentos [https://cuba-solidarity.org.uk/emergency-appeal-for-cuba/] - gravemente afetados pelos efeitos do embargo - o que contribuiu para uma crise sanitária, principalmente em Matanzas. 

A eleição de Donald Trump levou os EUA a inverter totalmente as tímidas mas positivas decisões para aliviar os aspectos do bloqueio contra Cuba tomadas no governo Obama. Sob Trump, os Estados Unidos impuseram mais 243 medidas coercivas unilaterais (também conhecidas como sanções), incluindo a inclusão de Cuba na lista de Estados que patrocinam o terrorismo, o que representou uma intensificação brutal e totalmente injustificada da agressão dos EUA contra o povo cubano. 

As sanções visam todos os aspectos da economia cubana. Elas proíbem o comércio com empresas controladas ou operadas por e ou em nome dos militares; proíbem cidadãos norte-americanos de viajar para Cuba individualmente ou em grupos para intercâmbios educacionais e culturais; retiram a maior parte do seu pessoal da embaixada dos EUA em Havana, levando, entre outras coisas, à suspensão do processamento de vistos; permitem aos cidadãos norte-americanos entrar em litígio contra entidades cubanas que "traficam" ou beneficiam de bens confiscados pela revolução cubana desde 1959; proíbem  os navios de cruzeiro e outras embarcações de navegar entre os EUA e a ilha; proíbem os voos dos EUA para outras cidades cubanas que não Havana; suspendem os voos charter privados para Havana e proíbem os cidadãos americanos de permanecerem em estabelecimentos ligados ao governo cubano ou ao partido comunista; limitam o envio de remessas dos EUA. para Cuba (a Western Union teve de encerrar as suas operações na ilha); procuraram bloquear o fluxo de petróleo venezuelano para Cuba através da aplicação de sanções às companhias de navegação e às companhias petrolíferas estatais de Cuba e da Venezuela; proíbem a entrada de funcionários cubanos nos EUA por alegada cumplicidade em violações de direitos humanos na Venezuela, e muito mais. 

PUBLICIDADE

Tudo isto além das condições já existentes, que tornam muito difícil para as empresas internacionais que operam nos Estados Unidos fazer negócios com Cuba, o que significa que o bloqueio na realidade não é apenas uma questão de duas vias. As sanções visam causar a máxima dificuldade, exatamente como o bloqueio foi concebido para fazer no infame Memorando do Departamento de Estado 499 dos EUA, de 1960: 

O único meio previsível de alienar o apoio interno é através do desencanto e do desinteresse baseado na insatisfação econômica e nas dificuldades [...] todos os meios possíveis devem ser rapidamente empreendidos para enfraquecer a vida econômica de Cuba [...] uma linha de ação que, embora tão hábil e discreta quanto possível, faz o maior esforço para negar dinheiro e fornecimentos a Cuba, para diminuir os salários monetários e reais, para provocar fome, desespero e derrubar o governo.’ 

Até 2018, a Comissão Económica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) da ONU informou que o embargo financeiro e comercial dos EUA contra Cuba tinha custado à economia do país 130 mil milhões de dólares [https://www.reuters.com/article/us-cuba-economy-un/us-trade-embargo-has-cost-cuba-130-billion-un-says-idUSKBN1IA00T] . 

A pandemia de Covid-19 tem, além disso, tido um custo adicional para a economia cubana. A chegada de turistas estrangeiros diminuiu em mais de 90% no período de 2020-2021, causando um caos na economia. As receitas de moeda forte vital foram cortadas, e o vibrante setor de serviços que tinha surgido com a expansão do turismo foi quase totalmente encerrado. O número total de chegadas de turistas estrangeiros em 2019 foi de 4.275.558, enquanto em 2020 foi de apenas 1.085.920; mas a queda até Maio de 2021 (Janeiro a Fevereiro) foi em média de 96% [https://tourismanalytics.com/cuba.html]. 

Seria ingênuo se não desonesto acreditar que, como parte da estratégia de sanções de Trump contra Cuba, os funcionários e estrategistas dos EUA não tivessem incluído um plano de desestabilização. Estamos sem dúvida a testemunhar parte disto hoje com a violenta manifestação de rua coordenada combinada com uma ofensiva da mídia social liderada pelos EUA. Durante anos, muitos milhões de dólares fluíram dos EUA para os opositores da revolução cubana - sob Trump, este número aumentou, e os impactos disto num momento  de uma  crise mais vasta não podem ser subestimados. 

 A temida USAID e o National Endowment for Democracy (NED) tinham, desde a tomada de posse de Donald Trump em 2017, financiado pelo menos 54 grupos que se opunham à revolução cubana. O seu financiamento aumentou para quase 17 milhões de dólares, mas este valor é provavelmente muito mais elevado quando se considera que as ‘estratégias de construção da democracia’ estão isentas de divulgação conforme abrigo da Lei da Liberdade de Informação dos EUA (FOIA). 

O financiamento americano para ‘promover a democracia’ em Cuba está envolto em segredo e os destinatários deste financiamento não são conhecidos, nem se sabe como o utilizam. A USAID e a NED financiam jornalistas digitais, grupos de promoção dos 'direitos humanos', organizações de participação cidadã, cantores e rappers de hip-hop, acadêmicos, artistas e assim por diante. Não estão incluídos nos 54 grupos os contratantes e subcontratantes, nem quantos cubanos recebem dinheiro, mas o Diretório Democratico Cubano, por exemplo, informou ter pago 746 contratantes e 1.930 subcontratantes em 2018 [http://cubamoneyproject.com/2020/12/09/democracy-2/]. 

Ou seja, uma organização da oposição dos 54 conhecidos financiados pela USAID em Cuba relata ter pago mais de 150.000 dólares a mais de 2.500 ativistas. Este tipo de financiamento pode ajudar a explicar o elevado grau de homogeneidade e coordenação demonstrado pelo calendário, lugares e natureza não pacífica das manifestações de 11 de julho. 

Não é surpresa que Cuba, como muitas nações latino-americanas antes dela, enfrente um assalto à sua soberania nacional. Afinal de contas, só nos últimos anos vimos como se desenrolou o golpe de Estado na Bolívia, com total apoio ocidental. Estes eventos são frequentemente executados a partir do interior dos países mas liderados, organizados e financiados a partir do exterior. 

Os do exterior, no caso os EUA, incluem a USAID e NED, mas também elementos mais vocais e deliberados da direita, tais como Marco Rubio, Ted Cruz e as organizações republicanas de Miami, bem como pessoas como Bolsonaro, Álvaro Uribe e Luis Almagro em todo o continente. O seu objetivo é agir como defensores da ‘democracia’ e estabelecer narrativas na mídia internacionais. Marco Rubio fez um apelo ao presidente Biden para que intervenha contra Cuba e atacou o movimento ‘Black Lives Matter’  [https://floridapolitics.com/archives/441469-marco-rubio-blasts-black-lives-matter-for-defending-communist-cuban-regime/] por este emitir uma declaração de apoio a Cuba e condenar o bloqueio dos EUA. 

Em contrapartida, os governos da Argentina, Bolívia, Nicarágua, Venezuela, México, o grupo de países ALBA, mas também Lula, Dilma Rousseff, Pedro Castillo, o Grupo Puebla e o Fórum de São Paulo, deixaram claro que se opõem à interferência externa nos assuntos internos de Cuba. Exigiram o fim do bloqueio como condição prévia para a necessária melhoria das circunstâncias econômicas para a população da ilha. A divisão internacional sobre este assunto entre progressistas e conservadores não poderia ser mais clara. 

Nem uma única vez uma intervenção dos EUA (sob qualquer pretexto) trouxe para a América Latina algo que se assemelhasse à democracia. Tais intervenções sempre resultaram em ditaduras, privatizações em massa e violência brutal contra os mais pobres. Por outro lado, apesar dos seus muitos problemas e imperfeições, em 60 anos a Revolução Cubana tornou-se um farol de solidariedade e generosidade em todo o mundo - comprometendo-se a apoiar a causa da justiça mesmo quando as suas próprias circunstâncias têm sido muitas vezes difíceis. 

Nos últimos anos, o programa médico conjunto de Cuba e da Venezuela, Operação Milagre, levou a mais de 4 milhões de operações oftalmológicas gratuitas a pessoas pobres com cataratas e doenças oculares relacionadas. O seu internacionalismo médico fez com que, até à data [https://www.brasil247.com/blog/as-contribuicoes-de-cuba-na-luta-contra-a-pandemia-covid-19-4vr0cxer], ‘Cuba tenha enviado cerca de 124.000 profissionais de saúde para prestar cuidados médicos em mais de 154 países’ (1) e, desde março de 2020, mais de 3.700 médicos, enfermeiros e técnicos de saúde cubanos se tenham voluntariamente deslocado a 39 países (incluindo a Itália) para ajudar a combater a pandemia de Covid-19 [https://cuba-solidarity.org.uk/nobel-peace-prize/background/Henry-Reeve-Brigade-2020-09.pdf]. 

A única solução a longo prazo para os males de Cuba é o levantamento imediato e incondicional do bloqueio dos EUA. Esta é a exigência do mundo, expressa por cada Assembleia Geral das Nações Unidas desde os anos 90, é a exigência do direito internacional, e é a exigência da justiça. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE

Apoie o 247

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email