A vida é bela (a esperança é uma trincheira)

Falaram tanto que o PT transformaria o Brasil numa Venezuela, mas justamente o mercado se auto regulando que elevou o preço da gasolina de R$4,00 para quase R$10,00 conforme avançava a crise de abastecimento

Falaram tanto que o PT transformaria o Brasil numa Venezuela, mas justamente o mercado se auto regulando que elevou o preço da gasolina de R$4,00 para quase R$10,00 conforme avançava a crise de abastecimento
Falaram tanto que o PT transformaria o Brasil numa Venezuela, mas justamente o mercado se auto regulando que elevou o preço da gasolina de R$4,00 para quase R$10,00 conforme avançava a crise de abastecimento (Foto: Igor Santos)

A cidade estava linda, longe dos postos de gasolina e dos bares com a TV ligada em algum noticiário policial. São Paulo respirava saúde, as avenidas eram para as pessoas, carros eram esporádicos, pela primeira vez vi pombos deitados no asfalto da Av Paulista na hora do almoço.

Metrôs e ônibus recebiam novos passageiros, uma gente chamada: motoristas, agora sem suas buzinas, eram menos iracundos, pareciam desolados pela ausência de gasolina, em silêncio dentro do vagão, alguma música desde seus fones até seu sistema auditivo.

O que faz fracassar o plano de tornar os paulistanos um povo educado, são as horas de engarrafamento ouvindo jovem pan, cbn ou lendo correntes de Whatsapp. É verdade que às 7 da manhã, ninguém é feliz na linha verde. Também é verdade que às pessoas parecem ir para algum lugar terrível enquanto estão no metro. Mas quando subi as escadas da estação brigadeiro, não haviam buzinas!

Nos bares de depois do trabalho ainda haviam televisores ligados em noticiários policiais. Impossível não se preocupar com alguns lunáticos pedindo intervenção militar. Brasil um pais onde funcionário entre em greve para reivindicar benefícios para o patrão e pedir menos democracia, aliás a extinção da democracia e por conseguinte o direito à greve.

Mas também teve a Dacha me ensinando a beber vodka igual a um russo e rindo de como falo engraçado depois do 4° copo. Teve candomblé e festa de Exu no templo Axé Ilê Obá, umas meninas da América Central tentando me ensinar a dançar salsa e o abraço terno e forte dos amigos.

E quando o Prefeito de São Bernardo Orlando Morando na terça-feira se confundiu no facebook e pensado usar outra conta disse que o povo merecia borrachada, bem, só consegui lamentar sua desumanidade e ódio aos pobres e trabalhadores. Ri quando o Prefeito de São Paulo decretou estado emergencial por excesso de manifestações e me assustei com a passeata dos carros dos ovos freneticamente onipresentes.

Falaram tanto que o PT transformaria o Brasil numa Venezuela, mas justamente o mercado se auto regulando que elevou o preço da gasolina de R$4,00 para quase R$10,00 conforme avançava a crise de abastecimento. Foi a livre iniciativa que limitou em alguns supermercados a compra de apenas cinco itens. E não vi aquele rapaz feio elogiar o mercado e sua mão invisível, ele inclusive deve ter se escondido dentro de alguma sede do DEM.

Essa gente toda precisa se humanizar, quem tem empatia não mente, não diz que tratará metrô e depois hasta luego. Quem se humaniza, não sente prazer em tropa de choque contra trabalhadores e crianças. Quem se humaniza não pede intervenção militar e muito menos acredita nessas coisas botocadas que são os candidatos ao governo de SP.

A vida é linda, árdua porém bela, feito o olho claro da Dacha que parece se iluminar quando ela sorri. Feito a coragem da moça que eu não sei o nome e me fez ter esperança ao olha-la numa foto, peito aberto e sozinha contra uma turba de fascistas.

A vida é linda, muito mais bonita que a mentalidade dessa gente com tesão em uniformes militares. Muito mais bonita que as mentiras de prefeitos tucanos. A vida é linda como uma trincheira, profunda e significante como o sorriso de uma mulher corajosa.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247.Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247