Água mole em pedra dura tanto bate até que acaba a água

"Ou seja, esgotados a implacável perseguição e todos os perversos recursos dos algozes do ex-presidente Lula no Judiciário e no Ministério Público, não conseguiram destruí-lo", afirma o jornalista e colunista do 247 Laurez Cerqueira; "Perceberam que Lula é feito da confiança de milhões de pessoas e que elas sabem que ele é inocente e vítima da indecente política brasileira. Mexeram com um gigante político que cresce a cada dia"

30/10/2017- Ato de encerramento da Caravana Lula por Minas Gerais na Praça da Estação, no Centro de Belo Horizonte. Foto: Ricardo Stuckert
30/10/2017- Ato de encerramento da Caravana Lula por Minas Gerais na Praça da Estação, no Centro de Belo Horizonte. Foto: Ricardo Stuckert (Foto: Laurez Cerqueira)

Como dizia um hippie que vendia artesanato na feira da Torre de TV, em Brasília:

"Água mole em pedra dura tanto bate até que acaba a água".

Ou seja, esgotados a implacável perseguição e todos os perversos recursos dos algozes do ex-presidente Lula no Judiciário e no Ministério Público, não conseguiram destruí-lo.

Perceberam que Lula é feito da confiança de milhões de pessoas e que elas sabem que ele é inocente e vítima da indecente política brasileira. Mexeram com um gigante político que cresce a cada dia.

As bandas do judiciário e do Ministério Público, que protagonizaram ilegalmente espetáculos combinados com a grande mídia para prender o ex-presidente Lula e tentar retira-lo da disputa pela presidência da República descambam na ladeira do desprestígio e sofrem progressivo isolamento.

À frente, o juiz Sérgio Moro e o procurador Deltran Dallangnol, seus seguidores no Tribunal Federal Regional da 4ª Região e no Supremo Tribunal Federal. Todos no mesmo barco do absolutismo "O Estado sou eu", como suporte do estado de exceção.

Sérgio Moro, Dallangnol e seus seguidores parece que ainda não se deram conta da parcela de responsabilidade deles no maior desastre institucional da história recente do Brasil. A confiança na justiça brasileira, um dos mais preciosos bens da democracia, desaba.

A recente pesquisa CNT/MDA mostra que a percepção da população é inversa à vaidade de magistrados e procuradores, que andam de salão em salão, como popstars,se autopromovendo e se regozijando do que têm feito.

Para 55,7% da população a Justiça no Brasil é (ruim ou péssima); 52,8% não confiam no Judiciário; e para 90,3% a Justiça brasileira não age de forma igual. Óbvio.

Numa demonstração clara de compreensão do processo político e de que o Brasil foi vítima de um criminoso golpe de estado, o povo diz "Não" ao judiciário e "Sim" ao ex-presidente Lula.

Diz também o Datafolha que apenas 16% da população confiam na mídia brasileira e que 82% não confiam absolutamente ou confiam muito pouco.

Eis o golpe de estado na lona.

Preso em Curitiba sem cometer nenhum crime, depois do roteiro hediondo de flagrantes violações das garantias constitucionais, do devido processo legal, de outros direitos, e do massacre diário das redes de TV, rádios, jornais e revistas, o ex-presidente Lula dispara nas pesquisas e lidera a disputa para a presidência da República, com 30% da preferência do eleitorado, segundo o Instituto Datafolha, quase o dobro do segundo colocado.

O cenário do Brasil, aos nossos olhos e aos olhos do mundo, se configura com o país afundando numa crise econômica e social gravíssima, governado por uma perigosa quadrilha, o judiciário desmoralizado, o ex-presidente Lula preso em Curitiba, para que ele não seja candidato à Presidência da República, podendo ser agraciado com o Prêmio Nobel da Paz, e povo com ele, mais firme do que nunca.

Diante da gravidade da crise institucional, caso o Tribunal Superior Eleitoral impeça a candidatura do ex-presidente, as forças políticas que o apoia poderiam pensar em promover uma eleição paralela.

Quem sabe criar um site, registrar a candidatura Lula e abrir, para votação, com registro do título eleitoral e CPF, no mesmo dia e horário das eleições presidenciais. Uma comissão técnica poderia ser nomeada para cuidar da segurança e da garantia da lisura da votação.

O tempo e os fatos estão se encarregando de iluminar o país e expor a verdade escondida na escuridão. A verdade vencerá.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247