Aham, Cláudia, senta lá!

www.brasil247.com - Nova presidente da Capes, Cláudia Mansani Queda de Toledo
Nova presidente da Capes, Cláudia Mansani Queda de Toledo (Foto: Reprodução/Twitter)


Por Carla Teixeira 

A imprensa tem dado, dia a dia, os capítulos da novela que tomou conta da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), responsável pelo desenvolvimento do Sistema Nacional de Pós-Graduação. A última entrevista concedida por sua atual presidente, Cláudia Mansani Queda de Toledo, ao jornal O Globo, foi o estopim da recente crise às vésperas do natal.

Cláudia classificou como “insurgência” e “deserção” a atitude dos coordenadores e colaboradores que pediram afastamento de suas funções. Eles denunciaram a existência de uma pressão interna para mudar o sistema de avaliação da pós-graduação e ampliar o ensino à distância.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na entrevista, Cláudia afirmou que “resistir à EAD no Brasil, um país com 213 milhões de habitantes, é uma atitude antidemocrática e pouco pluralista, que resiste à socialização da informação e do conhecimento”. Ao tratar sobre o valor das bolsas de pesquisa, sem reajustes há 8 anos, apresentou um dado que indicava a necessidade de R$ 1,3 bilhão para a atualização de acordo com a inflação. “Quem não quer aumentar o valor das bolsas? Mas precisa ter dinheiro”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Depois de perder cinco minutos do meu dia lendo esse festival de besteira, a primeira coisa que me ocorreu foi a imagem da Xuxa verde com sincera impaciência mandando um “Aham, Cláudia, senta lá!”. A Xuxa não se referia à Cláudia na CAPES, mas no atual contexto cabe bem.

O Ensino à Distância defendido pela Cláudia na CAPES como uma pretensa ação “democrática” e “pluralista” é na verdade um recurso mercadológico que enxerga a educação como um negócio para a obtenção de lucro. Interessa às instituições privadas - como a que ela detém – e não possui qualidade equiparável ao ensino presencial.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Honestamente - e a Cláudia da Xuxa poderia concordar -, defender o acesso democrático e plural à educação de qualidade demanda a imediata restituição do orçamento para a educação. A ampliação das políticas de permanência estudantil, a valorização da formação docente e técnica, o aumento do número de vagas e instituições, em todos os níveis, e o fortalecimento da rede pública e gratuita de educação municipal, estadual e federal.

Ao indicar a impossibilidade de reajuste do valor das bolsas de pesquisa, Cláudia não menciona que “a falta de dinheiro” é fruto de uma decisão política. O orçamento aprovado para 2022 é um verdadeiro escândalo(!). A Saúde ficou com R$ 4,6 bilhões, a Educação com R$ 3,6 bilhões e a Defesa com R$ 8,8 bilhões (pode isso, Arnaldo?). Como nos revelou Darcy Ribeiro, “a crise da educação no Brasil não é uma crise, é um projeto”. O nosso trabalho é combater esse projeto.

As reações da comunidade acadêmica à entrevista foram contundentes e imediatas. Mais pesquisadores deixaram suas funções, somando 138 renúncias. No dia 24 de dezembro, o mesmo jornal publicou reportagem sobre uma carta enviada ao Ministério da Educação (MEC), assinada por 30 dos 49 coordenadores de área da CAPES. Eles pedem a saída de Cláudia, pois “não há condições mínimas” de trabalho sob a “égide da atual presidência” classificada como “inadequada” e “desrespeitosa”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Foi cogitada uma renúncia coletiva, mas chegou-se à compreensão que os coordenadores devem permanecer em seus cargos para “impedir ou dificultar um eventual, e potencialmente maior, desmanche do sistema de avaliação da CAPES”. (Passe a virada do ano com essa, Cláudia!)

Apesar do desagradável sentimento de consternação em pleno natal, não temos sequer o direito à surpresa. Toda essa tragédia já estava anunciada. Cláudia, afinal de contas, é desqualificada para o cargo que ocupa.

Indicada para a presidência da CAPES em abril de 2021, seu nome foi considerado um “retrocesso”. Cláudia não possui perfil acadêmico, visão política científica ou credibilidade da comunidade e instituições nacionais e estrangeiras. Não demonstra conhecimento em outras áreas além da sua especialidade ou coordenou importantes projetos científicos que tenham formado recursos de alto nível.

Ao que consta, o atual ministro da educação e o “terrivelmente evangélico” ministro do STF são os mais altos recursos humanos formados pela instituição da qual Cláudia é proprietária e reitoria, e onde também adquiriu o título de Doutora no programa de pós-graduação (PPG) que coordenou. Convém ressaltar que este PPG foi impedido pela CAPES, em 2017, de receber novos alunos por não corresponder ao desempenho mínimo exigido pela avaliação.

A formação endógena da Cláudia seria o suficiente para ela ir sentar, mas tudo o que é ruim sempre pode piorar. Essa ladainha de ensino à distância, falta de orçamento e deserção são cortinas de fumaça para esconder as demoníacas intenções de desorganização e privatização da educação brasileira, principalmente da pós-graduação. Aquilo que a imprensa chama de “crise na CAPES” é sintoma dos sucessivos ataques contra a educação pública, a rede federal de educação e o sistema nacional de pós-graduação.

O último gatilho foi a entrevista sagazmente publicada para ser esquecida às vésperas das festas do fim de ano. Qual o quê! Levou como resposta imediata mais renúncias e um pedido, encaminhado ao MEC e ao Congresso Nacional, para que deixe a presidência da CAPES. Que Natal! Em 2022 tem mais. Ao fim e ao cabo, se a certa altura manter a dignidade se tornar mais importante que garantir seus interesses, Cláudia sempre poderá seguir o conselho da Xuxa.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email