Alma de capacho diplomático explica bloqueio aos navios do Irã

"A recusa da Petrobras em abastecer dois navios atracados em Paranaguá é apenas o primeiro passo de uma diplomacia que perdeu a soberania nacional como principal referência", escreve Paulo Moreira Leite, articulista do 247; "O destino será rebaixar-se cada vez mais, sempre, até transformar o mais influente país da América do Sul numa irrelevância geo-política"

Por Paulo Moreira Leite, para o Jornalistas pela Democracia

Ao assumir publicamente a vocação de capacho diplomático, sempre a disposição para ser pisoteada por Donald Trump,  a diplomacia de Jair Bolsonaro confirma que não há limites para quem não reconhece a soberania nacional como referência. O destino sempre será rebaixar-se cada vez mais. 

A adesão ao bloqueio norte-americano ao comércio do Irã, expressa pela recusa da Petrobras em abastecer dois navios atracados no Porto de Paranaguá, é apenas o primeiro passo para outras medidas que virão. Num país onde o agronegócio constitue um dos raros setores da economia que conserva algum dinamismo, o episódio ajuda a compreender a nova prioridade. 

Prefere-se prejudicar interesses do Brasil e dos brasileiros pelo receio de desagradar Washington. Agora, são plantadores de milho e outros produtos de exportação os maiores prejudicados. Não se sabe quem serão os próximos  da lista. 

É uma postura duas vezes lamentável -- pelo presente e pelo passado. 

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Há exatamente dez anos, quando estiveram em Teerã para negociar um acordo sobre tecnologia nuclear com o governo iraniano, Lula e Celso Amorim provocavam  esperança e orgulho em governos e estudiosos que compreendem a importância de se buscar a paz num mundo plural,  capaz de respeitar necessidades econômicas e diferenças culturais entre em estágios diversos de desenvolvimento. 

Numa iniciativa que teve a concordância, ponto a ponto, do governo de  Barack Obama, o acordo assinado por Brasil, Irã e Turquia abriu uma perspectiva inédita de paz e convivencia entre velhos adversários no Oriente Médio -- mais tarde sabotada e inviabilizada pelos inimigos da paz e senhores da guerra, o governo de Israel, no plano reagional, o complexo industrial-militar norte-americano, no plano mundial. Não por acaso, referências fundamentais do Itamaraty sob Bolsonaro. 

Ao aderir ao bloqueio contra o Irã, o país esquece a condição de 8a. economia do planeta e o lugar de nação mais influente da América do Sul, para praticar uma diplomacia pequena, de um país que, a seguir este caminho, em breve estará condenado a irrelevância geo-política. 

Alguma dúvida?    

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247