Adeus ao meu pai

Há 15 dias, entrou no hospital para uma cirurgia de urgência por conta de uma aderência no intestino, mas nesse tempo pegou uma broncopneumonia, o intestino parou de funcionar, e por fim, uma septicemia geral que o levou, no dia do nascimento de Jesus, ao patamar das saudades eternas



Como se não bastasse o ano de 2020 permeado por sentimentos tão antagônicos, oscilando entre o otimismo e a desesperança, o trabalho árduo e o ócio culpado, encerro esse ano, tão traumático, sepultando o meu pai. Há 15 dias, entrou no hospital para uma cirurgia de urgência por conta de uma aderência no intestino, mas nesse tempo pegou uma broncopneumonia, o intestino parou de funcionar, e por fim, uma septicemia geral que o levou, no dia do nascimento de Jesus, ao patamar das saudades eternas.  A partir daí, entrei para as estatísticas daqueles que perderam seus entes queridos nesse ano funesto, sentindo o peso quase insuportável do luto. 

Durante esse tempo em que estive acompanhando-o no hospital, pegava-me em meio à insônia da madrugada refletindo sobre as possibilidades de desfecho para ele. Os sentimentos oscilavam entre o medo de me tornar órfã por completo, pois minha mãe já havia partido, e a coragem de seguir sozinha; entre a vida que se reiniciaria com a sua melhora ou a morte que transformaria a vida que se vai e a vida dos que ficam. 

Julgava que não contestaria o rumo tomado pela sabedoria universal, acreditando-me madura e espiritualizada o suficiente para não contraditar os desígnios divinos. Mas que nada! O grito abafado e censurado que saía da minha garganta, após o conhecimento do seu óbito, foi quase o grito da menina que chorava de saudades -EU QUERO O MEU PAI- quando ele estava pelo mundo viajando pela Marinha do Brasil, para sustentar sua família e dar as melhores condições de vida e de educação para nós. A saudade era grande, mas a certeza de sua volta também. Agora era diferente, ele não mais voltaria. A partir daí, a criança ferida pela dor da perda teve que engolir o choro e se levantar, mesmo que manca, para resolver as burocracias tão desrespeitosas com a dor alheia. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 Após a minha saída do hospital, sem o meu pai, constatei, ao olhar para o horizonte, que a paisagem se encontrava cinza, sem cores, mas tudo funcionava como antes. Os ônibus circulavam normalmente, as pessoas nas ruas encaminhavam-se para os seus afazeres, a banquinha do vendedor de café, na rua do hospital, já se encontrava aberta e lotada de trabalhadores. Num arroubo narcísico momentâneo, achei um absurdo que todos se encontrassem alheios à minha dor. Afinal, um bom pai havia partido e uma filha se desesperava! Todavia, voltando à razão, lembrei-me das 200.00 pessoas que se foram pela irresponsabilidade do governo genocida com a Covid-19, e aglutinei a minha dor a de outros órfãos de pai, mãe, filho, amigo, sobrinha, tia, tio, avô, avó, marido, esposa, irmão, irmã...e compreendi que a “dor da gente não sai no jornal”.    

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assim, começarei em 2021 um novo ciclo em minha vida, a de ser órfã do Sr. Alberto, todavia com a certeza de que fui amada e cuidada por ele, mesmo que em muitos momentos não me sentisse assim, por querer dele, sempre mais. Eu te amo meu pai. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email