Agora é Maia quem alerta: política fiscal pode provocar um 'colapso social'

Jair Bolsonaro está radicalizando a orientação neoliberal e o resultado, que aos poucos vai ficando notório, é o agravamento da crise política, econômica e institucional, que castiga o povo brasileiro. Não se trata de uma tese esquerdista, é a realidade que nos fala, aos gritos, e não é nada sábio fazer ouvidos moucos

Agora é Maia quem alerta: política fiscal pode provocar um 'colapso social'
Agora é Maia quem alerta: política fiscal pode provocar um 'colapso social' (Foto: Gilmar Félix/Câmara dos Deputados)

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta terça-feira (14) que as amarras impostas pelo teto de gastos entrelaçada com a falta de crescimento econômico pode levar o Brasil a um "colapso social" nos próximos anos.

Falou a investidores em Nova York reunidos pelo banco BTG Pactual.

Ele revelou que parou de exortar "há 30, 40 dias" a capacidade da reforma da Previdência de ressuscitar a economia brasileira, devido ao problema iminente causado pela excessiva rigidez orçamentária.

Ainda que tardia, a "nova" percepção do parlamentar carioca é louvável na medida em que inaugura uma pequena divergência com o pensamento único dominante, martelado diuturnamente pela mídia hegemônica, começando pela Rede Globo, cujos jornalistas entoam incansavelmente o cantochão de que sem reforma não há solução para os males da economia. Querem criar uma unanimidade burra, impor um consenso insensato.

Maia reconheceu o que há muito é óbvio: "a falência da qualidade dos serviços públicos em todos os entes" da federação.

Convém lembrar que o "novo regime fiscal" foi imposto no governo Temer após o golpe de Estado de 2016, que afastou a presidenta Dilma Rousseff por meio de um impeachment inconstitucional, dado a ausência de crime de responsabilidade. O presidente da Câmara apoiou a insensatez, agora condenada até pelo economista André Lara Resende.

Michel Temer, hoje preso por corrupção, também promoveu uma reforma trabalhista que subtraiu direitos da classe trabalhadora, flexibilizou a legislação trabalhista e extinguiu a Contribuição Sindical para enfraquecer o movimento sindical. Além disto, iniciou a entrega do pré-sal.

Dizia, com apoio da mídia e das classes dominantes, que eram medidas "essenciais" para estabilizar a economia, resgatar a confiança dos empresários e retomar o crescimento. Mas ocorreu o contrário, conforme preveniram os críticos.

A eleição de Jair Bolsonaro foi o coroamento do golpe de Estado de 2016. O capitão neofascista não só deu continuidade à agenda de Temer, colocando em primeiro plano a reforma da Previdência, como uma proposta bem pior do que a do seu antecessor que aponta para a privatização do sistema previdenciário e o empobrecimento sistemático dos idosos.

O líder da extrema direita está radicalizando a orientação neoliberal e o resultado, que aos poucos vai ficando notório, é o agravamento da crise política, econômica e institucional, que castiga o povo brasileiro. Não se trata de uma tese esquerdista, é a realidade que nos fala, aos gritos, e não é nada sábio fazer ouvidos moucos.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247